Caracterização físico-química do óleo bruto proveniente dos resíduos de scomber japonicus (cavalinha)

Autores

  • Edilene Ferreira da Silva Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis - SC
  • Ricardo Ramos da Silva Instituto Federal do Piauí (IFPI), José de Freitas - PI
  • Rayane de Tasso Moreira Ribeiro Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife - PE
  • Victoria Maura Silva Bermudez Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza - CE
  • Vera Lúcia Viana do Nascimento Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), Teresina - PI

DOI:

https://doi.org/10.53928/aba.v4i2.4549

Palavras-chave:

Descartes, Filetagem, Óleos marinhos, Ômega

Resumo

O setor pesqueiro consiste em uma atividade econômica de grande importância no Brasil e no mundo. O peixe faz parte da alimentação humana por apresentar um conteúdo considerável de proteínas e lipídios essenciais, dentre estes últimos os ácidos graxos poli-insaturados da série ômega 3 (?-3). Scomber japonicus, conhecida como cavalinha, representa uma alternativa no mercado para a obtenção de óleos enriquecidos com ômega 3. Este estudo tem por objetivo avaliar as características físico-químicas do óleo bruto dos descartes de cavalinha in natura. As análises oleoquímicas realizadas foram: índices de acidez, ácidos graxos livres, iodo, peróxido e saponificação. Os resultados demonstraram que óleo bruto de cavalinha apresentou poucas alterações nas propriedades físico-químicas, em relação aos demais óleos de pescado e vegetais. O óleo produzido dos descartes da filetagem de cavalinha é rico em ácidos graxos poli-insaturados, portanto apresenta grande potencial comercial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilene Ferreira da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis - SC

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos.

Ricardo Ramos da Silva, Instituto Federal do Piauí (IFPI), José de Freitas - PI

Graduando no Curso de Tecnologia de Alimentos.

Rayane de Tasso Moreira Ribeiro, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife - PE

Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade.

Victoria Maura Silva Bermudez, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza - CE

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais.

Vera Lúcia Viana do Nascimento, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI), Teresina - PI

Departamento de Informação, Ambiente, Saúde e Produção Alimentícia.

Referências

AOCS. American Oil Chemists Society. Official Methods and Recommended Pratices of the American Oil Chemists’ Society. Washington, 5 ed., 2002.

ARAUJO, K. L. G. V. Avaliação físico-química do óleo de peixe. 2007. 83 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de alimentos). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

BRASIL. Ministério da Pesca e da Agricultura. Consumo per capita Aparente de Pescado no Brasil de 1996 a 2009. O Brasileiro está comendo mais pescado. Brasil, 2010. Disponível em: <http://www.mpa.gov.br> Acesso em: 25 de maio de 2016.

_______. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 19, de 15 de março de 1995. Estabelece critérios para o Complemento Nutricional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de março de 1995.

CALDER, P. C.; YAGOOB, P. Omega-3 polyunsaturated fatty acids and human health outcome. BioFactors, v. 35, n. 1, p. 266-272. 2009.

CHO, H. P.; NAKAMURA, M.; CLARKE, S. D. Cloning, expression, and nutritional regulation of the mammalian Delta-6 desaturase. Journal of Biological Chemistry, v. 274, p. 471-477, 1999.

COCKBAIN, K. J.; TOOGOOD, G. J.; HULL, M. A. Omega-3 polyunsaturated fatty acids for the treatment and prevention of colorectal cancer. Gut., v. 6, p.135-149, 2012.

CODEX ALIMENTARIUS COMMISSION. Proposed draft standard for fish oils. Joint fao/who food standards programme codex committee on fats and oils. 20 ed., 2011.

CUNHA, D. C.; CREXI, V. T.; PINTO, L. A. A. “Winteracão” de óleo de pescado via solvente. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 29, p. 207-213, 2009.

FELTES, M. M. C.; CORREIA, J. F. G.; BEIRÃO, L. H.; BLOCK, J. M.; NINOW, J. L.; SPILLER, V. R. Alternatives to adding value to the fish processing industry wastes. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 14, n. 6, p. 669-677, 2010.

FUADI, I.; SUSENO, S. H.; IBRAHIM, B. Characterization of fish oil from Mackerel (Scomber japonicus) canning by product. Asian Journal of Agriculture and Food Science, v. 2, n. 3, p. 227-233, 2014.

MORAIS, M. M.; CREXI, V. T.; PINTO, L. A. A.; Ortiz, S. C. A.; Silva, R. L.; Silva, J. Estudo do Processo de Refino do Óleo de Pescado. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 60, n. 1, p. 23-33, 2001.

NASCIMENTO, V. L. V.; BERMÚDEZ, V. M. S.; LIMA DE OLIVEIRA, A. L.; KLEINBERG, M. N.; RIBEIRO, R. T. M.; ARAUJO DE ABREU, R. F.; CARIOCA J. O. B. Characterization of a hydrolyzed oil obtained from fish waste for nutraceutical application. Food Science and Technology, v. 35, n. 2, p. 321-325, 2015.

PIRES, D. R.; MORAIS, A. C. N.; COSTA, J. F.; GÓES, L. C. D. S. A. Aproveitamento do resíduo comestível do pescado: Aplicação e viabilidade. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 9, p. 34-46, 2014.

SOARES K. M. P.; GONÇALVES A. A. Qualidade e segurança do pescado. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 71, n. 1, p.1-10, 2012.

SHAHIDI, F. Lípdis y proteínas funcionales del pescado. In: MAZZA, G. (Ed.). Alimentos funcionales. Zaragoza: Acribia, 1998. cap. 12, p. 381-401.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

Silva, E. F. da, Silva, R. R. da, Ribeiro, R. de T. M., Bermudez, V. M. S., & Nascimento, V. L. V. do. (2021). Caracterização físico-química do óleo bruto proveniente dos resíduos de scomber japonicus (cavalinha). Arquivos Brasileiros De Alimentação, 4(2), 416–423. https://doi.org/10.53928/aba.v4i2.4549

Edição

Seção

Artigos