Florística, aspectos fenológicos e agrupamentos ecológicos de Bromeliaceae na Caatinga em Sergipe

Autores

  • Larissa da Paixão Rocha Universidade Federal de Sergipe
  • José Jailson Lima Bezerra Universidade Federal de Pernambuco http://orcid.org/0000-0003-2081-8304
  • Ana Paula do Nascimento Prata Universidade Federal de Alagoas
  • João Vicente Coffani-Nunes Universidade Estadual Paulista
  • Andressa Cristina Ribeiro Assunção Universidade Federal de Alagoas
  • Marta Cristina Vieira Farias Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.24221/jeap.6.3.2021.4044.248-258

Palavras-chave:

Bromélias, checklist, biodiversidade, semiárido

Resumo

As bromélias representam uma rica família de plantas com distribuição neotropical, ocorrendo em várias regiões do mundo. Existem relatos na literatura sobre a ocorrência de Bromeliaceae em florestas secas, como é o caso da Caatinga, principal bioma do nordeste brasileiro. Diante disso, este estudo objetivou apresentar informações sobre a fenologia e diversidade de bromélias ocorrentes no município de Nossa Senhora da Glória, Sergipe, Brasil. Entre junho de 2013 e junho de 2014 foram realizadas análises florísticas para determinar os gêneros e espécies de Bromeliaceae que ocorrem neste município. Para esta finalidade, foram selecionados dez agrupamentos de bromélias por meio de mapeamento geográfico para facilitar a coleta de dados e entender o comportamento fenológico das espécies na área de estudo. Constatou-se que o levantamento florístico contribuiu de forma considerável para o aumento do conhecimento sobre o número de gêneros e espécies de Bromeliaceae na localidade estudada, totalizando 11 espécies pertencentes a 8 gêneros. Tillandsia foi o gênero mais bem representado com quatro espécies. Os agrupamentos apresentaram floração e frutificação em períodos distintos. Durante os meses de setembro de 2013 e maio de 2014 foi verificado o maior número de indivíduos férteis, enquanto o mês de outubro de 2013 teve o menor índice de amostragem. Os dados ecológicos e fenológicos encontrados podem auxiliar práticas de manejo e conservação das bromélias no referido município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa da Paixão Rocha, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Biologia, Laboratório de Sistemática Vegetal, Sergipe, Brasil.

José Jailson Lima Bezerra, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Biociências, Departamento de Botânica, Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal.

Ana Paula do Nascimento Prata, Universidade Federal de Alagoas

Universidade Federal de Alagoas, Centro das Engenharias e Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Agronomia - Produção Vegetal, Maceió, Alagoas, Brasil.

João Vicente Coffani-Nunes, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista, Registro, São Paulo, Brasil.

Andressa Cristina Ribeiro Assunção, Universidade Federal de Alagoas

Universidade Federal de Alagoas, Centro das Engenharias e Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Agronomia - Produção Vegetal, Maceió, Alagoas, Brasil.

Marta Cristina Vieira Farias, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Biologia, Laboratório de Sistemática Vegetal, Sergipe, Brasil.

Referências

Angelim, A. E. S.; Moraes, J. P. S.; Silva, J. A. B.; Gonçalves-Gervásio, R. C. R. 2007. Germinação e Aspectos morfológicos de plantas de macambira (Bromelia laciniosa), encontradas na Região do Vale do São Francisco. Revista Brasileira de Biociências, 5, 1065-1067.

Barberis, I. M.; Klekailo, G.; Albertengo, J.; Cárcamo, J. I.; Cárcamo, J. M.; Galetti, L. 2020. Ramet demography of Aechmea distichantha (Bromeliaceae) in two contrasting years in the understory and open áreas of a South American xerophytic forest. Rodriguésia, 71, 1-11. https://doi.org/10.1590/2175-7860202071014

Benzing, D. V. 2000. Bromeliaceae: Profile of an adaptive radiation. United Kingdom at the University Press, Cambridge.

Bomfim, L. F. C.; Costa, I. V. G.; Benvenuti, S. M. P. 2002. Projeto cadastro da infra-estrutura hídrica do nordeste: estado de Sergipe. diagnóstico do município de Nossa Senhora da Glória – Aracaju: CPRM. pp. 1-22. Disponível em: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/2513. Acesso em: 06 de jun. 2020.

Bourscheid, K. 2008. Levantamento das Bromeliaceae Juss. da Fazenda Acaraú, Bertioga, São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil. 82p.

Büneker, H. M.; Witeck-Neto L. 2016. Levantamento de Bromeliaceae na região do curso médio do rio Toropi, Rio Grande do Sul, Brasil. Balduinia, 52, 01-14. https://doi.org/10.5902/2358198022371

Carvalho, M. E. S. 2012. Vulnerabilidade hídrica na bacia sergipana do rio Vaza Barris. Raega, 25, 186-217.

Deus, J. J. C.; Bourscheid, K. 2016. Levantamento florístico de Bromeliaceae no Parque Estadual Rio Canoas em Campos Novos, Santa Catarina. Unoesc & Ciência-ACBS, 7, 83-88.

