Uma análise histórica do ensino e pesquisa sobre Mixomicetos no Brasil

Heber Santos Cunha

Resumo


Os primeiros estudos sobre a mixobiota brasileira foram de iniciativa de pesquisadores estrangeiros europeus em meados do século XIX. Na década de sessenta do século XX no nordeste do Brasil, alguns professores iniciaram o ensino sobre os mixomicetos na disciplina de botânica sistemática no curso de História Natural da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Uma revisão de literatura investigou as primeiras informações históricas sobre o ensino e a pesquisa de mixomicetos no Brasil. Enfatiza os principais pesquisadores estrangeiros que fizeram as primeiras coletas de mixomicetos no Brasil. Foram considerados: Waldemar de Oliveira (médico), Ralph João George Hertel (botânico), Geraldo Mariz (farmacêutico) e Jair Putzke (botânico). Eles analisaram a importância cientifica da principal mixomicetóloga da América do Sul, Dra. Laise de Holanda Cavalcanti da (UFPE), que lidera o único grupo de pesquisadores que se dedicam exclusivamente ao estudo da mixobiota do Brasil. Conclui-se que o ensino e pesquisa de mixomicetos no Brasil se destacaram no Nordeste a partir da cientista Laise de Holanda Cavalcanti Andrade.


Palavras-chave


Mixomicetologia; Slimes molds; história

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Alexopoulos, C. J.; Beneke, E. S. 1953. New records the Myxomycetes from Michigan in Papers Mich. Acad. Scienc., 38, 1-7.

Alexopoulos, C. J.; Beneke, E. S. 1954. A new species of Comatricha from Jamaica. Mycologia, 46, 245-247.

Alexopoulos, C. J.; Mims, C. W.; Blackwell, M. 1996. Introductory Mycology. John Wiley & Sons. Quarta edição.

Alexopoulos, C. J.; Mims, C. W.; Blackwell, M. 1979. Introductory Mycology. John Wiley & Sons. Terceira edição.

Barros, M. S. 1979. A subsecção Clusifoliae vesque, do gênero Tovomita Aublet. (Gutiferae) no Brasil, Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, Pernambuco, Brasil. 142p.

Batista, C. 1949. Três mixomicetos comuns em Pernambuco. Boletim da Secretaria de Agricultura, Indústria e Comércio de Pernambuco, Recife. pp. 166-167.

Bezerra, A. C. C.; Cavalcanti, L. H. 2008. New diderma species from the Brazilian Atlantic Rainforest Biosfere Reserve. Anais VI International Congress on Systematics and Ecology of Myxomycetes, Nikita Botanic Garden, Ukraine, pp. 9-9.

Bezerra, A. C. C.; Nunes A. T. N.; Cavalcanti, L. H. 2008. Additions the neotropical flora of M. L. Farr. Anais VI International Congress on Systematics and Ecology of Myxomycetes, Nikita Botanic Garden, Ukraine, pp. 10-10.

BRASIL. 1969. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em. Acesso em: 16 out. 2019.

Cavalcanti, L. H. 1970. Coleção de mixomicetos do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, Ser. Botânica, 35, 1-5.

Cavalcanti, L. H. 1974a. Myxomycetes novos para Pernambuco. Mem. Instituto Biociência Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 1, (1), 315-428.

Cavalcanti, L. H. 1974b. Mixomicetos corticícolas do cerrado de Emas (Pirassununga - São Paulo). Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo. 139p.

Cavalcanti, L. H. 1978. Efeito das cinzas resultantes da queimada sobre a produtividade do estrato herbáceo subarbustivo do Cerrado de Emas (Pirassununga, SP). Tese de Doutorado. Inst. Bioc. Univ. S. Paulo. São Paulo, Brasil. 219p.

Cavalcanti, L. H. 1982. Mixomicetos do cerrado III. In: Congresso Nacional de Botânica, 33, Maceió. Anais, pp. 173-179.

Cavalcanti, L. H.; Correia, A. M. S.; Pôrto, K. C. 1982. O Herbário de Myxomycetes (Gymnomycota) da UFPE. Anais Congresso Nacional de Botânica, 33, pp. 189-200.

