Avaliação do efeito antimicrobiano in vitro dos extratos etanólicos de Plectranthus neochilus e Cnidoscolus quercifolius

Autores

  • Evilda Rodrigues de Lima Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife - PE, Brasil.
  • Bárbara Nogueira da Silva Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife - PE, Brasil.
  • Rhaysa Allayde Silva Oliveira Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife - PE, Brasil.
  • Laís Albuquerque van der Linden Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife - PE, Brasil.
  • Vanessa Carla Lima da Silva Departamento de Medicina Veterinária, Centro Universitário Unifavip/Wyden, Caruaru – PE, Brasil.
  • Michelle Suassuna de Azevedo Rêgo Hospital Veterinário de Recife, Recife - PE, Brasil.
  • Melânia Loureiro Marinho Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Campina Grande, Patos – PB, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.26605/medvet-v14n4-3917

Palavras-chave:

cepas ATCC, Cnidoscolus quercifolius, fitoterapia, Plectranthus neochilus.

Resumo

Avaliou-se o efeito antimicrobiano in vitro dos extratos etanólicos de Plectranthus neochilus e Cnidoscolus quercifolius de forma isolada e associadas. Na 1ª etapa, utilizaram-se os extratos em concentrações 1%, 2,5%, 5% e 10%. Na 2ª etapa, utilizaram-se apenas extratos brutos. Para o teste de sensibilidade dos extratos, utilizaram-se cepas padrão Staphylococcus aureus ATCC 25923, Escherichia coli ATCC 25922, Pseudomonas aeruginosa ATCC 27853. Nas duas etapas, realizaram-se os mesmos testes de sensibilidade. As placas foram semeadas e lidas após 24 horas de incubação em estufa a 37ºC. De acordo com os resultados, conclui-se que não houve atividade bacteriana dos extratos etanólicos estudados isolados, bem como associados diante das cepas padrão de Staphylococcus aureus, Escherichia coli e Pseudomonas aeruginosa nas diferentes metodologias aplicadas quando comparadas com o antibiótico padrão (amicacina).

Referências

Albuquerque, J.M. Plantas medicinais de uso popular. Brasília: Ministério da Educação, 1989, 96p.

Ascensão, L.; Figueiredo, A.C.; Barroso, J.G.; Pedro, L.G.; Schripsema, J.; Deans, S.G. Plectranthus madagascariensis: morphology of the glandular trichomes, essential oil composition, and its biological activity. Journal of Plant Sciences, 159(1): 31-38, 1998.

Ascensão, L.; Mota, L.; Castro, M. Glandular trichomes on the leaves and flowers of Plectranthus ornatus: morphology, distribution and histochemistry. Annals of Botany, 84(4): 437-447, 1999.

Bauer, A.W.; Kirby, W.M.M.; Sherris, J.C.; Turck, M. Antibiotic susceptibility testing by a standardized single disc method. The American Journal of Clinical Pathology, 45(4), 1966.

Bezerra, D.A.C.; Pereira, A. V.; Lôbo, K.M.S.; Rodrigues, O.G.; Athayde, A.C.R.; Mota, R.A. et al. Atividade biológica da jurema-preta (Mimosa tenuiflora (Wild) Por.) sobre Staphylococcus aureus isolado de casos de mastite bovina. Revista Brasileira de Farmacognosia, 19(4): 814-817, 2009.

CLSI. Clinical Laboratory Standards Institute. Padronização dos testes de sensibilidade a antimicrobianos por disco-difusão: norma aprovada. 8ª ed. M2-8, 23(1), 2003.

Duque, J.G. Perspectivas nordestinas. 2ª ed. Fortaleza: Banco do Brasil, 2004. 424p.

Eldem, S.; Dunford, A. Fitoterapia: atenção primária à saúde. Rio de Janeiro: Editora Brasileira, 2001. p. 7-13.

Eller, S.C.W. S.; Feitosa, V.A.; Arruda, T.A.; Antunes, R.M.P; Catão, R.M.R. Avaliação antimicrobiana de extratos vegetais e possível interação farmacológica in vitro. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, 36(1):131-136, 2015.

Ferreira, G.S.M.; Silva, N.S.; Nóbrega Neto, P.I.; Assis, M.B.; Alves, A.S.; Alves, A.P. Avaliação do efeito cicatrizante e analgésico da pomada fitoterápica contendo extratos de Plectranthus neochilus e Cnidoscolus phyllacanthus em gatas submetidas a ovariossalpingohisterectomia. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 7(5): 34-40, 2013.

Lorenzi, H.; Matos, F.J.A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas cultivadas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2008. 576p.

Martins, E.R.; Castro, D.M.; Castellani, D.C.; Dias, J.E. Plantas medicinais. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1995. 220p.

Nunes, F.R.S.; Dias, H.M.C.; Cavalcante, G. M. Investigação das atividades antioxidante e antimicrobiana de duas espécies arbóreas ocorrentes no bioma caatinga. Estação Científica (Unifap), 6(1): 81-90, 2016.

Pereira, M.; Matias, D.; Pereira, F.; Reis, C.P.; Simões, M.F.; Rijo, P. Pesquisa da actividade antimicrobiana de extratos de Plectranthus madagascariensis e P. neochilus. Biopharmaceutical Sciences, 12(1): 127-138, 2015.

Pontes, W.J.T.; Oliveira, J.C.S.; Câmara, C. A. G.; Lopes, A. C. H. R.; Gondim Júnior, M. G. C.; Oliveira, J.V.; Schwartz, M.O. Composition and acaricidal activity of the resin's essential oil of protium bahianum daly against two spotted spider mite (Tetranychus urticae). The Journal of Essential Oil Research, 19(4): 379-383, 2007.

Pordeus Neto, J.; Rodrigues, O.G.; Lima, E.Q.; Marinho, M.G.V.; Dantas, J.P. Avaliação da ação clastogênica do óleo de cnidoscolus phyllacanthus (mart.) pax. et k. hoffm em células medulares. Revista de Biologia e Farmácia, 3(1): 6-22, 2009.

Rêgo, M.S.A.; Silva, V.C.L.; Maia, C.S.; Teixeira, M.N.; Marinho, M.L. Avaliação da segurança do extrato hidroalcoólico de partes aéreas de Plectranthus neochilus schlechter, lamiaceae e entrecascas de Cnidoscolus quercifolius pohl, eupharbiaceae em roedores. Medicina Veterinária, 12(2): 82-92, 2018.

Ribeiro, P.P.C.; Lima e Silva, D.M.; Assis, C.F.; Correira, R.T.P.; Damasceno, K.S.F.S.C. Bioactive properties of faveleira (Cnidoscolus quercifolius) seeds, oil and press cake obtained during oilseed processing. PLoS One, 12(12): e0189563, 2017.

Veiga Junior, V.F.; Pinto, A.C.; Maciel, M.A.M. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, 28(3): 519-528, 2005.

Downloads

Publicado

2020-11-26

Edição

Seção

Clínica e cirurgia de pequenos animais