O BALANCED SCORECARD E OS KEY PERFORMANCE INDICATORS: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE TRANSPORTES PÚBLICOS

Patrícia Rodrigues Quesado, Cátia Sofia Oliveira da Costa

Resumo


O presente artigo visa propor uma reestruturação ao Balanced Scorecard (BSC) e selecionar Key Performance Indicators (KPIs) numa organização de Transportes Públicos. Para o efeito utilizamos a metodologia do estudo de caso e recolhemos informação através de entrevistas, da observação direta e da análise documental. Concluímos que a proposta de reestruturação do mapa estratégico mostrou-se adequada à missão e aos objetivos estratégicos da empresa e que os KPIs selecionados reverteram para uma rápida compreensão dos resultados estratégicos da mesma. Estes revelaram-se importantes na análise estratégica, bem como no alinhamento dos colaboradores com a missão da organização.


Palavras-chave


Balanced Scorecard; Key Performance Indicators; Controlo de Gestão; Setor Público; Transportes Públicos.

Texto completo:

PDF

Referências


Abbas, K. (2016, december). Developing optimum KPI system for public transport organisations. 8th International İstanbul Transport Congress Transit 2015, 18th december, Egypt.

Andrade, C. (2009). Avaliação do desempenho de Sistemas Metroferroviários sob a ótica da qualidade dos serviços prestados aos usuários: aplicação no Metrô do Rio de Janeiro. (Dissertação de Mestrado em Engenharia de Transportes). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

Andrade, E., Sartori, I., & Embiruçu, M. (2015). Avaliação de desempenho por indicadores-chave de desempenho, benchmarking e scorecard. Cadernos de Prospecção, 8(3), 502-515.

Areal, M. (2010). Arquitetura da empresa: Balanced Scorecard e o controlo gestional aplicado à Construçao Civil. Uma reflexão sobre esta ferramenta. (Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil). Universidade do Porto, Porto.

Asociación Española de Contabilidad y Administración de Empresas (AECA). (2001). Nuevas herramientas de gestion pública: el cuadro de mando integral. Madrid: AECA.

Baxter, P., & Jack, S. (2008). Qualitative Case Study Methodology: Study Design and Implementation for Novice Researchers. The Qualitative Report, 13(4), 544-559.

Beirão, G., & Cabral, J. (2007). Understanding attitudes towards public transport and private car: A qualitative study. Transport Policy, 14(6), 478-489.

Borges, V., Gomes, P., & Fernandes, M. (2015, dezembro). O Balanced Scorecard no setor público: perspetiva do consultor de gestão. Congresso dos TOC 20 anos, 17-18 dezembro, Lisboa.

Buzási, A., & Csete, M. (2016). Modified Scorecard Method for Evaluating Climate Aspects of Urban Transport Systems. Periodica Polytechnica Social and Management Sciences, 24(1), 65-73.

Carapeto, C., & Fonseca, F. (2014). Administração Pública - Modernização, Qualidade e Inovação (3a Edição). Lisboa: Edições Sílabo.

Carvalho, L. (2009). Conversão do Balanced Scorecard numa ferramenta de controlo de gestão para empresas de TP de passageiros: o caso de estudo da STCP. (Dissertação de Mestrado em Engenharia de Serviços e Gestão). Universidade do Porto, Porto.

Corso, J., Petraski, S., Wesley S., & Taffarel, M. (2014). Gestão estratégica de recursos humanos: identificando o processo de alinhamento estratégico. Tourism & Management Studies, 10(Special), 49-57.

Dhingra, C. (2011). Measuring Public Transport Performance: Lessons for developing countries. Sustainable Urban Transport Technical Document, 9.

Diniz, F., & Pires, A. (2015). Gestão estratégica e controle de gestão no caminho-de-ferro regional: Proposta de Balanced Scorecard para a linha do TUA. Latin American Journal of Business Management, 6(2), 3-25.

Dresch, A., Lacerda, D., & Miguel, P. (2015). Uma Análise Distintiva entre o Estudo de Caso, A Pesquisa-Ação e a Design Science Research. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(56), 1116-1133.

Efthymiou, D., & Antoniou, C. (2016). Understanding the effects of economic crisis on public transport users’ satisfaction and demand. Transport Policy, 53, 89-97.

Ferreira, D., Caldeira, C., Asseiceiro, J., Vieira, J., & Vicente, C. (2014). Contabilidade de Gestão. Lisboa: Rei dos Livros.

Fontenete, C. (2011). O Balanced Scorecard e a sua aplicação a empresas revendedoras de combustível. (Dissertação de Mestrado em Gestão das Organizações). Instituto Politécnico de Bragança, Bragança.

