EFEITOS DE METABÓLITOS DE Trichoderma spp. NO BIOCONTROLE DE Meloidogyne enterolobii

Deyse Viana dos Santos, Vanessa Lopes Lira, Romero Marinho de Moura

Resumo


O presente estudo teve por objetivo testar o efeito de metabólitos secundários decinco  espécies do fungo do gênero Trichoderma sobre juvenis (J2)  do fitonematoide Meloidogyne enterolobii, analisando-se mortalidade de J2s e eclosão. A pesquisa foi realizada em condições de laboratório (teste in vitro) e em condições de casa de vegetação (teste in vivo). As espécies utilizadas foram: T. asperellum, T. atroviride, T. afroharzianum, T. longibrachiatume T. brevicompactum. Os metabólitos de cada fungo foram produzidos em frascos Erlenmeyers contendo o meio líquido Czapek-Dox e os juvenis a partir de raízes de tomateiro infectadas. O teste de mortalidade foi realizado em placas ELISA, considerando-se sete tratamentos: metabólitos de cada espécie (5), água destilada e o meio de cultura. Nas células da placa Elisa, isoladamente e de modo casualizado, foram vertidos 80µl de metabólitos de cada fungo, ou de água ou do meio de cultura.  Em seguida, em cada uma dessas células foram colocados 50 juvenis recém eclodidos. Os resultados foram avaliados após 24 e 48h de submersão dos juvenis. Por meio da mesma metodologia, foi desenvolvido o estudo de eclosão, modificando-se, apenas, o tempo de submersão dos ovos, neste caso, 15 dias. Para os ensaios em casa de vegetação em vez de metabólitos de fungos foi utilizado 1g de arroz colonizado por cada espécie de fungo. Ao fim deste experimento, foi avaliada a taxa de reprodução do nematoide, número de massa de ovos e número de galhas, avaliados após 60 dias. Os resultados do teste de mortalidade apontaram que após 48 horas de submersão em T. asperellume T. longibrachiatum mais de 90% dos juvenis estavam mortos. Para o teste de eclosão, todas as espécies de Trichoderma promoveram resultados expressivos de inibição, diferindo significativamente dos dois controles. Em casa de vegetação, T. afroharzianum apresentou os melhores resultados, considerando-se os parâmetros analisados. Em conclusão, as espécies de Trichoderma utilizadas demonstraram efeitos promissores para uso no biocontrole de M. enterolobii.


Texto completo:

PDF

Referências


AFFOKPON, A.; COYNE, D. L.; HTAY, C. C.; AGBÈDÈ, R. D.; LAWOUIN, L.; COOSEMANS, J. Biocontrol potential of native Trichoderma isolates against root-knot nematodes in West African vegetable production systems. Soil Biology and Biochemistry, Elmsford, v. 43, n. 3, p. 600–608, 2011.

AL-HAZMI, A. S.; TARIQJAVEDD, M. Effects of different inoculum densities of Trichoderma harzianum and Trichoderma viride against Meloidogyne javanica on tomato. Saudi Journal of Biological Sciences, Saudi Arabia, v. 23, n. 2, p. 228-292, 2016.

AL-SHAMMARI, T. A.; BAHKALI, A. H. ; ELGORBAN, A. M. ; EL-KAHKY, M. T. ; AL-SUM, B. A. The use of Trichoderma longibrachiatum and Mortierella alpine against root-knot nematode, Meloidogyne javanica on tomato. Journal of Pure and Applied Microbiology, Shahjahanabad, v. 7, p. 199-207, 2013. Special edition.

ALVES, F. R.; FREITAS, L. G. Controle biológico de fitonematoides. In: ZAMBOLIM, L.; JESUS JÚNIOR, W. C.; RODRIGUES, F. A. (Ed.). O essencial da fitopatologia: controle de doenças de plantas. Viçosa, MG: UFV, 2014. p. 235-264.

CAMARGO, F. P; CAMARGO FILHO, W. P. Produção de tomate de mesa no Brasil, 1990-2006: contribuição da área e da produtividade. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 26, n. 2, p. 1018-1021, jul./ago. 2008.

CAMPOS, H. D. Controle de Meloidogyne incognita raça 2 em feijoeiro e Meloidogyne exígua em cafeeiro com fungos predadores e parasitas de ovos de fitonematoides. 1994. 83 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia – área de concentração Fitossanidade) - Escola Superior de Agricultura de Lavras, Lavras, 1994.

CANTERI, M. G.; ALTHAUS, R. A.; VIRGENS FILHO, J. S.; GIGLIOTI, E. A.; GODOY, C. V. SASM- Agri: sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft-Knott, Tukey e Ducan. Revista Brasileira de Computação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 18-24, 2001.

CHEN, S. Y.; DICKSON, D. W.; MITCHELL, D. J. Viability of Heteroderaglycinesexposed to fungal filtrates. Journal of Nematology, College Park, v. 32, n. 2, p. 190-197, 2000.

COOLEN, W. A.; D’HERDE, C. J. A method for the quantitative extraction of nematodes from plant tissue. Ghent: State Nematology and Entomology Research Station, 1972. 77 p.

COSTA, H.; VENTURA, J. A. Doenças do tomateiro no Estado do Espírito Santo: reconhecimento e manejo. In: TOMATE. Vitória: Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, 2010. p. 227-316.

COSTA, M. A. Biocontrole de nematoides com fungos. 2015. 44 f. Dissertação (Mestrado em Entomologia Agrícola) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Jaboticabal, 2015.

