Comparação de Indicadores de Qualidade Ambiental da praia em Boa Viagem (Pernambuco) nos anos de 2008 e 2018

Autores

  • Thaiane Santos Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Ana Laura Tribst Corrêa Universidade Federal de Pernambuco / Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Ályssa Thayna Pedrosa Cardoso Universidade Federal de Pernambuco
  • Nicole Malinconico Universidade Federal de Pernambuco

Palavras-chave:

Indicadores ambientais, praia, gestão costeira, subsistema natural, subsistema antrópico

Resumo

O presente estudo é uma comparação de indicadores de qualidade ambiental de praia, nos anos de 2008 e 2018, em dois trechos da praia de Boa Viagem (PE) com características distintas. O uso de 60 parâmetros, divididos entre subsistema natural e antrópico, resultou na caracterização da praia como praia urbana de qualidade ambiental regular. A mesma qualidade foi encontrada no estudo comparativo há 10 anos, porém com diferença em apenas dois parâmetros, condições dos banheiros e chuveiros e a presença de salva-vidas. Podemos concluir que houve uma pequena diminuição na qualidade da praia, sendo que o subsistema antrópico variou mais que o natural. O uso de indicadores ambientais e a classificação de qualidade ambiental de praia geram dados importantes sobre o potencial de uso e preservação da praia para o bem-estar dos usuários, bem como dá base para ações de gestão que refletem no setor econômico e turístico da cidade. Consequentemente, é necessário monitoramento periódico para análise em escala temporal e, assim, apontar mudanças e melhorias ao longo do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, M.C.B. 2008. Praia da Boa Viagem, Recife - PE: Análise sócio-ambiental e propostas de ordenamento. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Recife, Brasil. 279p.

Araújo, M.C.B.; Costa, M.F. 2008. Environmental quality indicators for recreational beaches classification. Journal of Coastal Research, 24 (6), 1439 -1449.

Araújo, M.C.B.; Silva-Cavalcanti, J.S.; Costa, M.F. 2018. Anthropogenic Litter on Beaches With Different Levels of Development and Use: A Snapshot of a Coast in Pernambuco (Brazil). Front. Mar. Sci., 5:233. doi: 10.3389/fmars.2018.00233.

Ariza, E.; Jimenez, J.A.; Sarda, R.; Villares, M.; Pinto, J.; Fraguell, R.; Roca, E.; Marti, C.; Valdemoro, H.; Ballester, R.; Fluvia, M. 2010. Proposal for an integral quality index for urban and urbanized beaches. Environ. Manage., 45, 998–1013. doi: 10.1007/s00267-010-9472-8.

Asensio-Montesinos, F.; Anfuso, G.; Corbí, H. 2018. Coastal scenery and litter impacts at Alicante (SE Spain): management issues. J. Coast. Conserv. doi: 10.1007/s11852-018-0651-8

Barreto, A.M.F.; Assis, H.M.B.; Bezerra, F.H.R., Suguio, K. 2010. Arrecifes, a calçada do mar de Recife, PE - Importante registro holocênico de nível relativo do mar acima do atual. In: Winge, M.; Schobbenhaus, C.; Souza, C.R.G.; Fernandes, A.C.S.; Berbert-Born, M.; Sallun-Filho, W.; Queiroz, E.T. (Edit.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Disponível em: <http://www.unb.br/ig/sigep/sitio040/sitio040.pdf>

Benedict, R.T., Neumann, C.M. Assessing Oregon’s twenty-six coastal beach areas for recreational water quality standards. 2004. Journal Marine Pollution Bulletin, 49(7), 624-629. doi: 10.1016/j.marpolbul.2004.04.005.

Botero, C.; Pereira, C.; Tosic, M.; Manjarrez, G. 2015. Design of an index for monitoring the environmental quality of tourist beaches from a holistic approach. Ocean Coast. Manag., 108, 65–73. doi:10.1016/j.ocecoaman.2014.07.017.

Botero, C.M.; Cervantes, O.; Finkl, C.W. 2018. State-of-the-Art Beach Environmental Quality from the Tree of Science Platform. Beach Manag. Tools - Concepts, Methodol. Case Stud, 24, 781–793. doi:10.1007/978-3-319-58304-4_39.

Brasil. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Publicada no Diário Oficial da União – Ano CXXVI, Nº 191-A, de 5 de outubro de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/DOUconstituicao88.pdf.

Burgess, G.H.; Buch, R.H.; Carvalho, F.; Garner, B.A.; Walker, C.J. 2010. Factors contributing to shark attacks on humans: a Volusia County, Florida, case study. Peer J., 541-565. doi:10.1201/9781420080483-c13.

