Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais <p>A Revista Cadernos de Ciências Sociais é fruto da necessidade publicizar ideias e conhecimentos no âmbito das Ciências Sociais. Nasceu da proposta do Conselho Editorial do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE, em criar uma publicação que pudesse articular o trabalho de professores, pesquisadores e estudantes das Ciências Sociais do Nordeste do Brasil em interação com os demais campos de produção das Ciências Sociais no mundo.</p> <p> </p> <p>J. C. Marçal</p> <p><strong>Editor-Gerente</strong></p> <p> </p> pt-BR introitu@hotmail.com (J. C. Marçal) revistacadernoscienciassociais@ufrpe.br (Revista) Mon, 30 Aug 2021 17:33:17 +0000 OJS 3.2.1.2 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Entrevista com o Mestre em Ciências Sociais e cigano Igor Shimura http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/3750 <p>Esta entrevista tem como foco os povos ciganos. Povos? Sim, porque existem etnias diferentes com línguas e costumes diferentes. Repousa sobre eles, no entanto, um ponto de convergência: o preconceito de que são alvos. No Brasil, em Portugal, na Espanha ou alhures, atos de recusa se repetem. Contudo são povos que resistem. Pela forte tradição identitária que possuem, porque se organizam em associações representativas, porque se tornam estudiosos e pesquisadores deles próprios ou mesmo pelo surgimento de mais um militante para defender suas causas que passam pelo reconhecimento, pela inclusão social, dentre outras. De fato<a href="file:///C:/_DadosParaSincronizacao/LOCAL_GoogleDrive/_Documentos/Word/UFRPE/30anosCSociais_2020/30anosCSociais_RosaEntrevista_IgorShimura_RevCadCiencSoc_jul2020.docx#_msocom_1">[RM1]</a> , preconceito, discriminação, recusa e muito desconhecimento de quem são esses povos permeiam as relações dos não ciganos com os ciganos.</p><div><hr align="left" size="1" width="33%" /><div><div><p> <a href="file:///C:/_DadosParaSincronizacao/LOCAL_GoogleDrive/_Documentos/Word/UFRPE/30anosCSociais_2020/30anosCSociais_RosaEntrevista_IgorShimura_RevCadCiencSoc_jul2020.docx#_msoanchor_1">[RM1]</a></p></div></div></div> Rosa Maria Aquino Copyright (c) 2021 Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/3750 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 O Ofício da Cozinheira de religião afro-brasileira: Atividade Voluntária e Resistência à Exploração do Trabalho Remunerado http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/3972 <p> O objetivo do artigo é discutir o trabalho feminino realizado nos terreiros de xangô enquanto uma atividade laboral que implica uma definição de si mesmo e uma forma de resistência à exploração do trabalho da mulher negra na sociedade brasileira. A metodologia qualitativa orientou a pesquisa de campo. Se por um lado, a situação social da mulher negra lhe limita as chances na sociedade, por outro, os terreiros de matriz africana são formas alternativas de resistência simbólica coletiva a exploração do trabalho.</p><p>Palavras – Chave: Saber Tradicional, Sociabilidade, Resistência, Cozinheiras.</p> Maria Grazia Cribari Cardoso, Maria Grazia Cribari Cardoso Copyright (c) 2021 Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/3972 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 O trampolim institucional: http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4346 <p align="justify"><span style="font-family: Arial, sans-serif;"><span style="font-size: medium;">O presente artigo versa sobre o uso das instituições como poderosos meios de ascensão política por parte de agentes isolados ou de grupos de interesses através do uso dos partidos políticos brasileiros. Neste sentido, faremos uma pesquisa teórica com base nos conceitos de teoria política, neo-institucionalismo e neo-elitismo, principalmente a partir da análise de ato<span style="color: #000000;">res sociais inseridos em algum tipo de instituição </span><span style="color: #000000;">que são recrutados para servirem </span><span style="color: #000000;">como uma </span><span style="color: #000000;">espécie de</span><span style="color: #000000;"> ponte </span><span style="color: #000000;">entre os partidos políticos e a</span><span style="color: #000000;"> sociedade eleitoreira. </span></span></span></p> Bruno Alexandre Cadete da Silva Copyright (c) 2021 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4346 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 A A perpetuação do latifúndio no Brasil pela lógica colonial http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4359 <p>O presente trabalho pretende conjecturar e subsidiar uma discussão crítica sobre a consideração de que a terra é, historicamente, parte da acumulação de um capitalismo global. Partindo de uma abordagem que atravessa momentos significativos da formação do Brasil, diz-se sobre a terra como fonte primária de acumulação do capital e como matéria para a evolução da globalização, entendendo-a como parte de um projeto hegemônico sócio-político-econômico, imposto ao território brasileiro, bem como a outros países ao sul global, que influi estruturalmente a regulamentação das terras constituindo um projeto permanente de colonização que se desenvolve até os dias de hoje. Caracteriza-se esse processo com práticas contemporâneas do neoliberalismo. O trabalho discorre sobre como o capitalismo central, e toda sua rede constituinte, atua sobre a terra, especificamente sobre terras ao sul global, historicamente colonizada pelo norte, e sentenciadas pelo processo de globalização desde as grandes navegações. Diz-se também da construção de discursos de modernização para camuflar novas possibilidades para velar a manutenção das relações históricas de poder formas cada vez mais capciosas de acumulação do capital.