Gestão do tratamento de esgotos sanitários produzidos em universidades públicas federais no Nordeste do Brasil

Autores

  • Kerlia Roberta Aquino Gama Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Gabriela Valones Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Alana Ticiane Alves do Rêgo Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Joseane Dunga da Costa Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Palavras-chave:

Social and environmental responsibility, Wastewater, Higher education institutions

Resumo

O lançamento de esgoto, sem tratamento, nos compartimentos do meio ambiente constitui uma das fontes de maior degradação ambiental, que compromete o meio físico, biótico e a saúde pública. As Instituições de Ensino Superior – IES são formadoras de opinião e construtoras de cenários propícios para o desenvolvimento econômico, social, cultural e sustentável da sociedade. A partir dessa realidade, o presente estudo identificou, caracterizou e quantificou as públicas universidades públicas federais, na região Nordeste do Brasil, que tratam e dispõem as águas residuárias produzidas em acordo com as regulamentações legais federais e estaduais vigentes. O banco de dados primários e secundários utilizado foi formulado por meio do encaminhamento de questionário estruturado aos e-mails dos docentes das respectivas universidades consultadas. Foram avaliadas 18 instituições, das quais seis não aderiram a pesquisa, seis não possuem Estação de Tratamento de Efluentes – ETE particular, sendo que duas delas são atendidas pela rede pública de esgoto, uma faz uso de solução individual para o tratamento das águas residuárias. Além disso, cinco das universidades estudadas apresentam ETE própria, adotando técnicas que contemplam lodos ativados, reator anaeróbio, valo de oxidação e lagoas de estabilização. Uma universidade encontra-se em fase de implementação de um sistema de tratamento. Das cinco instituições que possuem uma ETE em seus campus, duas reutilizam a água para a irrigação de paisagens.

Biografia do Autor

Kerlia Roberta Aquino Gama, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Graduada em Bacharelado em Engenharia Ambiental e Sanitária- UFERSA – 2019; Graduada em Bacharelado em Ciência e Tecnologia- UFERSA- 2017; Participante do Grupo de Pesquisa ESAS – Estudos em Saneamento Ambiental no Semiárido – Em vigência; Membro do projeto de pesquisa Interno: Identificação de universidades Federais Brasileiras que possuem estação de tratamento própria  em seus campus.

Gabriela Valones, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Professora do Magistério Superior no Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária na UFERSA-Campus Pau dos Ferros/RN. Graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental - UFRPE (2012). Graduação em Tecnologia em Gestão Ambiental - IFPE (2014). Mestrado - UFPE (2015) e Doutorado em Engenharia Civil - UFPE (em curso). Integra o Grupo de Saneamento Ambiental (GSA/UFPE) e o Grupo de Estudos em Engenharia, Meio Ambiente e Geotecnologias (GEEMAG/UFERSA). Atua em ensino, pesquisa e extensão na área de Saúde e Saneamento Ambiental, Índice de Salubridade Ambiental, Tratamento de Águas Residuárias, Tratamento de Efluentes Industriais, Processos Físico-Químicos e Microbiológicos para o Tratamento de Água e Esgotos, Pós-tratamento, Remoção de Nitrogênio e de Contaminantes Emergentes.

Alana Ticiane Alves do Rêgo, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Possui graduação em Ciência e Tecnologia pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2013-2018). Atualmente é discente do curso Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Integra o Grupo de Estudos em Saneamento Ambiental no Semiárido (ESAS).

Joseane Dunga da Costa, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Possui graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mestrado em Engenharia sanitária pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Doutorado em Manejo de Solo e Água pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Atualmente é Professora da Universidade Federal Rural do Semi-Árido - Campus Pau dos Ferros. Seus interesses em pesquisa incluem: Ciência do solo, Ciências ambientais e Saneamento.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA. O risco de escassez de água doce. 2019. Disponível em: < https://www.ana.gov.br/noticias-antigas/o-risco-de-escassez-de-a-gua-doce.2019-03-15.4724785357>. Acesso em: 27 outubro 2019.