Dutra, A. S.; Teófilo, E. M.; Medeiros Filho, S. 2010. Germinação de sementes de macambira (Bromelia laciniosa Mart. ex Schult). Revista Caatinga, 23, 12-17.

EMBRAPA. 2006. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema de Classificação Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. 1-306.

Ferreira, E. V. R.; Prata, A. P. N.; Mello, A. A. 2013. Floristic list from a caatinga remnant in Poço Verde, Sergipe, Brazil. Check List, 9, 1354-1360.

Flora do Brasil 2020 em construção. Bromeliaceae. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB66>. Acesso em: 05 de jun. 2020.

Forzza, R. C. 2005. Revisão taxonômica de Encholirium Mart. Ex Schult. & Schult. F. (Pitcairniodeae –Bromeliaceae). Boletim de Botânica, 23, 1-49. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v23i1p1-49

Freitas, L.; Ribeiro, P. C.; Cancio, A. S.; Machado, M. A.; Sampaio, M. C.; Forzza, R. C.; Viccini, L. F. 2020. Population demography, genetic variation and reproductive biology of two rare and endangered Neoregelia species (Bromeliaceae). Botanical Journal of the Linnean Society, 192, 787-802. https://doi.org/10.1093/botlinnean/boz110

Givnish, T. J.; Barfuss, M. H.; Van Ee, B.; Riina, R.; Schulte, K.; Horres, R. et al. 2011. Phylogeny, adaptive radiation, and historical bio-geography in Bromeliaceae: Insights from an eight-locus plastid phylogeny. American Journal of Botany, 98, 872-895. https://doi.org/10.3732/ajb.1000059

Gomes, J. M. L.; Silva, N. N. F. 2013. Bromeliaceae das restingas do Estado do Espírito Santo, Brasil. Natureza on line, 11, 79-89.

Gouda, E. J.; Butcher, D. 2020. A list of accepted Bromeliaceae names, University Botanic Gardens, Utrecht. Disponível em: http://bromeliad.nl/bromNames/. Acesso em: 14 de abr. 2020.

Gouveia, S. F.; Prata, A. P.; Ladim, M.; Farias, M. C. V. 2015. Distribuição espacial da diversidade florística de Sergipe: síntese do conhecimento atual. In: Prata, A. P. N. et al. Flora de Sergipe. Editora Criação, pp. Xxx-xxx.

IBGE. 2004. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Mapa de Biomas do Brasil, primeira aproximação. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 15 de abr. 2020.

Islair, P.; Carvalho, K. S.; Ferreira, F. C.; Zina, J. 2015. Bromeliads in Caatinga: an oasis for invertebrates. Revista Biotemas, 28, 67-77. https://doi.org/10.5007/2175-7925.2015v28n1p67

Lima, D. A. 1989. Plantas das Caatingas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1-243.

Machado, W.; Prata, A. P.; Mello, A. 2012. Floristic composition in areas of Caatinga and Brejo de Altitude in Sergipe, Brazil. Check List, 8, 1089-1101. https://doi.org/10.15560/8.6.1089

Marteis, L. S.; Natal, D.; Sallum, M. A. M.; Medeiros-Sousa, A. R.; La Corte, R. 2017. Mosquitoes of the Caatinga: 2. species from periodic sampling of Bromeliads and tree holes in a dry Brazilian Forest. Acta Tropica, 171, 114-123. http://dx.doi.org/10.1016/j.actatropica.2017.03.031

Mori, S. A.; Silva, L. A. M.; Lisboa, G.; Coradin, L. 1985. Manual de manejo de herbário fanerogâmico. Ilhéus: Centro de Pesquisa do Cacau (CEPLAC). 01-104.

Moro, M. F.; Araújo, F. D.; Rodal, M. J. N.; Martins, F. R. 2015. Síntese dos Estudos Florísticos e Fitossociológicos realizados no Semiárido Brasileiro. In: Eisenlohr, P. V. et al. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Editora da Universidade Federal de Viçosa, pp. 412-451.

Moro, M. F.; Lughadha, E. N.; Araújo, F. S.; Martins, F. R. 2016. A phytogeographical metaanalysis of the semiarid caatinga domain in Brazil. The Botanical Review, 82, 91-148. https://doi.org/10.1007/s12229-016-9164-z

Oliveira, D. G. D.; Prata, A. P. N.; Ferreira, R. A. 2013. Herbáceas da Caatinga: composição florística, fitossociologia e estratégias de sobrevivência em uma comunidade vegetal. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 8, 623-633. https://doi.org/10.5039/agraria.v8i4a2682

Oliveira, E. V. S.; Prata, A. P. N.; Pinto, A. S. 2018. Caracterização e atributos da vegetação herbácea em um fragmento de Caatinga no Estado de Sergipe, Brasil. Hoehnea, 45, 159-172. https://doi.org/10.1590/2236-8906-70/2017

Pereira, F. R. L.; Quirino, Z. G. M. 2008. Fenologia e biologia floral de Neoglaziovia variegata (Bromeliaceae) na Caatinga Paraibana. Rodriguésia, 59, 835-844. https://doi.org/10.1590/2175-7860200859412

Pontes, R. A. S. 2005. A família Bromeliaceae na Floresta Atlântica da Paraíba, Brasil. Dissertação de Mestrado, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 126p.

