Marco referencial da gastronomia como cultura no estado do Rio de Janeiro: o “mise-en-place ” para a gastronomia carioca está posto? Desdobramentos e perspectivas no âmbito da gastronomia e cultura para o Rio de Janeiro

Autores

  • Ítalo de Paula Casemiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Alimentação, cultura, políticas públicas

Resumo

A gastronomia é reconhecidamente um elemento integrante da cultura. No ano de 2015 foi lançado no Rio de Janeiro o Marco da Gastronomia como Cultura, de autoria do deputado Zaqueu Teixeira, com o objetivo de dar visibilidade e fortalecer os modos de vida e as práticas alimentares das populações tradicionais no Rio de Janeiro. O referido documento é um norteador das ações voltadas à gastronomia no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. Destacam-se dois elementos centrais de sua proposta: a visibilidade e o resgate da gastronomia local. Apesar das inúmeras políticas públicas para a alimentação existentes no Brasil, o Marco da Gastronomia como Cultura, tem seu foco na gastronomia e no seu direcionamento ao cenário carioca. A partir da análise da referida política pública, considera-se está uma importante iniciativa pública na promoção da culinária e da gastronomia no Estado do Rio de Janeiro, com importantes impactos para as áreas da cultura, turismo, economia e da pesquisa acadêmica. Espera-se que este ensaio possa contribuir para as discussões e avanços teóricos e práticos a partir do Marco da Gastronomia como Cultura.

Biografia do Autor

Ítalo de Paula Casemiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Acreano, natural de Rio Branco. Mestre em Administração pelo Programa de Pós-Graduação Mestrado em Administração da Universidade Federal de Rondônia - UNIR (2014), onde analisou a presença de conteúdos sobre gestão da diversidade nos currículos dos cursos de bacharelado em Administração de Universidades Federais do Brasil, tendo cursado esta pós-graduação como bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Bacharel em Administração de Empresas com Ênfase em Análise de Sistemas pelo Instituto de Ensino Superior do Acre - IESACRE (2011), tendo cursado o referido curso como beneficiário de bolsa integral através do Programa Universidade Para Todos - PROUNI. Graduando em Gastronomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, onde desenvolveu como trabalho de conclusão de curso o estudo sobre o perfil da produção científica sobre gastronomia em periódicos brasileiros de turismo. Pós-graduando em Gestão Urbana e Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - ENSP-FIOCRUZ, onde desenvolve a proposta de intervenção intitulada "Gestão Urbana e Big Data: modificando a atuação na gestão, a partir da análise de grandes dados". Pós-graduando em Gestão Ambiental, onde desenvolve a pesquisa intitulada "Entre o Artesanal e o Convencional: Avaliação do Ciclo de Vida em Cervejarias Artesanais. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Gestão da Inovação e Tecnologia (GEITEC) e do Grupo de Estudos de Recepção Audiovisual na Educação em Ciências e Saúde (GERAES). Possui experiência na área de Administração, Alimentos e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação a distância, gastronomia contemporânea, segurança alimentar, comportamento organizacional, diversidade nas organizações, gestão ambiental, gestão urbana, sociologia urbana, tecnologias sociais, negócios sociais e divulgação científica. e. Áreas de interesse: gestão da diversidade, estudos sobre competências comportamentais em administração e ensino em administração.métodos qualitativos, métodos quantitativos, estudo de caso, gestão ambiental, educação ambiental, gestão urbana, gestão da diversidade, educação a distância, administração, alimentação, gastronomia, survey, questões éticas em pesquisa, comportamento organizacional, cultura brasileira, saúde no contexto urbano, sociologia urbana, antropologia urbana, divulgação científica, tecnologia sociais, negócios sociais, gestão de pessoas, agroecologia, estudos de recepção e endereçamento, estudos bibliométricos, gentrificação

Referências

AZEVEDO, E. Alimentação, sociedade e cultura: temas contemporâneos. Sociologias, v.19, n.44, p.276-307, 2017.

AZEVEDO, M.; NETO, E. C. Turismo, Imagem Territorial e Gastronomia: o valor simbólico da culinária na atratividade de destinos turísticos brasileiros. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, v. 5, n. 2, p, 03-05, 2010.

BARHAM, E. Translating terroir: the global challenge of French AOC labeling. Journal of rural studies, v. 19, n. 1, 127-138, 2003.

BELO HORIZONTE. Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Relatório Final. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

BRASIL. Alimentos regionais brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

______. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. – Brasília: ministério da saúde, 2014.

______. Ministério da Saúde. Política nacional de alimentação e nutrição. Brasília, 2012.

BRILLAT-SAVARIN. Jean-Antheime. A Fisiologia do Gosto. São Paulo, Companhia das Letras, 1995.

CAVALCANTI, P. A pátria nas panelas. História e receitas da cozinha brasileira. São Paulo: Senac, 2007.

FERNANDES, C.; MONTEIRO, S. Viagem gastronômica através do Brasil. Senac, 2001.

FROES, Luciana; ROLDÃO, Ana. Rio, Paisagem Gastronômica. Rio de Janeiro: Nau das Letras, 2016.

GIESBRECHT, Hulda Oliveira et al. Indicações geográficas. Brasília: SEBRAE, INPI, 2014.

GIMENES-MINASSE, Maria Henriqueta Sperandio Garcia. Notas sobre políticas públicas a respeito da gastronomia no contexto turístico brasileiro. Turismo e Sociedade, v. 9, n. 3, 2017.