&nbsp; Trazendo um apanhado de marcos históricos, espera-se com esse trabalho fornecer bases críticas para pesquisas que tratem sobre globalização, financeirização e produção do espaço.&nbsp;&nbsp;</p> Sírlei de Sá Moura , Tulio Colombo Corrêa, Matheus Silva Coelho Copyright (c) 2021 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4359 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 A esfera da política e o marxismo como ciência social: http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4267 <p>Nesse artigo buscaremos a análise do movimento de complexificação da concepção marxista da política na figura das contribuições das vertentes estrutural e analítica. Iniciaremos pela categorização da noção instrumental de Estado que marcou o assim chamado marxismo clássico. Mostraremos, com referência a textos já críticos, as bases fundamentais e mais influentes dessa concepção no âmbito dos textos de Marx e Engels e também nas formulações teóricas posteriores nas quais não lograram ruptura. Após solidificar o que se entende por marxismo clássico passaremos ao estudo dos projetos de renovação que se construíram em relação íntima com o projeto das ciências sociais. São esses o marxismo estrutural e pós-estrutural francês, aqui analisados nos textos de Althusser, Poulantzas e Balibar, e o marxismo analítico, nas figuras de Elster, Roemer e Przeworski. O objetivo final do presente artigo é mostrar as alternativas ao economicismo estrito que imperou durante muito tempo no marxismo. Seja pelo viés da positivação da esfera do político; com sua historicidade, autonomia e efeito próprios feita por Althusser, Balibar e Poulantzas, ou pelo viés da crítica à explicação funcionalista na qual o marxismo analítico insistiu.</p> Felipe Melonio Leite Copyright (c) 2021 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4267 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 Lembranças da Ilha da Maré: diálogos entre saberes e fazeres da Mãe Balbina http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4345 <p style="margin: 0cm; margin-bottom: .0001pt; text-align: justify; background: white;"><span style="font-family: 'Arial','sans-serif';">O presente texto é uma versão parcial da pesquisa realizada pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia. O objetivo é refletir a relação da memória com as vivências históricas a partir da oralidade em notas etnográficas registradas sobre a Ilha de Maré e a importância de Mãe Balbina, líder religiosa durante várias décadas. A entrevista foi a ferramenta utilizada na coleta dos relatos como elemento metodológico do trabalho de campo. </span></p> Marcos Rodrigues Copyright (c) 2021 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4345 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 Menores fora da lei:um breve recorte histórico sobre a menoridade no contexto jurídico brasileiro: 1890-1940. http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4293 <p>Este ensaio analisa a questão da menoridade no contexto de formação político e social no início da República no Brasil, em especial, por meio de fontes como o escopo de leis dos Códigos: Penal de 1890 e do Menor1927 que corroboram para o entendimento das mudanças legais que fizeram parte de como o governo republicano idealizou a sociedade moderna que emergia naquele período de amplas transformações sociais, políticas e culturais. Esse paradoxo das leis de proteção ao menor, no contexto de construção do ambiente público e democrático brasileiro na virada do século XIX para o XX, desvela-nos um período em que os discursos elitistas, sobre a massa menor pobre pelo recurso legal e autoritário das leis, configuraram as bases da autoridade estatal sobre as principais características do homem pertencente a uma sociedade de massa, em especial, populares, ou seja, o isolamento, a falta de relações e consciências sociais e de direitos jurídicos formulados para o pleno desenvolvimento da infância</p> Eder Adriano Pereira Copyright (c) 2021 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4293 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000 O percurso discursivo do trabalho na esfera pública http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4153 <p>Este artigo aborda os descaminhos do percurso do trabalho na esfera pública, na luta pelo reconhecimento de direitos. Partimos do pressuposto que a economia política neoliberal de cunho populista, tem sua legitimidade fundamentada nas demandas identitárias dos novos atores sociais, portanto, para além das classes trabalhadoras. Nossa discussão será estruturada a partir de fontes secundárias, privilegiando dados de cunho qualitativo e método dialético. Pois, são as contradições do trabalho que privilegiaremos em nossa discussão. &nbsp;&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Jorge LUiz Barreto Ribeiro Ribeiro Copyright (c) 2021 http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 http://journals.ufrpe.br/index.php/cadernosdecienciassociais/article/view/4153 Tue, 31 Aug 2021 00:00:00 +0000