FLORÍSTICA NA ÁREA DE REPRESAMENTO E EXTENSÃO DA HIDRELÉTRICA CURUÁ-UNA, MUNICÍPIO DE SANTARÉM - PARÁ

Rita de Cássia Araujo Pereira

Resumo


A região amazônica é caracterizada por uma grande diversidade de plantas. Entretanto, lá ocorrem imensas áreas geográficas das quais pouco ou nada se conhece sobre a vegetação. Portanto, com o objetivo de conhecer e analisar a flora nos limites da Usina Hidroelétrica de Curuá-Una, situada em Santarém, no estado do Pará, realizou-se um levantamento florístico nas áreas de extensão da represa e influencia do represamento. Foram feita coletas ao longo daquelas áreas, seguindo-se o “método do caminhamento”. O diagnóstico revelou um ambiente sem alterações significativas na vegetação, onde foram identificados três tipos de fitofisionomias: Floresta Densa de Terra Firme; Floresta Aberta com Palmeiras e um mosaico com fragmentos de vegetações diversas. Foram coletadas 187 espécies posicionadas em 47 famílias, sendo mais ricas as Leguminosae mimosoideae e Leguminosae caesalpinioideae, com 11 espécies cada, seguidas das Lauraceae e Arecaceae, com nove espécies. Das 47 famílias encontradas, em sete foram computadas apenas uma espécie para cada, sugerindo vulnerabilidade para esses táxons.

Palavras-chave


Amazônia; flora; floresta densa de terra firme

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO et al, Dinâmica da diversidade de espécies em uma Floresta de terra firme na Amazônia Brasileira relacionada a intensidade de exploração. Em: SIMPóSIO SILVICULTURAL AMAZôNIA ORIENTAL. Resumos Expandidos. EMBRAPA – CPTU, Belém, PA., (Documentos 123), 163-173, 1999.

DELUCCHI, G; CORREA, R. F. Las especies vegetales amenazadas en la provincia de Buenos Aires. Situação ambiental de la provincia de Buenos Aires. CIC, Buenos Aires, 1-39, 1992.

FERREIRA, E. J. L. Diversidade e importância econômica das palmeiras da Amazônia brasileira. Resumo Expandido. Anais 56° Congresso Nacional de Botânica. Curitiba, PR., 2005.

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. R. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. Instituto de Botânica, São Paulo, 1989.

FILGUEIRAS, T. S.; NOGUEIRA, P. E.; BROCHADO, A. L.; GUALA II, G. F. Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências, 12: 39-43, 1994.

GAMA, J. R. V. ET AL., Fitossociologia de duas fitocenoses de floresta ombrófila aberta no município de Codó, estado do maranhão. Revista Árvore, 31: 465-477, 2007.

HENDERSON, A. J. The palms of the amazon. Oxford University Press, New York, 1995.

HOPKINS, M.G. Modelling the known and unknown plant biodiversity of the Amazon Basin. Journal of Biogeography, 34: 1400-1411, 2007.

IUCN. IUCN Red List Categories. IUCN. Gland, Switzerland, 1994.

LEENTVAAR, B. A. Ecology, fisheries and fich culture in Amazonia. Em: SIOLI, H. (ed.). The Amazon, Limnology and landscape ecology of a mighty tropical fiver and its basin. Dr. W. Junk, Dordrecht, 443-476, 1994.

LORENZI, H.; SOUZA, H. M.; COSTA, J. T. M.; CERQUEIRA, L. S. C.; FERREIRA, E. Palmeiras brasileiras e exóticas cultivadas. Instituto Plantarum, Nova Odessa, 2005.

MATOS F. D. A.; AMARAL, I. L. Análise ecológica de um hectare em floresta ombrófila densa de terra firme, Estrada de Várzea, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 29: 365–379, 1999.

MIRANDA, I. P. de A.; RABELO, A.; BUENO, C. R.; BARBOSA, E, M.; RIBEIRO, M. N. S. Frutos de palmeiras da Amazônia. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2001.

NASCIMENTO, H. E. M.; LAURENCE, W. F. Efeitos de área e de borda sobre a estrutura em fragmentos de floresta de terra-firme após 13-17 anos de isolamento. Acta Amazônica, 36: 183-192, 2006.

OLIVEIRA, A. N. ET AL. Composição e diversidade florístico estrutural de um hectare de floresta densa de terra firme na Amazônia Central, Brasil. Acta Amazônica, 38: 627-642, 2008.

RELATóRIO DO PROGRAMA DE P&D CELPA. MCT/MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI, Belém, 2002 – 2004.

RIBEIRO, J. E. L. S. ET AL. Flora de Reserva Ducke – guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra firme na Amazônia Central. INPA, Manaus, 1999.

SILVA, K. E. ; MATOS, F. D. A.; FERREIRA, M. M. Composição florística e fitossociológica de espécies arbóreas do Parque Fenológico da Embrapa Amazônia Ocidental. Acta Amazônica, 38: 213-222, 2008.

SOUZA, D. R de et al. Analise estrutural em floresta umbrófila densa de terra firme não explorada, Amazônia Oriental. Revista Árvore, 30: 75-87, 2006.

SOUZA, D. R.; SOUZA A. L. Emprego do método BDq de seleção após a exploração florestal em floresta ombrófila densa de terra firme. Amazônia oriental. Revista Árvore, 29: 617-625, 2005.

TRINDADE et al. Florística e fitossociologia da reserva do Utinga, Belém, Pará, Brasil. Revista Brasileira de Biociências, 5: 234-236, 2007.

VIANA, V. M. Biologia e manejo de fragmentos florestais. Em: 6º CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO, Anais, Campos do Jordão, SP., 113-118, 1990.

VICENTINI, Y. Regionalismo literário e sentidos do sertão. Sociedade e cultura, Albertina, 10: 187-196, 2007.

YARED, J. A. G. Silvicultura de algumas espécies nativas da Amazônia. Silvicultura, 42: 119- 122, 1990. (Edição dos Anais do 6º Congresso Florestal Brasileiro).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

 

Correspondência Editorial
Academia Pernambucana de Ciência Agronômica
Biblioteca Central - UFRPE
Núcleo do Conhecimento Prof. João Batista Oliveira dos Santos
Romero Marinho de Moura
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos - CEP: 52171-900 - Recife/PE
Telefone: 3320-6189
Emails: romeromoura@yahoo.com.br
Site: www.apcagronomica.org.br