COZINHA ÉTNICA: UMA PRÁTICA DE CONSUMO URBANO

Fabiana de Lima Sales

Resumo


O consumo e interesse pela gastronomia, tal como se apresenta na sociedade contemporânea, é uma prática marcadamente urbana. A diversidade na oferta gastronômica de uma cidade chega a constituir um requisito para que a cidade possa ser considerada cosmopolita (COLLAÇO, 2008). O conceito de gastronomia está ligado ao espaço urbano, industrializado e moderno, constituindo-se em uma prática carregada de reflexão e intencionalidades. Assim, a proposta deste trabalho dirige-se à reflexão acerca de uma modalidade de consumo gastronômico que se apresenta, para além de uma diferenciação no mercado de alimentos e bebidas, como um veículo de comunicação e resistência: a cozinha étnica. Ao lidar com elementos, tais como, memória, grupo étnico e valores culturais, a comida carregada de sentimentos e simbolismos se oferece como instrumento para pensar o “eu” e o “outro”, as diferentes relações que podem ser estabelecidas entre estes sujeitos, reforçando, assim, o seu vínculo com o conceito de identidade cultural. Como procedimentos metodológicos, foi empregada neste artigo a revisão da literatura referente ao conceito de cozinha étnica, a qual foi confrontada com a realidade observada no Restaurante Altar – Cozinha Ancestral, localizado no centro da cidade do Recife (PE). Foi possível observar, no restaurante em questão, a presença de elementos tais como etnicidade, identidade, reconhecimento, autoafirmação e cultura numa experiência de consumo, marcada pelo contato interétnico viabilizado, por sua vez, pela proposta e efetivo preparo de uma cozinha que, comprometida com a sua ancestralidade, mostra-se uma prática fortemente contemporânea. 


Palavras-chave


Gastronomia; consumo; cozinha étnica; restaurante Altar

Texto completo:

PDF

Referências


ATALA, Alex; DORIA, Carlos Alberto. Com unhas dentes & cuca: prática culinária e papo cabeça ao alcance de todos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2008.

ARVELA, Paula. Ethnic food: the other in ourselves. In: SANDERSON, D.; CROUCH M. (eds.) Food: expressions and impressions. Oxford, United Kingdom: Inter-disciplinary Press. p. 45-56.

BARBOSA, Lívia. Sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2004.

BARTH, Fredrik. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: _____. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra capa, 2000. p. 25-67.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia: rito nagô. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

CARNEIRO, Edison. Religiões negras; Negros Bantos. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1981.

COLLAÇO, Janine Helfst Leicht. O uso de identidades étnicas na Capital mundial da Gastronomia: o caso da cidade de São Paulo. Anais do Encontro Nacional de Estudos do Consumo. Rio de Janeiro, 2008.

_____. Gastronomia: a trajetória de uma construção recente. Habitus. Goiânia, v. 11, n. 2, p. 203-222, jul/dez 2013.

LODY, Raul. Bahia bem temperada: cultura gastronômica e receitas tradicionais. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2013.

McCRAKEN, Grant. Cultura e consumo: uma explicação teórica da estrutura e do movimento do significado cultural dos bens de consumo. ERA, v. 47, n. 1, jan/mar 2007, p. 99 – 115.

MONTANARI, Massimo. Comida como cultura. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2008.

UOL. NE10. BLOG SOCIAL1. Jantar que comemora a consciência negra vai de nugget de feijoada a aligot do sertão. Disponível em http://blogs.ne10.uol.com.br/social1/2015/11/17/jantar-que-comemora-a-consciencia-negra-vai-de-nugget-de-feijoada-a-aligot-do-sertao. Acesso em 10 dez 2015.VAN DEN BERGHE, Pierre. Ethnic Cuisine: culture in nature. Ethnic and Racial Studies, v. 7, n. 3, 1984. p. 387-397.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Arquivos Brasileiros de Alimentação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons