Modelagem geoambiental da vulnerabilidade à desertificação em municípios do Agreste Pernambucano

Autores

  • Fernanda Barboza Leal Instituto Federal de Pernambuco - IFPE Campus Recife
  • Joás Tomaz Aquino Instituto Federal de Pernambuco - IFPE Campus Recife
  • Jamille Gonçalves Araújo Instituto Federal de Pernambuco - IFPE Campus Recife
  • Ioná Beltrão Barbosa Instituto Federal de Pernambuco - IFPE Campus Recife

Palavras-chave:

Desertification, Alto Capibaribe, SIG, Multicriteria, AHP

Resumo

A desertificação é um processo que provoca o empobrecimento dos solos, estando atrelado a fatores climáticos e antrópicos, o qual promove a sua suscetibilidade quanto às suas funcionalidades, sendo intensificado em regiões áridas e semiáridas, com balanço hídrico negativo, como é o exemplo do Alto Capibaribe, situado no Agreste pernambucano. Nessas primícias, o presente trabalho teve como objetivo delinear uma análise multicritério utilizando variáveis ambientais (precipitação, tipo de solo, declividade e uso e ocupação do solo) com auxílio de um SIG (Sistema de Informações Geográficas) e a análise multicritério, através do método Analytic Hierarchy Process (AHP), visando a construção de mapas temáticos que apresentem áreas de vulnerabilidade à desertificação em diferentes níveis para a região do Alto Capibaribe. Os resultados mostraram que o estudo viabilizou a produção de um diagnóstico sólido, identificando, por município, a predominância dos seguintes graus de vulnerabilidade à desertificação: Poção (56,87% - nível fraco), Brejo da Madre de Deus (41,30% - nível médio), Santa Cruz do Capibaribe (51,43% - nível forte), Jataúba (36,66% - nível forte). A análise global para a região mostrou um grau forte de vulnerabilidade à desertificação, revelando a magnitude do problema e a necessidade de políticas públicas estruturadas.

Referências

ALMEIDA, A. T. Processo de decisão nas organizações, São Paulo: Atlas, 2013.

ARAÚJO, F. T. V.; NUNES, A. B. A.; FILHO, F. A. S.; CAMPOS, V. R. Risco de desertificação no semiárido brasileiro: uma abordagem multicritério. In: XXI Simpósio brasileiro de recursos hídricos. Anais... Brasília: ABRH, 2015.

BECERRIL-PIÑA, R.; MASTACHI-LOZA, C. A.; GONZÁLEZ-SOSA, E.; DÍAZDELGADO, C.; BÂ, K. M. Assessing desertification risk in the semi-arid highlands of central Mexico. Journal of Arid Environments, v. 120, p. 4–13, 2015.

BRAGA, R. A. P.; PAIVA, A. L. R. P.; ARAÚJO FILHO, P. F.; CABRAL, J. J. S. P.; SILVA, A. V.; GUSMÃO, P. T.; CAVALCANTI, E.; FARIAS, C. R.; COSTA, W. D. A sustentabilidade do uso da água subterrânea frente à exploração de areias em leito de rios do semiárido brasileiro. Anais do XVIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, Natal/RN, 2014.

BRAGA, R. A. P.; SILVA, S. R.; BARBOSA, I. M. B. R.; PAIVA, A. L. R.; CABRAL, J. J. S. P. Águas de Areias. Recife: Editora Clã, 336p, 2016.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Agência Nacional de Águas- ANA. A Evolução da gestão dos recursos hídricos no Brasil. Brasília. 2002. 68p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Atlas das áreas susceptíveis à desertificação do Brasil. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos, 2007.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Programa Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca – PAN-Brasil. Brasília - DF: Secretaria de Recursos Hídricos, 2005.