ALISSON, D; LOHAN, E; BALDWIN, T. O WaterHub in Emory University: Campus resilience through decentralized reuse. Water Environ Res. 2018 1 de fevereiro. 187-192.

ARTHUR, Richard; BREW-HAMMOND, Abeeku. Potential biogas production from sewage sludge: A case study of the sewage treatment plant at Kwame Nkrumah university of science and technology, Ghana. International Journal of Energy & Environment, n. 6, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 7.229: Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro, 1993. 15 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 9648: Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário. Procedimento. Rio de Janeiro, 1986, 5 p.

BRASIL. Lei nº. 11.445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 20 de abril de 2019.

BOTASSO, Aline Marcon; LOUREIRO, Eduardo Mayer Monteiro; DIAS, Pâmela Castilho. Gestão da água na área I do Campus São Carlos – USP, 2014.

CAVALCANTI, Iracema FA. Tempo e clima no Brasil. Oficina de textos, 2016.

CARVALHO, A. P. M.; SILVA, J. N.; SANTOS, V. S.; FERRAZ, R. R. Avaliação dos parâmetros de qualidade da água de abastecimento alternativo no distrito de Jamacaru em Missão Velha-CE. Revista de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística, v. 7, n. 1, p. 35-51, 2017.

CHAVES, Vanessa Silva; SCHNEIDER, Erwin Henrique Meneses; LIMA, Arthur Silva Passos; MENDONÇA, Luciana Coêlho. Desempenho das estações de tratamento do esgoto de Aracaju. REVISTA DAE, v. 66, p. 51-58, 2017.

CHERNICHARO, Carlos Augusto de Lemos; RIBEIRO, Thiago Bressani; GARCIA, Guilherme Brugger; LERMONTOV, André; PLATZER, Christoph Julius; POSSETTI, COLLERE, Gustavo Rafael; ROSSETO, Mário Augusto. Panorama do tratamento de esgoto sanitário nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil: tecnologias mais empregadas. Revista DAE, vol 66, 2017.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 357, de 18 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459> Acesso em: 07 de julho de 2019.

CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho CONAMA. Disponível em: < http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646> Acesso em: 07 de julho de 2019.

FEITOSA, Renato Castiglia. Emissários submarinos de esgotos como alternativa à minimização de riscos à saúde humana e ambiental. Ciência saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 6, p. 2037-2048, 2017.

FERREIRA, Fabiana Dian; CORAIOLA, Márcio. Eficiência do lodo ativado em fluxo contínuo para tratamento de esgoto. Revista Acadêmica Ciência Animal, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 256-279, 2008.

GASPAR, Flávia Cristina; MICHELAM, Thiago Henrique; FARAH, Solange Pereira dos Santos. Sistemas de tratamento de efluente sanitário utilizados no município de Bebedouro/SP. 2017.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de pesquisa. Plageder, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB. Disponível em:<https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/meio-ambiente/9073-pesquisa-nacional-de-saneamento-basico.html?=&t=o-que-e>. Acesso em: 06 julho de 2019.

MAIO, Gabriela Fonteles. Práticas de Gestão Sustentável na Universidade Federal de Rondônia. 2017. 95f. Dissertação para obtenção de Mestre ao Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Administração Pública pela Fundação Universidade Federal de Rondônia., Porto Velho, 2017.

MARÇAL, Daniel Araújo; SILVA, Carlos Ernando. Avaliação do impacto do efluente da estação de tratamento de esgoto ETE-Pirajá sobre o Rio Parnaíba, Teresina (PI). Eng Sanit Ambient, v.22 n.4, 2017.