Cavalcanti, L. H.; Santos, E. J.; Silva, M. I. L.; Pinto, I. M. A. 1985. Myxomycetes em Cana-de-açúcar. Anais Reunião Nordestina de Botânica. Sociedade de Botânica do Brasil 8, Seccional de Pernambuco, pp. 215-221.

Cavalcanti, L. H.; Okada. K.; Costa S. do P. S. E. 1993. Incidência de Myxomycetes na necromassa da Mata do Curado. Anais Reunião Nordestina de Biologia, 8, (1), 39-44.

Cavalcanti, L. H.; Silva, J. V. B. da. 1985. Myxomycetes da Paraíba III. Physarales. Anais Reunião Nordestina de Botânica, 8, 199-205.

Cavalcanti, L. H. 2002. Biodiversidade e distribuição de mixomicetos em ambientes naturais e antropogênicos no Brasil: espécies ocorrentes nas Regiões Norte e Nordeste. In: Araújo, E. L.; Moura, A. N.; Sampaio, E. V. S. B.; Gestinari, L. M. S.; Carneiro, J. M. T. (Eds.). Biodiversidade, conservação e uso sustentável da flora do Brasil. Pernambuco: Sociedade Botânica do Brasil. pp. 209-216.

Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. Columbia Univ. Press.

Cunha, H. S. 2010. Aspectos históricos do ensino e pesquisa sobre Mixomicetos do Brasil. Monografia. Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, Pernambuco, Brasil. 38p.

Curvo, R. J. C. 2006. Breve histórico da micologia e fungos reconhecidos para o Mato Grosso – Brasil. Revista Profiscientia. 2, 15-21.

Farr, M. L. 1960. The Myxomycetes of the IMUR – Herbarium with special reference to Brazilian species. Instituto de Micologia. Universidade do Recife, (184), 1-54.

Farr, M. L.; Martin, G. W. 1958. Two new Myxomycetes from Brazil. Broteria, 127, (4), 153-158.

Fidalgo, O. 1985. A história da micologia brasileira: Brasil Colônia. Revista da HSBC, (2), 47-51.

Hennings, P. 1896. Beiträge zur Pilzflora Südamerikas I. Myxomycetes, Phycomycetes, Ustilagineae und Uredineae. Hedwigia, Dresden, 35, 207-262.

Hennings, P. 1902. Fungi paraenses II. Hedwigia, 41, (1), 15-18.

Hertel, R. J. G. 1954a. Myxomycetes do Brasil I. Lista dos mixomicetos assinalados para o Brasil e descrição de novas espécies do gênero Arcyria, Wiggers. Dusenia 5, (2), 117-124.

Hertel, R. J. G. 1954b. Myxomycetes do Brasil II. Paradiacheopsis curitibana n. gen. e n. sp. de Lamprodermataceae. Dusenia, 5, (4-5), 191-192.

Hertel, R. J. G. 1955. Myxomycetes do Brasil III. Dois novos elementos de Stemonitaceae. Dusenia, 5, 1-2, 47-48.

Hertel. R. J. G. 1956. Taxonomia de Comatricha Preuss em. Rost. (Myxophyta). Dusenia, 7, (6), 342-350.

Hertel, R. J. G. 1962. Contribuição ao estudo ecológico do Myxogasteres, Boletim da Universidade do Paraná. Botânica, 1, 1-48.

Jahn, E. 1902. Myxomycetenstudiens: 2 – Arten aus Blumenau (Brasilien), Ber. Deutsch. Bot. Ges., 20, 269-280.

Jahn, E. 1904. Myxomycetes aus Amazonas. Hedwigia, 43, 300-304.

Jahn, E. 1928 Myxomycetenstudien 12. Das System der Myxomyceten. Ber. Deutsch. Bot. Ges., 46, 8-17.

Ketuvim, P.T.; Araújo, W. 1952. El suelo como fator ecologico em el desarollo de la vegetacion em el centro-oeste do Brasil, Turrialba, Costa Rica, 2, (4): 153-160.

Lado, C. 2001. Nomenmyx. A nomenclatural taxabase of Myxomycetes. Cuaderno de Trabajo de Flora Micológica Ibérica, 16, 1-122.

Lado, C.; Pando, F. 1997. Myxomycetes I. Ceratiomyxales, Echinosteliales, Liceales, Trichiales. Flora Micológica Ibérica, 2, 1-323.