CEMADEN. Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, 2018. Estudo avalia o avanço da desertificação no nordeste brasileiro e aponta o aumento da degradação. Disponível em: https://www.cemaden.gov.br/estudo-avalia-o-avanco-da-desertificacao-no-nordeste-brasileiro-e-aponta-o-aumento-da-degradacao/. Acesso em: 05 de fev. 2020.

CHOW, C.; LUK, P. A strategic service quality approach using analytic hierarchy process. Managing Service Quality, v. 15, n. 3, p. 278-289, 2005.

COSTA, G. J. A.; VIEIRA, C. I. P. Geotecnologias para análise da vulnerabilidade ambiental do núcleo de desertificação do Piauí. Caderno Prudentino de Geografia, n. 40, v. 2, p. 59-76, 2018.

COSTA, A. R. S.; FERREIRA, G. L.; SOUZA, E. B.; ROLIM NETO, F. C. Desertification in semi-arid northeast of Brazil. Revista GEAMA, v. 2, n.4, p.427-444, 2016.

DIAS, V. S. B.; SILVA, A. AHP na modelagem da vulnerabilidade ambiental do mini corredor ecológico Serra das Onças (BA). Revista Brasileira de Cartografia, v. 66, n.6, p. 1363–1377, 2014.

ENSSLIN, L.; MONTIBELLER NETO, G.; NORONHA, S. M. Apoio à decisão: metodologias para estruturação de problemas e avaliação de alternativas. Florianópolis: Insular, 2001.

FIGUEIREDO, A. F. R.; CALASANS, N. A. Risco de salinização dos solos da bacia hidrográfica do rio colônia - sudeste da Bahia/Brasil. Engevista, v. 10, n. 1, p. 15-26, 2008.

GUERRA, M. D. F.; SOUZA, M. J. N.; LUSTOSA, J. P. G. Desertificação em áreas semiáridas do nordeste brasileiro: o caso do município de Jaguaribe, Ceará. Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. especial VIII SINAGEO, n. 2, Set. 2010.

LIMA, R. C. C. Avaliação do processo de desertificação no semiárido paraibano utilizando geotecnologias. 2010. 63 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental) - Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2010.

LIMA, T. S.; CARDOSO, A. S.; SOUZA, W. M.; GALVÍNCIO, J. D. Analysis of climate variability in semiarid region, Petrolândia, Pernambuco. Journal of Hyperspectral Remote Sensing, v.6, n.2, p. 91–98, 2016.

LONGLEY, P. A.; GOODCHILD, M. F.; MAGUIRE, D. J.; RHIND, D. W. Sistemas e Ciência da Informação Geográfica. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

MATALLO JÚNIOR, H. Indicadores de Desertificação: Histórico e Perspectiva. Brasília: UNESCO, 2001.

NASCIMENTO, N. S.; VIEIRA, E. M.; GONÇALVES, J. A. C.; CUNHA, G. P. Q. Estudo da vulnerabilidade ambiental em uma micro bacia hidrográfica empregando hierarquia nominal e operador local. Revista Brasileira de Geografia Física, v.09 n.03 p. 897-916, 2016.

NOBRE, C. Mudanças climáticas e desertificação: os desafios para o Estado brasileiro. In. Lima, R.C.C.; Cavalvante, A.M.B.; Marim, A.M.P. (Edt.). Desertificação e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Campina Grande: ISNA/PB, 2011, p. 25-36.

PAVANI, I. D.; CICERELLI, R. E.; ALMEIDA, T.; MOURA, L. Z.; CONTRERAS, F. Allocation of sanitary landfill in consortium: strategy for the Brazilian municipalities in the State of Amazonas. Environmental Monitoring and Assessment, v. 191, n. 39, p. 1-13, 2019.

PERNAMBUCO. Plano Estadual de Mudanças Climáticas. Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade. Recife, 2011.

PERNAMBUCO. Bacias Hidrográficas. 2018. Disponível em:http://www.apac.pe.gov.br/pagina.php?page_id=5&subpage_id=14. Acesso em: 23 mar. 2020.

