AVALIAÇÃO DE PRÁTICAS GESTORAS PARA GARANTIA DE CONTINUIDADE EM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL: UM ESTUDO DE CASO NO INSTITUTO DOS CEGOS DE CAMPINA GRANDE – PB

Daniel Ferreira de Queiroz, Lúcia Silva Albuquerque de Melo, Vânia Vilma Nunes Teixeira, Janayna Rodrigues de Morais Luz

Resumo


Para assegurar sua sustentabilidade organizacional, as Organizações da Sociedade Civil (OSC) necessitam desenvolver estratégias mobilizadoras visando diversificar suas fontes de recursos. Este estudo de caso, portanto, tem como objetivo avaliar as práticas de gestão adotadas pelo Instituto dos Cegos de Campina Grande - PB, tendo em vista a mobilização de recursos e garantia de sustentabilidade, considerando suas potencialidades e desafios. A metodologia utilizada classifica-se como bibliográfica, exploratória, descritiva e de natureza qualitativa. Como instrumento de coleta de dados utilizou-se, além de análise documental, entrevista semiestruturada. Os principais resultados revelaram por parte da instituição pesquisada uma estrutura administrativo organizacional eficiente, uma vez que corresponde aos modelos apresentados pelo Código Civil Brasileiro. Com relação a capacitação dos funcionários, bem como ao planejamento, monitoramento e avaliação de suas atividades, verificou-se a necessidade de fortalecimento de tais práticas, posto sua realização de forma escassa. Quanto à mobilização de recursos financeiros, evidenciou-se a necessidade de expandir suas fontes arrecadadoras, incentivando a instituição à utilização de estratégias de marketing e ampliação de exposição midiática, visando maior aproximação da sociedade civil e, com isso, sensibilização para possíveis colaborações. Sobre a prestação de contas, constatou-se a não utilização de demonstrativos contábeis, no entanto, a entidade revelou-se transparente, uma vez que exerce tais prestações por meio de formulários próprios, ou relatórios específicos solicitados por órgãos parceiros. Por fim, sugere-se que futuras investigações relacionadas à temática sejam desenvolvidas, visando a ampliação da amostra e, consequentemente, a obtenção de maior volume de dados a serem analisados e comparados com esta pesquisa.

Palavras-chave


Terceiro setor; Práticas gestoras; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, A. C. C. de. (2006). Terceiro Setor: história e gestão das organizações. São Paulo: Summus.

Armani, D. (2004). Sustentabilidade: Desafio Democrático. In: Brasil et al. Sustentabilidade: AIDS e sociedade civil em debate. Brasília: Ministério da Saúde.

Bezerra, J. M. da C., & Araújo, M. A. D. de. (2004). Planejamento estratégico em ONGs e sustentabilidade econômico-financeira: o caso da Casa de Passagem. RAP: Revista de Administração Pública, 38 (5), 799-816.

Brasil. Lei n° 13.204, de 14 de dezembro de 2015, altera a Lei no 13.019, de 31 de julho de 2014, que estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a administração pública e as organizações da sociedade civil. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13204.htm >. Acesso em 01 mai.2016.

Brasil. (2008). Código civil brasileiro e legislação correlata (2a ed.). Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas.

Carneiro, A. de F., Oliveira, D. de L., & Torres, L. C. (2011). Accountability e a prestação de contas das organizações do terceiro setor: uma abordagem à relevância da contabilidade. Sociedade, contabilidade e gestão, 6 (2), 90-105.

Coelho, S. de C. T. (2002). Terceiro setor: um estudo comparado entre Brasil e Estados Unidos (2a ed.). São Paulo: SENAC.

Cruz, C. M., & Estraviz, M. (2002) Captação de Diferentes Recursos para Organizações Sem Fins Lucrativos. São Paulo: Global Editora, 2000.

Falconer, A. P. (1999) A promessa do Terceiro Setor: Um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e do seu campo de gestão. Centro de Estudos em Administração do Terceiro Setor. Universidade de São Paulo: São Paulo. Disponível em: . Acesso em 03 abr.2016.

Farias, A. Q. de. (2015). Funcionamento do Instituto dos Cegos de Campina Grande. Entrevistador: Daniel Ferreira de Queiroz. Campina Grande. Entrevista concedida para elaboração de trabalho de conclusão de curso do entrevistador.

Fernandes, R. O que muda com o Marco Regulatório do Terceiro Setor? 14 ago. 2014. Disponível em: . Acesso em 06 de junho de 2015.