Lister, A. 1925. A monograph of the Mycetozoa. British Museum of Natural History. 518p.

Macbride, T. H.; Martin, G. W. 1934. The Myxomycetes. Pls. Macmillan Co., New York. (339), 21.

Mariz, G. 1953. Contribuição ao estudo ecológico e farmacognóstico de quatro plantas características da zona da Caatinga (Zizyphus juazeiro Mart.; Maytenus rigida Mart.; Spondias tuberosa Arr. Cam.; Amburana cearensis (Fr. All) Smith). Universidade de Recife, Recife, tese de livre docência. 43p.

Mariz, G. 1968. Gênero de myxomicetos de ocorrência em Pernambuco. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 62p.

Marciel, P. F. R. 1981. Waldemar de Oliveira – Músico, Musicólogo e Musicoterapeuta. Recife, UFPE. 131p.

Martin, G. W.; Alexopoulos, G. J. 1969. The Myxomycetes. Iowa City: University of Iowa Press. 561p.

Oliveira, E. C. de. 2003. Introdução à Biologia Vegetal, Edusp, 266p.

Pôrto, K. C. 1982. Myxomycetes da Mata de Dois Irmãos (Recife – Pernambuco). Dissertação de mestrado, Departamento de Biologia. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. 369p.

Putzke, J.; Veleda, J. 2006. Novas ocorrências de Myxomycetes para o Rio Grande do Sul. In: 57º. Congresso Nacional de Botânica, Gramado. Resumos do 57º. Congresso Nacional de Botânica - CD- Rom, 1, 1-1.

Putzke, J.; Pereira, A. B.; Putzke, M. T. L. 2004. A new record of myxomycetes to the antarctic. In: A new record of myxomycetes to the Antarctic, Buenos Aires. Anais do IV Simposio Argentino Y I Latinoamericano Sobre Investigaciones Antárticas, 1.

Putzke, J.; Putzke, M. 2004. Os Reinos dos Fungos. 2ª edição, Santa Cruz do Sul: Edunisc. 570p.

Ross, I. K. 1973. The Stemonitomycetidae, a new subclass of Myxomycetes. Mycologia, 65, (2), 477-487.

Santos, E. J. dos. 1988. Sistemática e ecologia de Myxomycetes ocorrentes em cana-de-açúcar (Saccharum spp.). Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. 198p.

Santos, E. J. dos; Cavalcanti, L. H.; Albuquerque, W. C. 1986. Myxomycetes da Alagoas. In: Congresso nacional de Botânica, 37. 1986, Ouro Preto. Resumos. Ouro Preto: Universidade de Ouro Preto, 292p.

Silva, M. I. L.; Cavalcanti, L. H. 1988. Myxomycetes ocorrentes nos brejos de Pernambuco (Brasil). Boletin Micológico, 4, (1), 31-35.

Santos, E. J. dos.; Cavalcanti, L. H. 1988. Revisão de Myxomycetes ocorrentes em cana-de-açúcar (Saccharum spp.) em Brasil. Boletin Micológico, 4, (1) 61-64.

Schnittler, M.; Stephenson, S. L. 2000. Myxomycetes biodiversity in four different forest types in Costa Rica. Mycologia, 92, 626-637.

Souza, V. C.; Lorenzi, H. 2005. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Angiospermas da flora brasileira, baseado em APG II. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 640p.

Spegazzini C. L. 1889. Fungi puiggariani. Boletín de la Academia Nacional de Ciencias.11, 381-622

Sturgis, W. C. 1915. Myxomycetes from South America. Mycologia 8, 34-41.

Sydow, H.; Sydow, P. 1907. Verzeichnis der von Hern F. Noack in Brasilien gesammelten Pilze. Annales Mycologici 5, (4), 348-363.

Torrend, C. 1915. Los myxomicétes du Brásil, Connus Jusquici. Brooteria, Ser. Botânica, 13, 72-88.

UFPE. Universidade Federal de Pernambuco. 2020. Disponível em: https://ufpe.br/cb/herbario-ufp. Acesso em: agosto de 2020.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.5.4.2020.2846.359-368

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Heber Santos Cunha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Obra licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.