Os efeitos do isolamento social sobre a configuração do crime em Maceió (AL): uma análise preliminar

Autores

  • Fillipi Lúcio Nascimento Universidade Federal de Pernambuco

Palavras-chave:

COVID-19, isolamento social, crime

Resumo

O artigo consiste em uma análise preliminar dos efeitos do isolamento social sobre a configuração espaço-temporal do crime na cidade de Maceió (AL). Foram utilizados dados relativos aos crimes de roubo notificados no primeiro trimestre de 2020. Observou-se uma redução das ocorrências nas regiões centrais e um aumento significativo nas regiões periféricas. Perceberam-se mudanças na modalidade do roubo praticado e nas faixas horárias de atuação dos criminosos.

Biografia do Autor

Fillipi Lúcio Nascimento, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Pesquisador do Laboratório de Estudos sobre Segurança Pública (LESP/UFAL).

Referências

BEATO, C. Crime e cidades. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012.

BEATO, C.; PEIXOTO, B. T.; ANDRADE, M. V. Crime, oportunidade e vitimização. Revista Brasileira de Sociologia, v. 19, n. 55, p. 73-84, 2004.

COHEN, L.; FELSON, M. Social change and crime rate trends: a routine activity approach. American Sociological Review, n. 44, p. 588-608, 1979. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2094589?seq=1. Acesso em: 20 mar. 2020.

ELLIN, G. Coronavírus: moradores das periferias ignoram alerta de quarentena e saem às ruas normalmente. METROPOLITANA FM, São Paulo, 21 mar. 2020. Disponível em: https://metropolitanafm.com.br/coronavirus/coronavirus-moradores-das-periferias-ignoram-alerta-de-quarentena-e-saem-as-ruas-normalmente. Acesso em: 1 abr. 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Coronavírus: Brasil registra 52.995 casos e 3.670 mortes. 24 de abril de 2020. Disponível em: https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46784-coronavirus-brasil-registra-52-995-casos-e-3-670-mortes. Acesso em 24 abr. 2020.

NASCIMENTO, F. L. Dinâmicas intraurbanas e mobilidade criminal: uma análise “ecológica” da criminalidade em Maceió (AL). 2020. 187 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Programa de Pós Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2020. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/6808. Acesso em: 19 fev. 2020.

RATCLIFFE, J. The spatial extent of criminogenic places: a changepoint regression of violence around bars. Geographical Analysis, v. 44, p. 302-320, 2012.

WEISBURD, D. Hot spots of crime and place‐based prevention. Criminology & Public Policy, v. 17, n. 1, p. 5-25, 2018a.

WEISBURD, D. From criminals to criminal contexts: reorienting crime prevention research and policy. In: WARING, E.; WEISBURD, D. (Eds.). Crime and social organization. New York: Routledge, 2018b, p. 215-234.

WEISBURD, D.; ECK, J. (Eds.). Unraveling the crime-place connection: new directions in theory and policy. New York: Routledge, 2017, v. 22.

WILCOX, P.; CULLEN, F. T. Situational opportunity theories of crime. Annual Review of Criminology, v. 1, n. 1, p. 123-148, 2018.

WILCOX, P.; SWARTZ, K. Social spatial influences. In: BRUINSMA, G.; JOHNSON, S. D. (Eds.). The Oxford handbook of environmental criminology. Oxford: Oxford University Press, 2018, p. 35-57.

ZILLI, L. F. O bonde tá formado: gangues, ambiente urbano e criminalidade violenta. 2011. 275f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

Downloads

Publicado

2020-07-03