MARCELINO, A. A.; SANTOS, M. A.; XAVIER, V. L.; BEZERRA, C. S.; SILVA, C. R. O.; AMORIM, M. A.; RODRIGUES, R. P.; ROGERIO, J. P. Diffusive emission of methane and carbon dioxide from two hydropower reservoirs in Brazil. Brazilian Journal of Biology, v.75, n.2, 2015, p. 331-338.

MEDEIROS, A. B. D., Mendonça, M. J. S. L., SOUSA, G. L. D., & OLIVEIRA, I. P. D. A Importância da educação ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, p. 1-17, 2011.

NOGUEIRA, F. F.; COSTA, I. A.; PEREIRA, U. A. Análise de Parâmetros Físico-Químicos da Água e do Uso e Ocupação do Solo na Sub-bacia do Córrego da Água Branca no Município de Nerópolis–Goiás. 2015. 53 f. Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Ambiental e Sanitária pela Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

OLIVEIRA, J. de. Verificação Parcial da qualidade da água do rio Curupi-SINOP-MT. 2016. 34 f. Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Mato Grosso, SINOP, 2016.

PARRON, L. M.; MUNIZ, D. H. F.; PEREIRA, C. M. Manual de procedimentos de amostragem e análise físico-química de água. Colombo: Embrapa Florestas, 2011. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/57612/1/Doc232ultima-versao.pdf>. Acesso em: 26 outubro 2019.

PRODANOV, Kleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do trabalho científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2º edição. Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul – Brasil, 2013.

RAGMAN, S. M. et al. Life-Cycle Assessment of Advanced Nutrient Removal Technologies for Wastewater Treatment. Environmental Science & Technology, v. 50, n. 6, p. 3020-3030, 2016.

RICHTER, C. A; JÜRGENSEN, D. Tratamento de Esgotos por Digestão Anaeróbia – Coagulação e Flotação. SANARE. Curitiba, v. 1, n. 1, p. 19-20, 1994.

SABEEN, Ali Hussein; NOOR, Zainura Zainon; NGADI, Norzita; ALMURAISY, Saqer; RAHEEM, Ademola Bolanle. Quantification of environmental impacts of domestic wastewater treatment using life cycle assessment: A review. Journal Of Cleaner Production, v. 190, p.221-233, jul. 2018.

SALIBA, Pollyane Diniz. Avaliação do desempenho de sistema de tratamento de esgoto sanitário composto de reator UASB seguido de lodo ativado: estudo de caso da ETE Betim Central-MG, 2016.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. Cortez editora, 2017.

SILVA, Lydyene Nayara Nunes. Plano de gerenciamento de resíduos sólidos: uma proposta para o centro de desenvolvimento sustentável do semiárido. 2018. 47f. Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia de Biossistemas do Centro e Desenvolvimento Sustentável do Semiárido pela Universidade Federal de Campina Grande, Sumé, 2018.

SILVEIRA, Maria Luiza Gesser da; COELHO, Tainá Terezinha; KLAES, Luís Salgado; Souza, Rafael de; LIZ, Luiz Gustavo Abou Hatem de. Gestão universitária sustentável: estudo de caso de reuso de águas cinzas, 2014.

TRATA BRASIL. Esgotos. Disponível em: <http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/principais-estatisticas/no-brasil/esgoto> Acesso em: 25 de abril de 2019.

SUN, Zhong; LIU, Yong; ZHOU, Tao. Water reutilization in student dormitories. Journal of Dalian Fisheries University, 2003.

TRATA BRASIL. Universalização do saneamento básico e seus impactos. 2018. Disponível em: < http://www.tratabrasil.org.br/blog/2018/02/22/universalizacao-saneamento-basico/ >. Acesso em: 26 outubro 2019.

SPERLING, Marcos Von. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. 4 ed. 472p

YANG, T. et al. Application of the public–private partnership model to urban sewage treatment. Journal Of Cleaner Production, v. 142, p.1065-1074, jan. 2017

Downloads

Publicado

2020-12-16

Edição

Seção

ARTIGOS