Análise biométrica do Anomalocardia flexuosa na APA da barra do rio Mamanguape, estado da Paraíba, Brasil

Ivo Raposo Gonçalves Cidreira-Neto, Douglas Macêdo Nascimento, Priscila Xavier de Moraes, Gilberto Gonçalves Rodrigues

Resumo


O marisco é o nome popular dado para o bivalve Anomalocardia flexuosa, que corresponde a um importante recurso faunístico extraído por populações humanas locais, com ampla distribuição em todo o Nordeste brasileiro. O presente artigo tem como objetivo realizar uma análise da morfometria e biomassa do marisco-pedra coletados na APA da Barra do Rio Mamanguape, no estado da Paraíba. As coletas foram realizadas entre os meses de junho e julho de 2016. Foram escolhidos dois pontos de coleta (croas/bancos areno-lodosos), com diferentes níveis de exploração, no estuário do rio Mamanguape para realização das comparações: (i) Unidade Mamanguape e (ii) Unidade Controle. Os mariscos foram submetidos a análises morfométricas, sendo o comprimento da concha (CC), largura da concha (LC) e altura da concha (AC), assim como dados de biomassa. Utilizou-se a análise de correlação e regressão linear para os dados referentes à biometria e biomassa dos mariscos. A Unidade Mamanguape, caracterizada por apresentar elevada taxa de catação, apresentou valores morfométricos e de biomassa semelhantes aos encontrado na Unidade Controle. Na análise de regressão entre o peso seco (PS) e a largura (LC), a Unidade Controle apresentou forte relação, demonstrando que os indivíduos maiores apresentam alto rendimento da carne. Dessa forma, conclui-se que a atividade de mariscagem pode não afetar diretamente na redução do tamanho médio dos mariscos da área.


Palavras-chave


Morfometria, biomassa, pesca artesanal, marisco.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


BARREIRA, C.A.R.; ARAÚJO, M.L.R. 2005. Ciclo reprodutivo de Anomalocardia brasiliana (GMELIN, 1791) (MOLLUSCA, BIVALVIA, VENERIDAE) na praia do Canto da Barra, Fortim, Ceará, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, v.31, n.1, p.9-20.

BOEHS, G.; ABSHER, T.M.; CRUZ-KALED, A.C. 2008. Ecologia populacional de Anomalocardia brasiliana (GMELIN, 1791) (BIVALVIA, VENERIDAE) na baía de Paranaguá, Paraná, Brasil. Boletim do Instituto de Pesca, v.34, n.2, p259-270.

BOTELHO, E.R.O.; SANTOS, M.C.F. 2005. A cata de crustáceos e moluscos no manguezal do Rio Camaragibe – Estado de Alagoas: Aspectos sócio-ambiental e técnico-econômico. Boletim Técnico Científico, v.13b, n.2, p.77-96.

CAMPOS, M.F.H.; MENEZES, A.M.F. 2014. Mulheres marisqueiras: práticas e saberes da comunidade de mangue seco em Valença (BA). In I Simpósio Nacional de Saberes e Expressões Culturais no Cerrado.

CANAPA, A.; MAROTA, I.; ROLLO, F.; OLMIL, E. 1996. Phylogenetic analysis of Veneridae (Bivalvia): Comparison of molecular and palaeontological data. Journal of Molecular Evolution, v.43, n.5, p.517-522.

COSTA, M.M.S.; SILVA, E.B.; MENESES, L.F. 2012. Proposta de trilha ecológica como atrativo ecoturístico na área de proteção ambiental da barra do rio Mamanguape – PB. Revista de Turismo Estudos e Práticas, v.1, n.2.

DENADAI, M.R.; ARRUDA, E.P.; DOMANESCHI, O.; AMARAL, A.C. 2006. Veneridae (Mollusca, Bivalvia) da costa norte do Estado de São Paulo. Brasil. Biota Neotropica, v.6, n.3.

DIAS, T.L.P.; ROSA, R.S.; DAMASCENO, L.C.P. 2007. Aspectos socioeconômicos, percepção ambiental e perspectivas das mulheres marisqueiras da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Ponta do Tubarão (Rio Grande do Norte, Brasil). Gaia Scientia, v.1, n.1, p.25-35.

DIEGUES, A.C.; ARRUDA, R.S.V. 2001 Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, São Paulo, USP.

FREIRE, K.M.F.; ARAÚJO, A.R.R. 2016. Analysis of marine catches off the state of Sergipe (1950-2010). Arquivos de Ciência do Mar, v.49, n.1, p.13-29.

FREITAS, S.T.; PAMPLIN, P.A.Z.; LEGAT, J.; FOGAÇA, F.H.S.; BARROS, R.F.M. 2012. Conhecimento tradicional das marisqueiras de barra grande, área de proteção ambiental do delta do rio Parnaíba, Piauí, Brasil. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v.15, n.2, p.91-112.

LAVANDER, H.D.; JÚNIOR, L.O.C.; OLIVEIRA, R.L.; NETO, S.R.S.; GALVEZ, A.O.; PEIXOTO, S.R.M. 2011. Biologia reprodutiva da Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791) no litoral norte de Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.6, n.2, p.344-350.

LAVANDER, H. D.; SILVA-NETO, S. R.; SOBRAL, S. C.; LIMA, P. C. M.; RÊGO, M. G.; GÁLVEZ, A. O. 2014. Manutenção e reprodução de Anomalocardia flexuosa em condições laboratoriais. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.9, n.2, p.269-276.

