Ralstonia spp.,: TÉCNICAS DE ISOLAMENTO, CULTIVO E INOCULAÇÃO

Autores

  • Tauane Santos Brito Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Leticia Delavalentina Zanachi Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Renan Pan Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Odair José Kuhn Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Palavras-chave:

Exsudação radicular, Meio de cultivo Kelman, Métodos em fitopatologia, Murcha bacteriana, Ralstonia solanacearum

Resumo

Presente naturalmente no solo ou algumas bactérias do gênero Ralstonia são causadoras da doença murcha-bacteriana em culturas de importância econômica, em especial as participantes da família das Solanaceae e Musaceae. Esta revisão objetivou abordar de modo preliminar, os métodos de isolamento, cultivo, inoculação e de avaliação, que são mais utilizados para a identificação da murcha-bacteriana em plantas infectadas. O método de isolamento indicado para Ralstonia spp., inicia com a obtenção de uma suspensão bacteriana, a partir da exsudação leitosa de caules contaminados, em água destilada e esterilizada, para posterior semeadura em meio de Kelman, com adição de cloreto de tetrazólio a 28ºC. As técnicas de inoculação devem considerar às relações patógeno-hospedeiro, adaptadas de acordo com o objetivo da pesquisa a ser realizada. Essas técnicas podem variar, destacando-se à via pulverização, via injeção da suspensão bacteriana no organismo vegetal, ou via cortes prévios em mudas e raízes para posterior imersão em suspensão bacteriana. Para avaliar a presença da bactéria em plantas contaminadas, a principal metodologia se baseia no teste de exsudação em gota d’água, onde fragmentos do material contaminado são colocados em gotas de água para observação em microscópio, buscando verificar se há ou não exsudação de pus bacteriano. Contudo, a identificação de plantas infectadas por Ralstonia spp., não pode ser fundamentada em um parâmetro específico, como, por exemplo, a exsudação bacteriana, pois alguns outros patógenos podem fazê-lo. Assim, deve-se analisar outros fatores, antes de ser emitido o diagnóstico definitivo.

Referências

ALFENAS, A. C.; MAFIA, R. G.; SARTÓRIO, R. C.; BINOTI, D. H. B.; SILVA, R. R.; LAU, D.; VANETTI, C. A. Ralstonia solanacearum em viveiros clonais de eucalipto no Brasil. Fitopatologia Brasileira, 31: 357–366. 2006. Disponivel em: https://doi.org/10.1590/S0100-41582006000400005. Acesso em: 13 maio 2020.

AMORIM, E. P. DA R.; ANDRADE, F. W. R. DE; MORAES, E. M. DA S.; SILVA, J. C. DA; LIMA, R. DA S.; LEMOS, E. E. P. DE. Atividade antibacteriana de óleos essenciais e extratos vegetais sobre o desenvolvimento de Ralstonia solanacearum em mudas de bananeira. Revista Brasileira de Fruticultura, 33: 392–398. 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-29452011000500050. Acesso em: 13 maio 2020.

BARRETTI, P. B.; DE SOUZA, R. M.; POZZA, E. A. Bactérias endofíticas como agentes promotores do crescimento de plantas de tomateiro e de inibição in vitro de Ralstonia solanacearum. Ciencia e Agrotecnologia, 32: 731–739. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-70542008000300005. Acesso em: 13 maio 2020.

BRINGEL, J. M. M.; TAKATSU, A.; UESUGI, C. H. Colonização radicular de plantas cultivadas por Ralstonia solanacearum biovares 1, 2 e 3. Scientia Agricola, 58: 497–500. 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-90162001000300010. Acesso em: 13 maio 2020.

COSTA, S. B.; FERREIRA, M. A. S. V.; LOPES, C. A. Diversidade patogênica e molecular de Ralstonia solanacearum da região amazônica brasileira. Fitopatologia Brasileira, 32: 285–294. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-41582007000400002. Acesso em: 13 maio 2020.

DRUMMOND-GONÇALVEZ, R. Bacteriose da mandioca. O Biológico, 14: 145-146. 1948.

GURJAR, M. S.; SAGAR, V.; BAG, T. K.; SINGH, K. S.; SHARMA, S.; SINGH, B. P. Biovar distribution of Ralstonia solanacearum strains causing bacte- rial wilt/brown rot of potato in Meghalaya hills. Journal of Mycopathological Research, 51: 267–272. 2013. Dispónível em: https://bityli.com/Jdt9L. Acesso em: 13 maio 2020.

KELMAN, A. The relationship or pathogenicity in Pseudomonas solanacearum to colony appearance on a tetrazolium medium. Phytopathology, 44: 693-695. 1983.

LOPES, C. A.; BOITEUX, L. S.; ESCHEMBACK, V. Eficácia relativa de porta-enxertos comerciais de tomateiro no controle da murcha-bacteriana. Horticultura Brasileira, 33:1 125–130. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-053620150000100020. Acesso em: 13 maio 2020.

MAFIA, R. G.; ALFENAS, A. C.; FERREIRA, M. A. Avaliação da resistencia do eucalipto à murcha-bacteriana causada por Ralstonia solanacearum. Revista Árvore, 38: 649–656. 2014. Disponível em: https://bityli.com/PIBMz. Acesso em: 13 maio 2020.

MAFIA, R. G.; ALFENAS, A. C.; PENCHEL FILHO, R. M.; FERREIRA, M. A.; ALFENAS, R. F. Murcha-bacteriana: disseminação do patógeno e efeitos da doença sobre a clonagem do eucalipto. Revista Árvore, 36: 593–602. 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-67622012000400002. Acesso em: 13 maio 2020.

NETTO, R.; PEREIRA, B.; NODA, H.; BOHER, B. Murcha bacteriana no estado do Amazonas, Brasil. Fitopatologia Brasileira, 29: 20–23. 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-41582004000100004. Acesso em: 13 maio 2020.

ROCHA, D. J. A.; MOURA, A. B. Controle biológico da murcha do tomateiro causada por Ralstonia solanacearum e Fusarium oxysporum f. sp. lycopersici por rizobactérias. Tropical Plant Pathology, 38: 423–430. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1982-56762013005000025. Acesso em: 13 maio 2020.

SILVA, R. F.; PASCHOLATI, S. F.; BEDENDO, I. P. Indução de resistência em plantas de berinjela por Lentinula edodes e Agaricus blazei contra Ralstonia solanacearum: aspectos bioquímicos e biomassa vegetal. Summa Phytopathologica, 34: 137–144. 2008.

YABUUCHI, E.; YANO, I.; HOTTA, H.; NISHIUCHI, Y.; KOSAKO, Y. Transfer of Two Burkholderia and an Alcaligenes Species to Ralstonia Gen. Nov.: Proposal of Ralstonia pickettii (Ralston, Palleroni and Doudoroff 1973) Comb. Nov., Ralstonia solanacearum (Smith 1896) Comb. Nov. and Ralstonia eutropha (Davis 1969) Comb. No. Microbiology And Immunology, 39: 897–904. 1995. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1348-0421.1995.tb03275.x. Acesso em: 13 maio 2020.

Downloads

Publicado

2020-06-18