O CANTO OBSCURO, AS RAÍZES: (RE)ESCRITAS DE IDENTIDADE NA POESIA DE CONCEIÇÃO LIMA

Naduska Mário Palmeira

Resumo


É num contexto em que a arte literária revela a capacidade de construção de um sentimento de pertencimento a uma ―identidade nacional‖ que procuro investigar a questão da construção de tal identidade no trabalho de Conceição Lima, e lanço a hipótese de que tal obra constitui uma espécie de estabelecimento dos pilares de uma casa em construção, que pode ser lida como metáfora de construção identitária, forjada no uso da linguagem, que é chão/concreta e, ao mesmo tempo, ideia, num renascimento e reencontro confrontadores com a terra em que nasceu a poeta, cujo eu-lírico, na maioria dos poemas, modela e (re)negocia certos sentidos outrora inquestionáveis, a fim de ―narrar‖ uma nação íntima, impregnada, é claro, por São Tomé e Príncipe.

Palavras-chave


Literatura; Memória; Cultura

Texto completo:

PDF

Referências


BHABHA, H. (1998). O local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG.

HALL, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais.Belo Horizonte, Editora UFMG/Representação da UNESCO no Brasil.

LIMA, C. (2004). O útero da casa. Lisboa, Caminho.

_______. (2006). A dolorosa raiz do micondó. Lisboa, Caminho.

_______. (2011). O país de Akendenguê. Lisboa, Caminho/Leya.

LOURENÇO, Eduardo. (1999) Mitologia da saudade. São Paulo, Companhia das Letras.

SAID, E. (2005). Representações do intelectual: as conferências do Reith de 1993. São Paulo, Companhia das Letras. Janeiro, DP&A.

SOUSA SANTOS, B. (1999). Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade. 6ed. São Paulo, Cortez. UFMG.

WOOLF, Virgínia. (2004). Um teto todo seu. 2ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista MILBA