ASSOCIAÇÕES ENTRE O PERFIL DOS REPRESENTANTES DE ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS (ONGS) BRASILEIRAS E O CONTROLE GERENCIAL

Alan Santos de Oliveira

Resumo


O objetivo geral da pesquisa foi analisar as associações entre o perfil dos representantes das Organizações Não Governamentais (ONGs) brasileiras com os procedimentos referentes aos controles gerenciais. Para tanto, o estudo foi classificado como descritivo; bibliográfico; quantitativo e de campo. Para coleta de dados, utilizou-se uma survey por correspondência, baseando-se nas pesquisas de Ferreira e Otley (2009) e Wadongo (2014), com 43 organizações listadas na Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (ABONG). Como técnica de análise de resultados, utilizou-se o coeficiente de correlação de Spearman. Os principais resultados, evidenciaram que o perfil dos representantes das ONGs, sejam eles gestores ou presidentes, foi representado em sua maioria por mulheres. Identificou-se que a maioria possuem idade superior a 55 anos. Quanto à escolaridade, a maioria possuem ensino superior completo. Além de exercerem, na maior proporção, a função de gestor. Por fim, quanto ao tempo de atuação, grande parte dos representantes possuíam mais de 5 anos de atividades nas ONGs. Quanto aos resultados das associações testadas, as evidências indicaram a influência particular que o perfil dos gestores e presidentes das ONGs pode exercer na utilização de sistemas de controles gerenciais. De modo específico, foi verificado que apenas a variável nível de escolaridade dos representantes das ONGs apresentou uma relação inversamente proporcional com a maioria dos Sistemas de Controles Gerenciais utilizados nas organizações. Assim, esse estudo pode contribuir para o mercado empresarial das ONGs, pois quando se caracteriza o perfil dos gestores e presidentes das organizações, são apresentados subsídios para compreender a realidade dessas organizações no contexto atual e específico. Além disso, pode constatar uma série de associações estatisticamente significativas que podem contribuir para o entendimento da possível influência específica do perfil dos profissionais que atuam no Terceiro Setor com as práticas gerenciais de controle.


Palavras-chave


Perfil dos representantes; Controle Gerencial; ONGs.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Organizações não Governamentais (2016). Recuperado em 31, maio, 2016 de http://www.abong.org.br/

Ahmed, Z. A. (2014). Management control issues in Non-Governmental Organisations (NGOs): an evaluation of contingency factors and potential for future research. Int. J. Managerial and Financial Accounting, 6(3), 251-271.

Anthony, R. N., & Govindarajan, V. (2008). Sistemas de controle gerencial. São Paulo: McGraw Hill.

Atkinson, A. A., Kaplan, R. S., Matsumura, E. M., & Young, S. M. (2015). Contabilidade Gerencial: informação para tomada de decisão e execução da estratégia. (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Ayene, M,; Kumar, R., & Asefa, W. F. (2014). Assessment of Financial Management Practices in Local NGOs-A Case of Local NGOs in Addis Ababa. IFSMRC AIJRM, 2(3), 1-31.

Brasil. (2014). Lei Federal nº 13.019/2014. Estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público.

Cabral, E. H. S. (2015). Terceiro Setor: gestão e controle social. (2a ed.). São Paulo: Saraiva.

Chenhall, R. H. (2005). Integrative strategic performance measurement systems, strategic alignment of manufacturing, learning and strategic outcomes: an exploratory study. Accounting, Organizations and Society, 30(5), 395-422.

Chenhall, R. H., & Landfield-Smith, K. (1998). The relationship between strategic priorities, management techniques and management accounting: an empirical investigation using a systems approach. Accounting, Organizations and Society, 23(3), 243-264.

Espejo, M. M. S. B. (2008). Perfil dos atributos do sistema orçamentário sob a perspectiva contingencial: uma abordagem multivariada. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Ferreira, A., & Otley, D. (2009). The design and use of performance management systems: An extended framework for analysis, Management Accounting Research, 20(4), 263- 282.

Falconer, A. P. (1999). A Promessa do Terceiro Setor: um Estudo sobre a Construção do Papel das Organizações sem fins lucrativos e do seu Campo de Gestão. São Paulo: Centro de Estudos em Administração do Terceiro Setor.

Fowler, A. (1996). Demonstrating NGO performance: problems and possibilities. Development in Practice, 6(1), 58-65.

Frezatti, F. (2013). Orçamento empresarial: planejamento e controle gerencial. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Ittner, C. D., & Larcker, D. F. (2001). Assessing empirical research in managerial accounting: a value-based management perspective. Journal of Accounting and Economics, 32(1-3), 349-410.

Junqueira, E. R. (2010). Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Leite, E. G., Diehl, C. A., & Manvailer, R. H. M. (2015). Práticas de controladoria, desempenho e fatores contingenciais: um estudo em empresas atuantes no Brasil. Revista Universo Contábil, 11(2), 85-107.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. (2a ed.). São Paulo: Atlas, 2009.

Montaño, C. (2002). Terceiro Setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez Editora.

Moxham, C. (2014). Understanding third sector performance measurement system design: a literature review. International Journal of Productivity and Performance Management, 63(6), 704-726.

Mukasa, S. (2002).Are expatriate staff necessary in international development NGOs? A case study of an international NGO in Uganda. Centre for Civil Society at London School of Economics.

Oliveira, E. A., & Sousa, E. G. (2014). O Terceiro Setor no Brasil: avanços, retrocessos e desafios para as Organizações Sociais. In: Anais VIII Encontro Nacional de Pesquisadores em Gestão Social (ENAPEGS).

Otley, D. T. (1994). Management competitive advantage: combining institucional and resource-based views. Management Accounting Research, 5, 289-299.

Ramadan, M. A., & Borgonovi, E. (2015). Performance Measurement and Management in NonGovernmental Organizations. IOSR Journal of Business and Management, 17(2), 70-765.

Ramadan, M. A., & Pilo, M. C. (2014). Investigating the Impact of Strategic Planning on Access to Funding Performance in Non-Governmental Organizations. The International Journal of Business & Management, 2(11), 28-33.

Rampaso, R. F. (2010). Entenda o Terceiro Setor: teoria e prática. São Paulo: Novo Século.

Roche, C. (2002). Avaliação de impacto dos trabalhos de ONGs: aprendendo a valorizar as

mudanças. [edição adaptada para o Brasil ABONG; tradução: Tisel Tradução e Interpretação Simultânea Escrita]. (2a ed.). São Paulo: Cortez: ABONG; Oxford, Inglaterra: Oxfam.

Salamon, L. M., & Anheier, H. K. (1992). In search of the non-profit sector. I: the question of definitions. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 3(2), 125-151.

Sharma, P. (2012). Performance Measurement in NGOs. The Management Accountant.

Silva, C. E. G. (2010). Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica. Revista de Administração Pública (RAP), 44(6), 1301-25.

Souza, F. A., & Souza, B. C.(2011). Análise de Desempenho em ONGs: propondo um modelo adaptado. RESAC – Revista Sociedade, Administração e Contemporaneidade, 1(1), 21-32.

Tachizawa, T. (2012). Organizações não governamentais e terceiro setor: criação de ONGs e estratégias de atuação. (5a ed). São Paulo: Atlas.

Wadongo, B. I. (2014). Performance management and evaluation in non-profit organisations: an embedded mixed methods approach. Thesis of Doctor of Philosophy in Management Accounting, University of Bedfordshire, UK.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Management Control Review

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.