PREFEITURA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE. A cidade. 2020. Disponível em: https://www.santacruzdocapibaribe.pe.gov.br/artigos/pagina/id/6. Acesso em: 23 mar. 2020.

PORATH, P. H. M. Uso de análise multicritério para identificação de áreas potenciais para construção de marinas. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 2, n. 2, p. 3 - 26, 2014.

ROSS, J. L. S. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados. Revista do Departamento de Geografia, v. 8, n.1, p. 63-74, 1994.

SAATY, T. How to make a decision: The Analytic Hierarchy Process. European Journal of Operational Research, v. 48, n. 1, p. 9−26, 1990.

SAATY, T. L. The analytic hierarchy process. New York: McGraw-Hill, 1980.

SAMPAIO E. V. S. B.; ARAÚJO M. S. B.; SAMPAIO Y. S. B. Propensão à desertificação no semi-árido brasileiro. Revista de Geografia, v. 22, n. 2, 59-76, 2005.

SANTOS, A. M.; GALVÍNCIO, J. D. Mudanças climáticas e cenários de susceptibilidade ambiental à desertificação em municípios do estado de Pernambuco. Observatorium: Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.13, p. 66-83, jun. 2013.

SANTOS, J. P. O.; SILVA JÚNIOR, J. M.; SILVA FILHO, J. A.; SILVA, J. L. C.; RIBEIRO, J. K. N.; OLIVEIRA, F. I. F. Environmental Degradation and Risk of Desertification in Alto Sertão Region, Alagoas State, Brazil. Revista GEAMA, v.3, n. 4, p. 191-195, 2017.

SARAIVA, A. G. S.; SOUSA, R. F.; MENESES, L. F. Análise multitemporal do processo de desertificação do município de Boa Bista-PB utilizando dados orbitais. In: III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação, 2010, Recife. Anais... Recife: UFPE, 2010. p. 1-8.

SOUZA, B. I.; SUERTEGARAY, D. M. A.; LIMA, E. R. V. Desertificação e seus efeitos na vegetação e solos do Cariri Paraibano. Mercator - Revista de Geografia da UFC, v. 08, n. 16, 217-232, 2009.

SILVA, E. G. B. Degradação das terras secas nos sertões de Santa Quitéria e Independência – Ceará: contribuições ao monitoramento ambiental. 2018. 182f. Tese (Doutorado em Geografia) – Centro de Ciências, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.

UFAL. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS, 2019. Lapis utiliza metodologia inédita para monitorar processo de desertificação no Brasil. Disponível em: https://ufal.br/ufal/noticias/2019/7/lapis-utiliza-metodologia-inedita-para-monitorar-processo-de-desertificacao-no-brasil. Acesso em: 04 de fev. 2020.

TAVARES, K. A. S.; ALMEIDA, A. J. P.; FERREIRA NETO, J. V. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando técnicas de geoprocessamento: o caso da bacia hidrográfica do Pratagy, Alagoas. In: 4° GeoAlagoas – Simpósio sobre as geotecnologias e geoinformação no estado de Alagoas, 2016, Alagoas. Anais... Alagoas, 2016, p. 1-14.

TAVARES, V. C.; ARRUDA, I. R. P. de; SILVA, D. G. Desertificação, mudanças climáticas e secas no semiárido brasileiro: uma revisão bibliográfica. Revista Geosul, v.34, n.70, p 385-405, 2019.

TEIXEIRA, C. M. B. Comportamento e integração de indicadores espectrais da desertificação. 2018. 152f. Dissertação (Mestrado em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação) – Centro de Tecnologia e Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2018.

WANG, X.; CHEN, F.; DONG, Z. The relative role of climatic and human factors in desertification in semiarid China. Global environmental change, v.16, n.1, p.48-57, 2006.

Downloads

Publicado

2020-12-16

Edição

Seção

ARTIGOS