UTILIZAÇÃO E IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA À PLANILHA DE CUSTOS POR 207 EMPRESAS DA MICRORREGIÃO DA AMUREL

Rodney Wernke, Ivone Junges

Resumo


O artigo relata os principais aspectos de pesquisa que pretendeu responder questão ligada aos níveis de uso e importância atribuídos às planilhas de custos e algumas das informações oriundas pelos gestores de empresas estabelecidas na microrregião da Amurel (sul de S. Catarina). Para tanto, foi empregada metodologia descritiva, com abordagem quantitativa e coleta de dados por intermédio de sondagem (survey). Após revisão da literatura que priorizou pesquisas recentes com enfoque assemelhado, foram apresentadas as principais características das 207 empresas participantes do estudo. Em seguida, foram evidenciados e comentados os dados coligidos sobre a frequência de uso e a importância atribuída à planilha de custos, bem como acerca da relevância imputada a um conjunto de informações que podem ser extraídas desse tipo de instrumento gerencial, segregando-se as respostas em dois grupos (indústrias e comércio/serviços). Entre outros resultados, constatou-se que cerca de 26% não utilizavam planilhas de custos, mas somente 7% afirmaram ser irrelevante essa ferramenta; a informação mais valorizada foi a lucratividade de produtos, seguida do custo de aquisição e do custo de fabricação ou prestação do serviço. Ainda, concluiu-se que há divergências nos cenários identificados a partir das respostas de empresas fabris e das não-fabris, onde as informações de custos foram mais valorizadas pelas indústrias. Ainda, foram citadas limitações do estudo e feitas recomendações para trabalhos futuros.


Palavras-chave


Planilha de custos; Utilização e importância; Amurel.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, M. M. de. (2002). Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Audretsch, D. B., & Beckmann, I. A. M. (2007). From small business to entrepreneurship policy. Handbook of Research on Entrepreneurship Policy, 36-53.

Azoulay, P., & Shane, S. (2001). Entrepreneurs, contracts, and the failure of young firms. Management Science, 47 (3), 337-358.

Bacic, M. J. (2008). Gestão de custos: uma abordagem sob o enfoque do processo competitivo e da estratégia. Curitiba: Juruá.

Braga, D. P. G., & Braga, A. X. V.; Souza, M. A. (2010). Gestão de custos, preços e resultados: um estudo em indústrias conserveiras do Rio Grande do Sul. Contabilidade, Gestão e Governança, 13 (2), 20-35.

Callado, A. A. C., & Pinho, M. A. B. de. (2014). Evidências de isomorfismo mimético sobre práticas de gestão de custos entre micro e pequenas empresas de diferentes setores de atividade. Revista Contabilidade Vista & Revista, 25 (2), 119-137.

Campos, B. R., & Gáudio, A. E. de G. M. (2014). A utilização de ferramentas de controle gerencial em micro e pequenas empresas da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Revista da Micro e Pequena Empresa, 8 (3), p. 66 - 78.

Carvalho, J. R. M., & LIMA, M. D. (2011) Práticas gerenciais em MPEs do comércio de confecções da cidade de Sousa/PB. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPEC), 5 (3), 39-65.

Cleverly, W. O. (2002). Who is responsible for business failures? Healthcare Financial Management Review. 56 (10), 45-51.

Fontoura, F. B. B. da. (2013). Gestão de custos: uma visão integradora e prática dos métodos de custeio. São Paulo: Altas.

Garcia, O. P. G., Kinzler, L., & Rojo, C. A. (2014). Análise dos sistemas de controle interno em empresas de pequeno porte. Interface - Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 11(2), 133-153.

Jesus, E. R., Cittadin, A., Guimarães, M. L. F., Guimarães filho, L. P., Giassi, D., & Menegali, M. V. (2015). As características da gestão de custos nas organizações do extremo sul catarinense. Anais do Congresso Brasileiro de Custos – CBC, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 22.

Lohr, M. (2012). Specificities of managerial accounting at SMEs: case studies from the German industrial sector. Journal of Small Business & Entrepreneurship, 25 (1), 35-55.