GRANATO, A. Sabor do Brasil. Sextante Artes, 2011.

JIMÉNEZ-BELTRÁN, F. J.; LÓPEZ-GUZMÁN, T.; GONZÁLEZ, F. S. F. Analysis of the relationship between tourism and food culture. Sustainability, v. 8, n. 5, p. 01-11, 2016.

LIMA, R. S; NETO, J. A. F.; FARIAS, R. D. C. P. Alimentação, comida e cultura: o exercício da comensalidade. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 10, n. 3, p. 507-522, 2015.

MACIEL, M. E. Uma cozinha à brasileira. Revista Estudos Históricos, v.1, n. 33, p. 25-39, 2004.

MINAS GERAIS. Decreto n. 47192, de 25 de maio. de 2017. Dispõe sobre a Política Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia Mineira e dá outras providências, Belo Horizonte, MG, 2017.

MÜLLER, S. G.; AMARAL, F. M. A preservação dos saberes e fazeres gastronômicos por meio da articulação entre o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina e espaços culturais. Revista Thema, v. 9, n. 1, p. 01-14, 2012.

NETTO, A. P.; ANSARAH, M. G. dos R. (Eds.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Manole, 2009.

PINTO, H. S.; SIMÕES, R. A. Cultura Alimentar como Patrimônio Imaterial da Humanidade: desafios e oportunidades para a gastronomia brasileira. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, Abril/2016 (Texto para Discussão nº 195). Disponível em: . Acesso em 8 de jan de 2018.

RIO DE JANEIRO. Projeto de Lei Nº 1042/2015 de 10 de Outubro 2015. Estabelece, no Âmbito do Estado do Rio de Janeiro, O Marco Referencial da Gastronomia como Cultura e dá Outras Providências. Rio de Janeiro, RJ, dez 2015. Disponível em: <http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/scpro1519.nsf/18c1dd68f96be3e7832566ec0018d833/f332cf60e79e46aa83257ee60050aaa3?OpenDocument>. Acesso em: 11 jan. 2018.

______. Lei Nº 7180 de 28 de Dezembro 2015. Estabelece, no Âmbito do Estado do Rio de Janeiro, O Marco Referencial da Gastronomia como Cultura e dá Outras Providências. Rio de Janeiro, RJ, dez 2015. Disponível em: < http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/f25edae7e64db53b032564fe005262ef/06033f24c3697dab83257f31005b1d36?OpenDocument&Highlight=0,gastronomia>. Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Lei Nº 7408 de 10 de Agosto de 2016. Instituir no Calendário Oficial do Estado do Rio De Janeiro, O Festival Macaé Cultura e Gastronomia. Rio de Janeiro, RJ, ago 2016. Disponível em: <http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/f25edae7e64db53b032564fe005262ef/c92c1986f6ac721683258020005fcfaa?OpenDocument&Highlight=0,gastronomia>. Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Lei Nº 7252 DE 05 DE ABRIL 2016. Institui, no Âmbito do Estado do Rio de Janeiro, a Política Estadual de Incentivo e Fomento a Feiras Gastronômicas e à Comercialização de Alimentos em Trailers, Vans, Caminhões e Veículos Similares Conhecidos como “Food Trucks” e dá Outras Providências. Rio de Janeiro, RJ, abr. 2016. Disponível em: < http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/contlei.nsf/f25edae7e64db53b032564fe005262ef/4b2e72607947f91f83257f93005a799b?OpenDocument&Highlight=0,gastronomia>. Acesso em: 12 jan. 2018.

______. Lei Ordinária Nº 7595, de 23 de Maio de 2017. Dispõe Sobre a Inclusão de Cachaças Produzidas no Estado do Rio de Janeiro nas Cartas de Bebidas de Bares, Restaurantes e Hotéis. Rio de Janeiro, RJ, maio 2017. Disponível em: < http://leisestaduais.com.br/rj/lei-ordinaria-n-7595-2017-rio-de-janeiro-dispoe-sobre-a-inclusao-de-cachacas-produzidas-no-estado-do-rio-de-janeiro-nas-cartas-de-bebidas-de-bares-restaurantes-e-hoteis?q=restaurantes>. Acesso em: 12 jan. 2018.

RINALDI, C. Food and Gastronomy for Sustainable Place Development: A Multidisciplinary Analysis of Different Theoretical Approaches. Sustainability, v. 9, n. 10, 01-25, 2017.

ROTENBERG, S. et al. Oficinas culinárias na promoção da saúde. In: Diez-Garcia, R. W.; Cervatomancuso, A. M. (Coord.). Mudanças alimentares e educação nutricional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 327-334, 2012.

SILVA, J. K., et al. Alimentação e cultura como campo científico no Brasil. Physis-Revista de Saúde Coletiva, v. 20, n. 2, p.413-442, 2010.

UNESCO. Browse the Lists of Intangible Cultural Heritage and the Register of good safeguarding practices. 2018. Disponível em: <https://ich.unesco.org/en/lists>. Acesso em: 14 de jan. de 2018.

______. Creative Cities Network. 2018. Disponível em: <https://en.unesco.org/creative-cities/creative-cities-map>. Acesso em: 14 de jan. de 2018.

WTO - World Tourism Organization. Affiliate Members Report, Volume sixteen – Second Global Report on Gastronomy Tourism, UNWTO, Madrid, 2017.

Downloads

Publicado

2018-11-10

Edição

Seção

Artigos