A PERSONAGEM E SUAS RELAÇÕES COM O OUTRO EM O ABAJUR LILÁS, DE PLÍNIO MARCOS

Sergio Manoel Rodrigues

Resumo


Este trabalho tem como objetivo principal analisar os caracteres das personagens marginalizadas da peça teatral O abajur lilás, de Plínio Marcos. A partir do embasamento teórico acerca da autoconsciência do ser ficcional, proposta por Mikhail Bakhtin (2008), pode-se dizer que o caráter dos seres plinianos se delineia no contato destes com a realidade que os cerca. No caso da referida peça, as relações que se estabelecem entre as personagens fazem com que elas se conscientizem da situação em que se encontram. No entanto, tais relações e o próprio meio em que esses seres ficcionais estão inseridos fazem com que estes enfrentem dificuldades árduas, como a violência, o preconceito e o abuso de poder, numa tentativa de sobreviverem às mazelas sociais. Logo, sob a perspectiva bakhtiniana, ampliam-se as possibilidades de atributos dados às personagens e seus relacionamentos com quem as rodeia, o que torna seu processo de formação complexo e inacabado. Tal processo é a constante transformação que o ser fictício sofre na evolução de sua autoconsciência durante a narrativa, à medida que os conflitos surgem nas relações eu-outro.


Palavras-chave


Plínio Marcos; Teatro; Personagem; Outro; Autoconsciência.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. 4. ed. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

CANDIDO, Antonio; PRADO, Décio de Almeida et al. A personagem de ficção. 11. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CEIA, Carlos. E-dicionário de termos literários. [s.l.], 2010. Disponível em: http://www.edtl.com.pt/index.php?option=com_content&view=frontpage&Itemid=1. Acesso em: 02 jun. 2012.

ENEDINO, Wagner Corsino. Entre o limbo e o gueto: literatura e marginalidade em Plínio Marcos. Campo Grande: UFMS, 2009.

MAGALDI, Sábato. Plínio Marcos. In: ______. Moderna dramaturgia brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1998. p. 205-228.

MARCOS, Plínio. O abajur lilás. In: ______. O melhor teatro de Plínio Marcos. São Paulo: Global, 2003. p. 171-229.

MENDES, Oswaldo. Bendito maldito: uma biografia de Plínio Marcos. São Paulo: Leya Brasil, 2009.

MOISÉS, Massaud. A criação literária: poesia e prosa. São Paulo: Cultrix, 2012.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. 3. ed. Trad. J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2011.

PEACOCK, Ronald. Formas da literatura dramática. Trad. Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

VIEIRA, Paulo. Plínio Marcos: a flor e o mal. Rio de Janeiro: Firmo, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Entheoria: Cadernos de Letras e Humanas ISSN 2446-6115

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexadores: 

Departamento de Letras e Artes - Programa de Pós-graduação em Estudos Literários - UEFS (http://www2.uefs.br/ppgldc/revistas.html)