DEVRAJAN, K.; SEENIVASAN, N. Biochemical changes in banana roots due to Meloidogyne incognita infected with Paecilomyces lilacinus. Current Nematology, Bigleswade, v. 13, n. 1, p. 1-5, 2002.

EAPEN, S. J.; BEENA, B.; RAMANA, K. V. Tropical soil microflora of spice based cropping systems as potential antagonists of root-knot nematodes. Journal of Invertebrate Pathology, San Diego, v. 88, n. 3, p. 218-225, 2005.

FAOSTAT. Database results. Disponível em: http://apps.fao.org. Acesso em: 10 ago. 2018.

FREITAS, M. A.; PEDROSA, E. M. R.; MARIANO, R. L. R.; MARANHÃO, S. R. V. L. Screening Trichoderma spp. as potential agents for biocontrol of Meloidogyne incognita in sugarcane. Nematropica, Bradenton, v. 42, n. 1, p. 115-122, 2012.

HERRERA-PARRA, E.; CRISTÓBAL-ALEJO, J.; RAMOS-ZAPATA, J. A. Trichoderma strains as growth promoters in Capsicum annuum and as biocontrol agents in Meloidogyne incognita. Chilean Journal of Agricultural Research, Chillán, v. 77, n. 4, p. 318–324, 2017.

HUSSEY, R. S.; BARKER, K. R. A comparison of methods for collecting inocula of Meloidogyne spp., including a new technique. Plant Disease Reporter, Saint Paul, v. 57, n. 2, p. 1025-1028, 1973.

JENKINS, W. R. A rapid centrifugal-flotation technique for separating nematodes from soil. Plant Disease Reporter, Washington, v. 48, n. 9, p. 692, 1964.

JONES J. T.; HAEGEMAN, A.; DANCHIN, E. G.; GAUR, H. S.; HELDER, J.; JONES, M. G.; KIKUCHI, T.; MANZANILLA-LÓPEZ, R.; PALOMARES-RIUS, J. E.; WESEMAEL, W. M.; PERRY, R. N. Top 10 plant-parasitic nematodes in molecular plant pathology. Molecular Plant Pathology, Oxford, v. 14, p. 946-961, 2013.

PEREIRA, B. M. Análise da superexpressão de genes candidatos à resistência a Meloidogyne spp. em raízes transgênicas de amendoim e soja. 2017. xii, 70 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

PINHEIRO, J. B.; BOITEUX, L. S.; PEREIRA, R. B.; ALMEIDA, M. R. A.; CARNEIRO, R. M. D. G. Identificação de espécies de Meloidogyneem tomateiro no Brasil. Brasília, DF, Embrapa Hortaliça, 2014.

SAHEBANI, N.; HADAVI, N. Biological control of the root knot nematode Meloidogyne javanicaby Trichoderma harzianum. Soil Biology and Biochemistry, Elmsford, v. 40, n. 8, p. 2016–2020, 2008.

SANTIN, R. C. M. Potencial do uso dos fungos Trichoderma spp. e Paecilomyces lilacinus no biocontrole de Meloidogyne incógnita em Phaseolus vulgaris. 2008. 92 f. Tese (Doutorado em Fitotecnia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

SELLAMI, S.; BENTTOUMI, N.; BERRAHIA, S.; BOUREGHDA, H. Evaluation of antagonistic activity of Trichoderma spp. against Meloidogyne incognita. Acta Phytopathologica et Entomologica Hungarica, Budapest, v. 52, n. 2, p. 177–184, 2017.

SHARON, E.; BAR-EYAL, M.; CHET, I.; HERRERA-ESTRELLA, A.; KLEIFELD, O.; SPIEGEL, Y. Biological control of the root-knot nematode Meloidogyne javanica by Trichoderma harzianum. Phytopathology, Saint Paul, v. 91, n. 7, p. 687–693, 2001.

SHARON, E.; CHET, I.; VITERBO, A.; BAR-EYAL, M.; NAGAN, H.; SAMUELS, G. J.; SPIEGEL, Y. Parasitism of Trichoderma on Meloidogyne javanica and role of the gelatinous matrix. European Journal of Plant Pathology, Dordrecht, v.118, v. 3, p. 247-258, 2007.

SIKORA, R. A.; SCHÄFER, K.; DABABAT, A. A. Modes of action associated with microbially induced in planta suppression of plant-parasitic nematodes. Australasian Plant Pathology, v. 36, n. 2, p. 124-134, 2007.

SILVA, G. H.; OLIVEIRA, D. F.; CAMPOS, V. P. Purificação de metabólitos fúngicos com efeitos tóxicos sobre Meloidogyne incognita. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 27, n. 6, p. 594-598, 2002.

SILVA, O. S. Meloidogyne incógnita na cultura do tomate: levantamento e manejo com produtos biológicos. 2015. 77 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

STIRLING, G. R. Biological control of plant-parasitic nematodes. 2nd. ed. Wallingford: CAB International, 2014.

ZHANG, S., GAN, Y.; XU, B. Biocontrol potential of a native species of Trichoderma longibrachiatum against Meloidogyne incognita. Applied Soil Ecology, Amsterdam, v. 94, p. 21–29, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

 

Correspondência Editorial
Academia Pernambucana de Ciência Agronômica
Biblioteca Central - UFRPE
Núcleo do Conhecimento Prof. João Batista Oliveira dos Santos
Romero Marinho de Moura
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos - CEP: 52171-900 - Recife/PE
Telefone: 3320-6189
Emails: anaisapca@gmail.com
Site: www.apcagronomica.org.br