AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Adriana de Araújo Lima, Michele de Araújo Deodato

Resumo


Consideramos que as práticas de leitura e escrita na Educação Infantil devem proporcionar a criança experiências lúdicas e interativas que lhes permita compreender, as funções da língua escrita.  O referido artigo propõe uma análise sobre as concepções que embasam as práticas de leitura e escrita utilizadas na Educação Infantil, por meio de observação participante e entrevista semiestruturada. Este estudo é oriundo de pesquisas bibliográficas realizadas no decorrer da disciplina de Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa I e das visitas de campo realizadas numa instituição referência em Educação Infantil localizada no município de Garanhuns-PE, em decorrência da disciplina de Estágio Curricular I, do curso de Licenciatura em Pedagogia, da Universidade Federal Rural de Pernambuco - Unidade Acadêmica de Garanhuns. Constatamos durante a pesquisa práticas de leituras e escrita na Educação Infantil que valorizam o conhecimento prévio das crianças sobre a linguagem escrita e que proporcionam as crianças o contato com diferentes gêneros textuais e estruturas gramaticais diferenciadas que podem servir de base para o desenvolvimento de habilidades necessárias para a compreensão da leitura.


Palavras-chave


Educação Infantil. Alfabetização. Práticas de Leitura e Escrita

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, E. et al. A aprendizagem do sistema de Escrita Alfabética: o efeito de diferentes práticas de ensino no Brasil. ANPED. GT: Alfabetização, Leitura e Escrita, 2006. Disponível em: < >. Acesso em: 10 fevereiro 2017.

AQUINO, R. B. O trabalho com consciência fonológica na educação infantil e o processo de apropriação da escrita pelas crianças. ANPED. GT: Alfabetização, Leitura e Escrita, 2007. Disponível em: < http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt10-4998-int.pdf >. Acesso em: 07 fevereiro 2017.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

CAMPOS, L. M. L. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. UNESP, 2002. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2016.

CAPELLINI, S.A. et al. Aplicação da Prova de Consciência Fonológica (PCF) em escolares com dificuldade na leitura. Jornal Brasileiro de Fonoaudiologia, 1999.

COELHO, N.N. Literatura infantil: teorias, análise, didática. São Paulo. Moderna, 2000.

FERREIRO, E. et al. A Representação da Linguagem e o Processo de Alfabetização. México: Do Departamento de Pesquisas Educacionais, Centro de Pesquisas e de Estudos Avançados do Instituto Politécnico Nacional, 1985.

FERREIRO, E. Alfabetização e cultura escrita. Revista Escola, 2003.

LÜDKE, M. et al. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 2012.

MOOJEN, S. et al. Avaliação metafonológica: resultados de uma pesquisa. Letras de hoje, Porto Alegre, v.36, n.03, p.61-79, 2001.

MORAIS, A. G. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1997.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio - histórico. São Paulo: 4 ed. Scipione, 2004.

REGO, T. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Vozes, 2003. [1987].

ZORZI, J.L. Consciência fonológica, fases de construção da escrita e sequência de apropriação da ortografia do Português. In: MARCHESAN, I.Q., ZORZI, .J.L. Anuário Cefac de Fonoaudiologia. São Paulo: Revinter, 1999/2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Adriana de Araújo Lima, Michele de Araújo Deodato

Licença Creative Commons