Liu, J. (2009). Business failures and macroeconomic factors in the UK. Bulletin of Economic Research, 61 (1), 47-72.

Mahamid, I. (2012). Factors affecting contractor’s business failure: contractors’ perspective. Engineering, Construction and Architectural Management, 19 (3), 269-285.

Mowery, D. (2005). The bayh-dole act and high-technology entrepreneurship in U.S. universities: chicken, egg, or something else? University Entrepreneurshipand Technology Transfer. Elsevier: Amsterdam.

Nascimento, M., Lima, C. R. M. de, Lima, M. A. de, & Ensslin, E. R. (2013). Fatores determinantes da mortalidade de micros e pequenas empresas da região metropolitana de Florianópolis sob a ótica do contador. Revista Eletrônica Estratégia e Negócios, 6 (2), 244-283.

Perera, S., & Baker, P. (2007). Performance measurement practices in small and medium size manufacturing enterprises in Australia. Small Enterprise Research, 15 (2), 10-30.

Rauen, F. (2015). Roteiros de iniciação científica: os primeiros passos da pesquisa científica desde a concepção até a produção e a apresentação. Palhoça: Editora UNISUL.

Raupp, F. M., Martins, S. J., & Beuren, I. M. (2006). Utilização de controles de gestão nas maiores indústrias catarinenses. Revista Contabilidade & Finanças – USP. São Paulo, 17 (40), 120-132.

Richardson, R. J. et al. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Ruengdet, K., & Wongsurawat, W.(2010). Characteristics of successful small and micro community enterprises in rural Thailand. Journal of Agricultural Education and Extension, 16 (4), 385-397.

Sales, R. L., Barros, A. A., & Araújo, C. M. M. F. (2011). Fatores condicionantes da mortalidade dos pequenos negócios em um típico município interiorano brasileiro. Revista da Micro e Pequena Empresa, 2 (2), 38-55.

Santini, S., Favarin, E. de V., Nogueira, M. A., Oliveira, M. L. de., & Ruppenthal, J. E. (2015). Fatores de mortalidade em micro e pequenas empresas: um estudo na região central do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, Florianópolis, 8 (1), 145-169.

Santos, G. P., Alves, D. F., & Barreto, M. O. R. (2012). A utilização da contabilidade de custos como ferramenta para o fortalecimento de uma microempresa do segmento de confecção em Fortaleza. Revista Razão Contábil & Finanças, 3 (1), 1-12.

Santos, V., Dorow, D. R., & Beuren, I. M. (2016). Práticas gerenciais de micro e pequenas empresas. Revista Ambiente Contábil, 8 (1), 153–186.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas– SEBRAE. (2013). Santa Catarina em números: macrorregião sul. Disponível em: . Acesso: 25 de fevereiro de 2016.

Silva Filho, L. L., Lagioia, U. C. T., Araújo, J. G. N. de, Araújo, J. G., & Carlos Filho, F. de A. (2015). Gestão de custos e formação de preço de venda, gestão de caixa e gestão de riscos: um estudo exploratório no arranjo produtivo local gesseiro do estado de Pernambuco. ABCustos, 10 (3), 107-142.

Souza, M. A. de, & Diehl, C. A. (2009). Gestão de custos: uma abordagem integrada entre contabilidade, engenharia e administração. São Paulo: Atlas.

Svarová, M., & Vrchota, J. (2013). Strategic management in micro, small and medium-sized businesses in relation to financial success of the enterprise. Acta Universitatis Agriculturae et Silviculturae Mendelianae Brunensis, 61 (7), 2859-2866.

Van Stel, A. J., Carre, M. C., & Thurik, R. A. (2005). The effect of entrepreneurial activity on national economic growth. Small Business Economics, 24 (3), 311-321.

Wernke, R. (2014). Custos logísticos: ênfase na gestão financeira de distribuidora de mercadorias e transportadoras rodoviárias de cargas. Maringá: Editora MAG.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Management Control Review

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.