França, R. D. de. (2007). Sistemas de controle no terceiro setor: Um estudo exploratório das Igrejas Batistas da Grande João Pessoa – PB. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE. (2012). As Fundações Privadas e Associações Sem fins Lucrativos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: . Acesso em: 22 mar.2016.

IEACN. (2011). Estatuto Social do Instituto de Educação e Assistência aos Cegos do Nordeste.

Junqueira, L. A. P. (2004). A Gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saúde e Sociedade, 13 (1), 25-36.

Khieng, S. (2014). Funding Mobilization Strategies of Nongovernmental Organizations in Cambodia. Voluntas: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 25 (6), 1441-1464.

Lopes, L. da C., Andrade, C. S., & Meira, J. M. M. (2012). Um estudo multicaso sobre a gestão de recursos financeiros em Organizações do Terceiro Setor. Revista de Contabilidade e Controladoria, 4 (3), 24-36.

Nakagawa, M. (2007). Introdução à Controladoria: conceitos, sistemas, implementação. São Paulo: Atlas.

Olak, P. A., & Nascimento, D. T. (2010). Contabilidade para entidades sem fins lucrativos (terceiro setor): inclui capítulos sobre contabilidade por fundos (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Oliveira, P. R. P. de. (2012). Organizações do Terceiro Setor e Captação de recursos: Um estudo em ONGs de defesa de direitos diante dos novos modelos de cooperação. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade da Amazônia, Belém, Brasil.

Pereira, M. de L., Albuquerque, L. S., Oliveira, K. P. S. de, & Batista, F. F. (2015). Características de Mobilização de Recursos: um estudo nas organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIP) do Brasil. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 5 (3), 112-131.

Portulhak, H., Delay, A. J., & Pacheco, V. (2015). Prestação de Contas por Entidades do Terceiro Setor e seus Impactos na Obtenção de Recursos: um Olhar Sobre o Comportamento dos Doadores Individuais. Pensar Contábil, 14 (55), 56-64.

Rengel, S., Cunha, P. R. da, & Klann, R. C. (2012). Importância do balanço social para as entidades do terceiro setor sob a ótica dos gestores das APAES da região do Alto Vale do Itajaí/SC. Pensar Contábil, 14 (53), 5-15.

Ruwer, L. M. E., & Canoas, J. W. (2009). Gestão de pessoas em Organizações do Terceiro Setor: Especificidades dos Recursos humanos, perspectivas e desafios – Notas introdutórias. Serviço Social & Realidade, 18 (2), 107-132.

Santos, I. de S. P. dos, Félix, R. G. de A., & Carvalho, T. D. L. (2008). Gestão para a sustentabilidade do Terceiro Setor: um estudo de caso comparativo entre duas organizações do Terceiro Setor da cidade de Itabirito-MG. Projeto Empresarial (Graduação em Administração). Faculdade de Administração de Itabirito – FAI, Itabirito, Brasil.

Santos, T. da C. e S. S. (2005). As Diferentes Dimensões da Sustentabilidade em uma Organização da Sociedade Civil Brasileira: o caso do Gapa-Bahia. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Silva, C. E. G. (2010, setembro). Terceiro Setor Brasileiro: Em busca de um quadro de referência. In: Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Silva, F. M. da. (2008). Terceiro Setor e o desafio da sustentabilidade: aspectos políticos, técnicos, econômicos e sociais. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Slomski, V., Rezende, A. J., & Cruz, C. V. O. A. (2012). Contabilidade do Terceiro Setor: uma abordagem operacional: aplicável às associações, fundações, partidos políticos e organizações religiosas. São Paulo: Atlas.

Soldi, A. R., Hatz, C. R., Santos, G. R. dos, & Silva, M. M. da. Transparência no Terceiro Setor: um estudo sobre as organizações filantrópicas. Disponível em: . Acesso em 06 jun. 2015.

Toster, F. P., & Vasarhelyi, M. A. (2005). A divulgação de informações contábeis e financeiras no mundo virtual. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 10 (2), 51-64.

Vieira, O. V., & Lopes, J. R. de L. (2013). Síntese. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil: cenário atual e estratégias de avanço. Disponível em: < http://biblioteca.participa.br/jspui/bitstream/11451/1000/1/marco_regulatorio_das_oscs.pdf> Acesso em: 21 nov.2015.

Voese, S. B., & Reptczuk, R. M. (2011). Características e Peculiaridades das Entidades do Terceiro Setor. ConTexto, 11 (19), 31-42.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Management Control Review

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.