Galas, E., & Ponte, V. (2005). O balanced scorecard e o alinhamento organizacional: um estudo de casos múltiplos. Administração e Contabilidade, 2(3), 176-188.

Gerring, J. (2004). What is a Case Study and what is it good for? The American Political Science Review, 98(2), 341-354.

Ghoneim, N., & Baradei, L. (2013). The Impact of Strategic Planning on Egyptian Non-profits’ Performance: An Assessment Using the Balanced Scorecard. Journal of US-China Public Administration, 10(1), 57-76.

Giff, G., & Crompvoets, J. (2008). Performance Indicators a tool to Support Spatial Data Infrastructure assessment. Computers, Environment and Urban Systems, 32(5), 365-376.

Gomes, A., Carvalho, J., Ribeiro, N., & Nogueira, S. (2007). O Balanced Scorecard Aplicado à Administração Pública. Lisboa: Publisher Team.

Harden, J., & Upton, D. (2016). An Introduction to the use of the Balanced Scorecard for performance evaluation by financial professionals. Journal of financial service professionals, 70(2), 81-88.

Hoque, Z. (2014). 20 years of studies on the balanced scorecard: Trends, accomplishments, gaps and opportunities for future research. British Accounting Review, 46(1), 33-59.

Kaplan, R. (2010). Conceptual Foundations of the Balanced Scorecard. Handbooks of Management Accounting Research, 3, 1253-1269.

Kaplan, R., & Norton, D. (1992). The Balanced Scorecard- Measures That Drive Performance. Harvard Business Review, 70(1), 71-79.

Kaplan, R., & Norton, D. (1993). Putting the Balanced Scorecard to Work. Harvard Business Review, 71(5), 134-147.

Kaplan, R., & Norton, D. (1996a). Using the Balanced Scorecard as a Strategic Management System. Harvard Business Review, 74(1), 75-85.

Kaplan, R., & Norton, D. (1996b). The Balanced Scorecard: Translating Strategy into Action. Boston: Harvard Business School Press.

Kaplan, R., & Norton, D. (2006). Alignment: Using the Balanced Scorecard to Create Corporate Synergies. Boston: Harvard Business School Press.

Kaplan, R., & Norton, D. (2008). Mastering the Management System. Harvard Business Review, 86(1), 62-77.

Kaplan, R., Norton, D., & Rugelsjoen, B. (2010). Managing Alliances with the Balanced Scorecard. Harvard Business Review, 88(1), 114-120.

Kloot, L., & Martin, J. (2000). Strategic performance management: A balanced approach to performance management issues in local government. Management Accounting Research, 11(2), 231-251.

Lima, A., Cavalcanti, A., & Ponte, V. (2004). Da onda da gestão da qualidade a uma filosofia da qualidade da gestão: Balanced Scorecard promovendo mudanças. Revista Contabilidade & Finanças, 15, 79-94.

Madsen, D., & Stenheim, T. (2014). Perceived problems associated with the implementation of the balanced scorecard: evidence from Scandinavia. Problems and Perspectives in Management, 12(1), 121-131.

Mendes, J. (2013). Balanced scorecard e painel de indicadores: implementação numa entidade pública do sector dos transportes. (Relatório de Estágio Curricular no Mestrado em Gestão). Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

Nesheli, M., Ceder, A., & Estines, S. (2016). Public transport user’s perception and decision assessment using tactic-based guidelines. Transport Policy, 49, 125-136.

Niven, P. (2003). Balanced Scorecard: Step-by-Step for Government and Nonprofit Agencies. New Jersey: John Wiley & Sons.

Paludo, I. (2004). Avaliação do Balanced Scorecard (BSC) para monitorizar o desempenho de operadoras de ônibus urbano: O caso Citral. (Dissertação de Mestrado em Engenharia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Parmenter, D. (2015). Key Performance Indicators (KPI): Developing, Implementing, and Using Winning KPIs. New Jersey: John Wiley & Sons.

Pedro, J. (2004). O balanced scorecard (BSC) no sector público. Informação e Informática, 28, 14-23.

Philips, J. (2004). An application of the balanced scorecard to public transit system performance assessment. Transportation Journal, Winter, 26-55.

Pinto, F. (2009). Balanced Scorecard Alinhar – Mudança, Estratégia e Performance nos Serviços Públicos (1a Edição). Lisboa: Edições Sílabo.

Quesado, P. (2005). O contributo do balanced scorecard para a gestão estratégica de custos: Uma análise empírica às grandes empresas portuguesas. (Dissertação de Mestrado em Contabilidade e Auditoria). Universidade do Minho, Braga.

Quesado, P. (2010). Fatores determinantes de la implementación del cuadro de mando integral en organizaciones públicas y privadas portuguesas. (Tesis Doctoral en Ciencias Económicas y Empresariales). Universidad de Santiago de Compostela, Santiago.