Carvalho, A.G. 2009. Turismo e produção do espaço no litoral de Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Recife, Brasil. 99 p.

CEMBRA – Centro de Excelência para o Mar Brasileiro. 2012. O Brasil e o mar no século XXI: Relatório aos tomadores de decisão do País. 2ª ed. 540 p. ISBN: 9788565171007.

Cervantes, O.; Espejel, I. 2008. Design of an integrated evaluation index for recreational beaches. Ocean Coast. Manag., 51, 410–419. doi:10.1016/j.ocecoaman.2008.01.007.

Chen, C.L.; Teng, N. 2016. Management priorities and carrying capacity at a high-use beach from tourists’ perspectives: A way towards sustainable beach tourism. Mar. Policy, 74, 213–219. doi:10.1016/j.marpol.2016.09.030.

Cicin-Sain, B.; Knecht, R.W.; Jang, D.; Fisk, G.W. 1998. Integrated coastal and ocean management: concepts and practices. Island Press. 543p. ISBN: 9781559636049.

CPRH - Agência Estadual de Meio Ambiente. 2001. Diagnóstico Socioambiental do Litoral Sul de Pernambuco. 1ª edição. Qualidade Ambiental.

CPRH - Agência Estadual de Meio Ambiente. Boletins de Balneabilidade. Disponíveis em: <http://www.cprh.pe.gov.br/>

Cruz, R.C.A. 2007. Geografas do turismo de lugares a pseudo-lugares. Editora Roca. 1ª ed. 140 p. ISBN: 857241682X

Dantas, E.W.C. 2006. Cidades litorâneas marítimas tropicais: construção da segunda metade do século XX, fato no século XXI. In: Silva, J.B. et al. Panorama da geografa brasileira. 2ª ed. São Paulo: Annablume. p. 79-89. ISBN: 8574196258.

Dudley, S.F.J. 1997. A comparison of the shark control programs of New South Wales and Queensland (Australia) and KwaZulu-Natal (South Africa). Ocean Coast. Manag., 34(1), 1–27. doi: 10.1016/S0964-5691(96)00061-0.

Ergin, A.; Karakaya, T.; Micallef, A.; Radic, M.; Williams, A.T. 2006. Coastal scenic evaluation: a study of some Dalmatian (Croatia) areas. Journal of Coastal Research, Special Issue 39, 898–902.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United States. 2006. Integrated coastal management law - Establishing and strengthening national legal frameworks for integrated coastal management. Legislative Study 93. 274 p. Disponível em <http://www.fao.org/docrep/012/a0863e/a0863e00.pdf>.

Filet, M.; Souza, C.R.G.; Xavier, A.F.; Buschel, E.C.G.; Moraes, M.B.R.; Poleti, A.E. 2001. Gerenciamento costeiro e os estudos do Quaternário no Estado de São Paulo, Brasil. Revista Pesquisas em Geociências, 28(2), 475-486. doi:10.22456/1807-9806.20321.

Gregório, M.N.; Araújo, T.C.M.; Valença, L.M.M. 2004. Variação sedimentar das praias do Pina e da Boa Viagem, Recife (PE) Brasil. Trop. Oceanogr., 32(1), 39–52. doi: 10.5914/tropocean.v32i1.5032.

Hazin, F.H.V.; Burguess, G.; Carvalho, F.C. 2008. A shark attack outbreak off Recife, Pernambuco, Brazil: 1992–2006. Bull. Mar. Sci., 82, 199–212.

Hazin, F.H.V; Afonso, A.S. 2014. A green strategy for shark attack mitigation off Recife, Brazil. Animal Conservation, 17, 287–296. doi:10.1111/acv.12096.

Holden, A. 2000. Environment and tourism. Psychology Press. 225 p. ISBN: 0415207185.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. 2007. Mudanças climáticas globais e seus efeitos sobre a biodiversidade: caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do século XXI. 2ª edição. 212 p. ISBN 8577380386.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2011. Atlas geográfico das zonas costeiras e oceânicas do Brasil. 176 p. ISBN 9788524042195.

Leal, M.M.V. 2006. Percepção dos usuários quanto à erosão costeira na praia da Boa Viagem, Recife (PE), Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Recife, Brasil. 108p.

Lima, E.S.; Fontes, A.L.; Santos, M.A.; Correia, A.L.F. 2006. Caracterização sedimentar e morfodinâmica do litoral norte, do estado de Sergipe, municípios de Pacatuba e Brejo Grande - Contribuição Ao Ordenamento Territorial. IV Simpósio Nacional de Geomorfologia/ Regional Conference on Geomorphology, 1, 1 – 9.