LIMA, M. A.; SOARES, M. O.; PAIVA, C. C.; OSÓRIO, F. M.; PORFÍRIO, A. F.; MATTHEWS-CASCON, H. 2009. Osmorregulação em moluscos: o caso do bivalve estuarino tropical Anomalocardia brasiliana (Mollusca: Bivalvia). Conexões – Ciência e Tecnologia, v.3, n.1, p.79-84.

LUZ, J.R.; BOEHS, G. 2011. Reproductive cycle of Anomalocardia brasiliana (Mollusca: Bivalvia: Veneridae) in the estuary of the Cachoeira River, Ilhéus, Bahia. Brazilian Journal of Biology, v.71, n.3, p.679-686.

MARTINS, V.S.; SOUTO, F.J.B. 2006. Uma análise biométrica de bivalves coletados por marisqueiras no manguezal de Acupe, Santo Amaro, Bahia: Uma abordagem etnoconservacionista. Sitientibus Série Ciências Biológicas, v.6, p.98-105.

MONTELES, J.S.; CASTRO, T.C.S.; VIANA, D.C.P.; CONCEIÇÃO, F.S.; FRANÇA, V.L.; FUNO, I.C.S.A. 2009. Percepção sócio-ambiental das marisqueiras no município de Raposa, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Engenharia de Pesca, v.4, n.2, p.34-45.

MOUEZA, M.; GROS, O.; FRENKIEL, L. 1999. Embryonic, larval and postlarval development of the tropical clam, Anomalocardia Brasiliana (Bivalvia, Veneridae). Journal of Molluscan Studies, v.65, p.73-88.

MOURÃO, J.S.; NORDI, N. 2002. Comparações entre as taxonomias Folk e científica para peixes do estuário do rio Mamanguape, Paraíba-Brasil. Interciência, v.27, n.12.

NISHIDA, A.K.; NORDI, N.; ALVES, R.R.N. 2004. Abordagem etnoecológica da coleta de moluscos no Litoral Paraibano. Tropical Oceanography, v.32, n.1, p.53-68.

OLIVEIRA, L.; LAVANDER, H.; RODRIGUES, S.; BRITO, L.O.; GALVEZ, A.O. 2013. Crescimento do berbigáo, Anomalocardia brasiliana (Bivalvia: veneridae) na praia de Mangue Seco, Pernambuco, Brasil. Arquivos de Ciência do Mar, v.46, n.1, p.22-28.

OLIVEIRA, I.B.; SILVA-NETO, S.R.; LIMA-FILHO, J.V.M.; PEIXOTO, S.R.M.; GÁLVEZ, A.O. 2014. Efeito do período chuvoso na extração do molusco Anomalocardia brasiliana (Gmelin, 1791). Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.9, n.1, p.139-145.

PAZ, V. A.; BEGOSSI, A. 1996. Ethnoichthyology of galviboa fishermen of sepetiba bay, Brazil. Journal os Ethnobiology, v.16, n.2, p.157-168.

PEZZUTO, P.R.; SOUZA, D.S. 2015. A pesca e o manejo do berbigão (Anomalocardia brasiliana) (Bivalvia: Veneridae) na Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé, SC, Brasil. Desenvolvimento e. Meio Ambiente, v.34, p.169-189.

RAMIRES, M.; MOLINA, S. M. G.; HANAZAKI, N. 2007. Etnoecologia caiçara: o conhecimento dos pescadores artesanais sobre aspectos ecológicos da pesca. Biotemas, v.20, n.1, p.101-113.

RIOS, E.C. 1994. Seashells os Brazil. Ed. Da Fundação Universidade do Rio Grande.

RODRIGUES, M.C.V. 2008. Turismo e colônia: a noção de consciência de classe dos pescadores artesanais da cidade de Conde/BA. Revista de Educação Agrícola Superior, v.23, n.1, p.5-9.

RODRIGUES, S.; LAVANDER, H.; OLIVEIRA, L.; BATISTA, A.; OLIVEIRA, I.; GÁLVEZ, A.O. 2013. Distribuição e abundância relativa do berbigão, Anomalocardia brasiliana, na praia de Mangue Seco, Pernambuco, Brasil. Arquivos de Ciência do Mar, v.46, n.2, p.70-75.

RODRIGUES-MAIA, A. M. L.; MEDEIROS, E.; HENRY-SILVA, G. G. 2017. Distribution and density of the bivalve Anomalocardia brasiliana in the estuarine region of Northeastern Brazil. Brazilian Journal of Biology.

SANTANA, C.G. 2014. As percepções ambientais de pescadores e marisqueiras acerca da divisão sexual de trabalho na pesca em Pirambu/SE. Ambivalências, v.2, n.3, p.86-105.

SANTOS, J.J.S.; TERCEIRO, A.M.; YAURI, W.L.M. 2014. Dinâmica da população de Anomalocardia brasiliana (Mollusca, Bivalvia, Veneridae) no estuário do rio Paciência, no Município da Raposa, Estado do Maranhão. Anuário do Instituto de Geociências UFRJ, v.37, n.1, p.61-69.

SILVA, E.L.P.; CONSERVA, M.S.; OLIVEIRA, P.A. 2011. Socioecologia do processo de trabalho das pescadoras artesanais do Estuário do Rio Paraíba, Nordeste, Brasil. Ecologia, v.3, p,44-56.

Vasconcelos, L.C.; Aranha, M.L.M.; Lima, S.V.N. 2012. Trabalho, meio ambiente e saúde em comunidades marisqueiras de Sergipe. In Anais do VI Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”, São Cristóvão, Sergipe.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.2.2018.1760.191-199

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.