Quesado, P., Guzmán, B., & Rodrigues, L. (2012). El grado de conocimiento y utilización del cuadro de mando integral en los ayuntamientos portugueses. Revista Gestão Industrial, 8(2), 66-97.

Quesado, P., Guzmán, B., & Rodrigues, L. (2013). La adopción del cuadro de mando integral en organizaciones portuguesas: Variables contingentes e institucionales. Intangible Capital, 9(2), 491-525.

Quesado, P., & Letras, C. (2015). O Balanced Scorecard como Ferramenta de Gestão Estratégica no Setor Bancário. European Journal of Applied Business Management, 1(1), 19-39.

Quesado, P., & Mesquita, F. (2013). O Balanced Scorecard como Ferramenta de Gestão Estratégica no Sector Hoteleiro. Revista AECA, 101, 32-35.

Quesado, P., & Rodrigues, L. (2009). Fatores Determinantes na Implementação do Balanced Scorecard em Portugal. Revista Universo Contábil, 5(4), 94-115.

Quivy, R., & Campenhoudt, L. (1992). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gravida.

Randall, E., Condry, B., & Trompet, M. (2007, January). International bus system benchmarking: Performance measurement development, challenges, and lessons learned. Transportation Research Board 86th Annual Meeting, 21st-25th january 2007, London.

Reszka, I., & Merino, E. (2014). O Balanced Scorecard (BSC) como Ferramenta de Ergonomia Organizacional. Human Factors in Design, 3(5), 124-146.

Ribeiro, A. (2009). Motivações para implementação de um Balanced Scorecard: o caso da Rodoviária do Tejo. (Dissertação de Mestrado em Gestão de Sistemas de Informação). Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa.

Rocha, J., & Selig, P. (2001, julho). O Sistema de Gestão Balanced Scorecard e seus Impactos sobre a Teoria de Custos. VII Congreso Internacional de Costos, 4-6 julho, Leão, Espanha.

Rohm, H. (2008). Is There Any Strategy in Your Strategic Plan? Balanced Scorecard Institute Journal, 1-5.

Russo, J. (2009). Balanced Scorecard para PME e Pequenas e Médias Instituições (5a Edição). Lisboa: Lidel Edições Técnicas.

Salomão, C. (2013). Gestão Estratégica e a aplicação do Balanced Scorecard ao Sector Público: O caso da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. (Dissertação de Mestrado em Administração Pública). Instituto Politécnico de Lisboa, Lisboa.

Santos, L. (2014). Balanced Scorecard – Contributos para a implementação na Administração Local. (Dissertação de Mestrado em Gestão Autárquica). Instituto Superior de Educação e Ciências, Lisboa.

Saraiva, H., & Alves, M. (2013). O Balanced Scorecard em Portugal: Sua Difusão, Evolução e Consequências da sua Utilização. Journal of International Institute of Costs, (1), 6-20.

Sartor, L. (2012). Proposta de desenvolvimento do mapa estratégico de uma empresa de transportes. (Monografia para Bacharel em Ciências Contábeis). Universidade de Santa Catarina, Florianópolis.

Silva, M., & Callado, A. (2013). Análise de Modelos de Balanced Scorecard elaborados a partir da Ótica da Sustentabilidade através do uso da Matriz SWOT. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 3(4), 87-103.

Simkova, I., Konecny, V., & Liscak, S. (2015). Measuring the quality impacts on the performance. Transport Problems, 10(3), 113-124.

Simões, A., & Rodrigues, J. (2011). O uso e os impactos do Balanced Scorecard na gestão das empresas. Revisão da literatura e oportunidades de investigação. RIGC, 9(18), 1-24.

Sousa, G. (2015). Requisitos para a prática da gestão estratégica do TP: um estudo da DFTRANS - Brasília DF. (Dissertação de Mestrado em Transportes). Universidade de Brasília.

Vieira, R., Major, M., Robalo, R. (2009), “Investigação Qualitativa em Contabilidade”, in Major, M.; Vieira, R. (Eds.), Contabilidade e Controlo de Gestão: Teoria, Metodologia e Prática. Escolar Editora, Lisboa, (pp. 131-163). Lisboa: Escolar Editora.

Wretstrand, A.; Holmberg, B.; Berntman, M. (2014). Safety as a key performance indicator: Creating a safety culture for enhanced passenger safety, comfort, and accessibility. Research in Transportation Economics, 48, 109-115.

Wu, H. (2012). Constructing a strategy map for banking institutions with key performance indicators of the balanced scorecard. Evaluation and Program Planning, 35(3), 303-320.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos (2ª Edição). Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Management Control Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.