A UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E GESTÃO NO SETOR PÚBLICO: UM ESTUDO DE CASO NO MINISTÉRIO PÚBLICO DE PERNAMBUCO

Mário de Carvalho Filho, Tânia Nobre Gonçalves Ferreira Amorim

Resumo


A Reforma Administrativa no final dos anos 90 levou a Administração Pública a se preocupar mais intensamente com a utilização de ferramentas de controle e gestão, bem mais comuns no setor privado. Dentre estas, uma das mais indicadas para auxiliar na gestão estratégica das organizações públicas é o Balanced Scorecard (BSC). Desta forma, o objetivo deste artigo é analisar os indicadores de desempenho e suas influências sobre a gestão estratégica do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) nos anos de 2013, 2014 e 2015. Foram utilizadas entrevista e pesquisa documental para a realização do estudo de caso no MPPE e foi identificado que a estratégia provisoriamente adotada para a utilização do BSC interferiu na análise acerca dos indicadores de desempenho e suas influências sobre a gestão estratégica da Instituição. Alguns indicadores ainda não estão sendo analisados pelo MPPE o que pode comprometer a análise e efetivo uso do BSC.


Palavras-chave


Balanced Scorecard; Controle e Gestão no setor Público; Ministério Público de Pernambuco

Texto completo:

PDF

Referências


Barcellos, P. F. P. (2003). Estratégia empresarial. In: Schmidt, P. (Org.). Controladoria: agregando valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman.

Beber, S. J. N., Ribeiro, J. L. D., & Kliemann Neto, F. J. K. (2006). Análise das causas do fracasso em implantação de BSC. Revista Produção On Line, Santa Catarina, 6 (2).

Beuren, I. M. (2003). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Bresser-Pereira, L. C. (1998). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público- RSP, 49 (1), 5-42.

Carpes, A. M. da S., & Pertuzatti, E.; Merlo, R. A. (2007). As melhores práticas de controladoria: o balanced scorecard como ferramenta de gestão. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 6 (18), 9-24.

Diniz, J. L. P., Godoy, L.P.; & Stefano, N. M. (2012). O uso da ferramenta Balanced Scorecard com ênfase na satisfação dos clientes em cooperativa de pequeno porte. Gestão.org, 10 (3), 653-684.

Erig, R., Antunes Júnior, J. A. V., & Raimundini, S. L. (2009). Balanced Scorecard na Administração Pública Municipal: um estudo de caso na Prefeitura Municipal de Porto Alegre. APGS, 1 (2), 151-174.

Felix, R., Felix, P. do P., & Timóteo, R. (2011). Balanced Scorecard: adequação para a gestão estratégica nas organizações públicas. Revista do Serviço Público, 62 (1), 51-74.

Fraga, R. V., & Silva, C. E. (2010). Balanced Scorecard: planejamento estratégico no contexto das organizações do terceiro setor. Revista Brasileira de Administração Científica, 1 (1), 5-31.

Galas, E. S., & Forte, S. H. A. C. (2005). Fatores que interferem na implantação de um modelo de gestão estratégica baseado no balanced scorecard: estudo de caso em uma instituição pública. Revista de Administração Mackenzie, 6 (2), 87-111.

Gehlman, S., & Costa, S. R. R. da. (2006, novembro). Adaptando o BSC para o setor público utilizando os conceitos de efetividade, eficácia e eficiência. Anais do Simpósio de Engenharia da Produção, Bauru, SP, Brasil, 12.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Kaplan, R.S., & Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação. Balanced Scorecard. Rio de Janeiro: Campus.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes.

Marengo, S. T., & Diehl, C. A. (2011). A divulgação de indicadores não financeiros em sites municipais gaúchos. Gestão & Regionalidade, 27 (81), 46-58.

Marini, C. (2002). O contexto contemporâneo da administração pública na América Latina. Revista do Serviço Público, 53 (4), 31-52.

Martins, G. de A., & Lintz, A. (2000). Guia para elaboração de monografia e trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Atlas.

Monteiro, P. R. A., Castro, A. R., & Prochnik, V. (2003, novembro). A mensuração de desempenho ambiental no Balanced Scorecard e o caso da Shell. Anais do Encontro Nacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, SP, Brasil, 7.

Silva Neto, J. M. da, Melo, R. P. de, & Pereira, S. A. (2006, setembro). Resultados Notáveis na Administração Pública: Avaliação de Programas Utilizando Mapas Estratégicos e o Balanced Sorecard. Anais do Encontro da ANPAD- EnAnpad, Salvador, BA, Brasil, 30.

Peci, A., Pieranti, O. P., & Rodrigues, S. (2008). Governança e New Public Management: convergências e contradições no contexto brasileiro. Revista O&S, 15 (46), 39-55.

Pernambuco. Ministério Público do Estado. (2014). Manual de gestão estratégica 2013/2016: Ministério Público de Estado de Pernambuco; GDconsult. – Recife: Procuradoria Geral de Justiça.

Rosa, M. M., Petri, S. M., Petri, L. R. F., & Casagrande, M. D. H. (2014). O Balanced Scorecard como ferramenta de gestão estratégica e orçamentária da Fundação Cultural de Florianópolis. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 2 (1), 39-58.

Silva, A. C. R. de. (2003). Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientações de estudos, projetos, relatórios, monografias, dissertações, teses. São Paulo: Atlas.

Silva, E. L. da, & Menezes, E. M. (2001). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC.

Vargas, S. B. de, Diehl, C. A., Ayres, P. R. R., & Monteiro, A. F. (2015, julho). Indicadores não-financeiros de avaliação de desempenho: análise de conteúdo em relatórios de administração de empresas de telecomunicações. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 15.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Management Control Review

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.