Lucrezi, S.; Saayman, M.; Van der Merwe, P. 2016. An assessment tool for sandy beaches: A case study for integrating beach description, human dimension, and economic factors to identify priority management issues. Ocean Coast. Manag., 121, 1–22. doi: 10.1016/j.ocecoaman.2015.12.003.

Mascarenhas, G. 2004. Cenários contemporâneos da urbanização turística. Caderno Virtual de Turismo, 4(4), 1-11.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2002. Biodiversidade Brasileira - Avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos biomas brasileiros. 404 p.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2006a. Erosão e progradação no litoral brasileiro. 476 p. ISBN 85-7738-028-92006.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. 2006b. Monitoramento dos recifes de coral do Brasil. 250 p. ISBN: 85-87166-86-7

MMA/SBF/GBA - Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Biodiversidade e Florestas/Gerência de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros. 2010. Panorama da conservação dos ecossistemas costeiros e marinhos no Brasil. 148 p. ISBN: 978-85-7738-142-5.

Morgan, R., 1999. Preferences and priorities of recreational beach users in Wales, UK. J. Coast. Res., 15(3), 653–667.

Nascimento, R.C.M.; Guilherme, B.C.; Araújo, M.C.B.; Magarotto, M.; Silva-Cavalcanti, J.S. 2018. Uso de Indicadores Ambientais em áreas costeiras: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Meio Ambiente. 0(69), 52–69. ISSN: 2595-4431.

Roca, E.; Villares, M.; Ortego, M.I. 2009. Assessing public perceptions on beach quality according to beach users’ profile: a case study in the Costa Brava (Spain). Tourism Management, Nova Zelândia, 30(4), 598–607. doi: 10.1016/j.tourman.2008.10.015.

Scherer, M. 2013. Gestão de Praias no Brasil: Subsídios para uma Reflexão. Rev. Gestão Costeira Integr.,13, 3–13. doi: 10.5894/rgci358.

Semeoshenkova, V.; Newton, A.; Contin, A.; Greggio, N. 2017. Development and application of an Integrated Beach Quality Index (BQI). Ocean Coast. Manag., 143, 74–86. doi: 10.1016/j.ocecoaman.2016.08.013.

Silva, J.S.; Barbosa, S.C.T.; Leal, M.M.V; Lins, A.R.; Costa, M.F. 2006. Ocupação da praia da Boa Viagem (Recife/PE) ao longo de dois dias de verão: um estudo preliminar. Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 1(2), 91–98.

Silva-Cavalcanti, J.S.; Leal, M.M.V.; Araújo, M.C.B.; Barbosa, S.C.T.; Costa, M.F. 2008. Spatial and Temporal Patterns of Use of Boa Viagem Beach, Northeast Brazil. Journal of Coastal Research, 24(1 - supplement), 79-86. doi:10.2112/05- 0527.1.

Smith, R.A. 1991. Beach resorts: A model of development evolution. Landscape and Urban Planning, 21 (3), 189–210. doi.org/10.1016/0169-2046(91)90018-H.

Souza, C.R.G.; Souza Filho, P.W.M.; Esteves S.L.; Vital, H.; Dillenburg, S.R.; Patchineelam, S.M.; Addad, J.E. 2005. Praias Arenosas e Erosão Costeira. In: Souza, C.R.G.; Suguio, K.; Santos, A.M.; Oliveira, P.E. (eds.), “Quaternário do Brasil”, p.130-152, Holos Editora. ISBN: 8586699470.

Souza, J.L.; Silva, I.R. 2015. Avaliação da qualidade ambiental das praias da Ilha de Itaparica, Baía de Todos os Santos, Bahia. Soc. & Nat., 27(3), 469-484. doi: 10.1590/1982-451320150308.

Souza, S.T. 2004. A saúde das praias da Boa Viagem e do Pina, Recife (PE). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Brasil. 99 p.

Trujillo, A.P.; Thurman, H.V. 2011. Essentials of Oceanography. 10ª ed. 576 p. ISBN: 978-0321668127.

WHO - World Health Organization. 2003. Guidelines for safe recreational environments. Vol 1, Coastal and Fresh Waters. 253 p. ISBN 9241545801.

Downloads

Publicado

2018-09-28

Como Citar

Silva, T. S., Corrêa, A. L. T., Pedrosa Cardoso, Ályssa T., & Malinconico, N. (2018). Comparação de Indicadores de Qualidade Ambiental da praia em Boa Viagem (Pernambuco) nos anos de 2008 e 2018. Revista Geama, 4(3), 28–37. Recuperado de http://journals.ufrpe.br/index.php/geama/article/view/2135