Queiroz, J. A.; Quirino, Z. G. M.; Lopes, A. V.; Machado, I. C. 2016. Vertebrate mixed pollination system in Encholirium spectabile: a bromeliad pollinated by bats, opossum and hummingbirds in a tropical dry forest. Journal of Arid Environments, 125, 21-30. https://doi.org/10.1016/j.jaridenv.2015.09.015

Rocha, F. S.; Duarte, L. S.; Waechter, J. L. 2015. Positive association between Bromelia balansae (Bromeliaceae) and tree seedlings on rocky outcrops of Atlantic forest. Journal of Tropical Ecology, 31, 195-198. https://doi.org/10.1017/S0266467414000728

Sampaio, M. C.; Picó, F. X.; Scarano, F. R. 2005. Ramet demography of a nurse Bromeliad in Brazilian restingas. American Journal of Botany, 92, 674-681. https://doi.org/10.3732/ajb.92.4.674

Santo F. S. E.; Maciel, J. R.; Siqueira Filho, J. A. 2012. Impacto da herbivoria por caprinos sobre as populações naturais de Bromelia laciniosa Mart. Ex Schult. F. (Bromeliaceae). Revista Árvore, 36, 143-149. https://doi.org/10.1590/S0100-67622012000100015

Scarano, F. R. 2009. Plant communities at the periphery of the Atlantic rain forest: Rare-species bias and its risks for conservation. Biological Conservation, 142, 1201-1208. https://doi.org/10.1016/j.biocon.2009.02.027

Silva, N. N. F.; Gomes M. L. 2003. Bromeliaceae do Sítio Morro do Céu, Serra (ES). Natureza on line, 1, 1–11.

Silva, A. C. C.; Prata, A. P. N.; Mello, A. A. 2013. Flowering plants of the Grota do Angico Natural Monument, Caatinga of Sergipe, Brazil. Check List, 9, 733-793. https://doi.org/10.15560/9.4.733

Silva, A. C. C.; Prata, A. P. N.; Mello, A. A. 2016. Florística, fitossociologia e caracterização sucessional em um remanescente de Caatinga em Sergipe. Gaia Scientia, 10, 1-14. http://dx.doi.org/10.21707/gs.v10.n04a01

Silva, T. D. S.; Wanderley, M. D. G. L.; Melo, J. I. M. D. 2018. Flora da Paraíba, Brasil: Aechmea Ruiz & Pav. (Bromeliaceae). Biota Neotropica, 18, e20170401. https://doi.org/10.1590/1676-0611-bn-2017-0401.

Silvestro, D.; Zizka, G.; Schulte, K. 2014. Disentangling the effects of key innovations on the diversification of Bromelioideae (Bromeliaceae). Evolution, 68, 163-175. https://doi.org/10.1111/evo.12236

Sousa, G. M.; Wanderley, M. G. L. 2015. Bromeliaceae. In: Prata, A. P. N. et al. Flora de Sergipe. Editora Criação, pp.115-142.

Sousa, G. M.; Wanderley, M. G. L. 2000. Achmea Ruiz & Pav. (Bromeliaceae) do Estado de Pernambuco, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 14, 77-97. https://doi.org/10.1590/S0102-33062000000100008

Sunderland, T.; Apgaua, D.; Baldauf, C.; Blackie, R.; Colfer, C.; Cunningham, A.B.; et al. 2015. Global dry forests: a prologue. International Forestry Review, 17, 1-9. https://doi.org/10.1505/146554815815834813

Velloso, A. L.; Sampaio, E. V. S. B.; Pareyn, F. G. C. 2002. Ecorregiões propostas para o bioma Caatinga. Instituto de Conservação Ambiental, 80p.

Versieux, L. M.; Tomaz, E. C.; Jardim, J. G. 2013. New genus and species records of Bromeliaceae in the Caatinga of Rio Grande do Norte state, northeastern Brazil: Orthophytum disjunctum LB Sm. (Bromelioideae) and Tillandsia paraibensis RA Pontes (Tillandsioideae). Check List, 9, 663-665. https://doi.org/10.15560/9.3.663

Versieux, L. M.; Coffani-Nunes, J. V.; Paggi, G. M.; Costa, A. F. 2018. Check-list of Bromeliaceae from Mato Grosso do Sul, Brazil. Iheringia, 73, 163-168. https://doi.org/10.21826/2446-8231201873s163

Tomaz E. C.; Versieux L. M. 2019. Bromeliaceae from Rio Grande do Norte State, Northeastern Brazil. Phytotaxa, 422, 113–143. https://doi.org/10.11646/phytotaxa.422.2.1

Wanderley, M. G. L. 1990. Diversidade de distribuição geográfica das espécies de Orthophytum (Bromeliaceae). Acta Botanica Brasilica, 4, 169-175. https://doi.org/10.1590/S0102-33061990000100012.

Publicado

2021-09-13