Modelo de diagnóstico de risco de inundações em área urbana na Zona da Mata de Pernambuco, Brasil

Emmanuelle Maria Gonçalves Lorena, Daniel de Morais Sobral, Alex Souza Lira, Alex Souza Moraes, Fernando Cartaxo Rolim Neto, Romildo Morant Holanda

Resumo


Objetivou-se identificar um modelo simplificado determinando assim áreas urbanas com riscos de inundação causadas pelas ocupações irregulares da Área de Preservação Permanente (APP). O local escolhido para as observações foi às margens do rio Tapacurá, no município de Vitória de Santo Antão, Pernambuco. A delimitação da área de estudo desenvolveu-se em 54,48ha, selecionado por características de inundação em períodos de altas precipitações cortada por trecho do Rio Tapacurá. Realizou-se pesquisa histórica para identificação de ocorrências de riscos de enchentes, e com isso foi possível relatos fotográficos. Verificando a preservação matas. Foi elaborado um mapas de curva de nível para cálculo das áreas inundáveis, no qual obteve a quantidade de edificações em regiões. Observou-se o desmatamento nas matas ciliares das margens protegidas, impedindo o escoamento de água em período de altas precipitações, ocasionando grandes inundações e desastres para as populações residentes.


Palavras-chave


drenagem, enchente, ocupação irregular, saneamento

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


AZEVEDO, D. S.; SILVA, H. P.; FABISAK, M. M.; CALDAS, K. F. R.. Disposição de resíduos sólidos em áreas ciliares do rio Tapacurá no município de Vitória de Santo Antão, PE, Resíduos sólidos, Tecnologias limpas e boas práticas, 2015.

BRASIL, Atlas de desenvolvimento humano do Brasil. 2013. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/home/ Acesso em: 18 de ago. 2016.

BRASIL, Presidência da República. Lei federal n. 12.651. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa, de 25 de maio de 2012. Brasília, DF. Acesso em 18 jul. 2016. Online. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm

CRUZ, D. R.; COSTA, R. C.. inundações em bacias hidrográficas urbanas de Manaus – comunidades bairro União e N. S. de Fátima. Revista Geonorte, Edição especial, v.1, n.4, p.759 – 771, 2012.

DIAS, M. do C. O.; PEREIRA, M. C. B.; DIAS, P. L. F.; VIRGÍLIO, J. F.. Manual de impactos ambientais. 2ª.edição, Fortaleza, CE, Banco do Nordeste, 2008, 322p.

DUARTE, C. C.. Análise dos impactos das mudanças climáticas no escoamento superficial da bacia hidrográfica do rio Tapacurá-PE, a partir da utilização de um modelo de balanço hídrico mensal semidistribuído Recife, PE. (Dissertação para mestrado em Geografia). Universidade Federal de Pernambuco. 2009. 124p.

DUARTE, C. C.; SOUZA, S. F. de; GALVINIO, J. D.; MELO, I. D. F.. Detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do rio Tapacurá, PE, através da análise por componentes principais Anais XVI Simpósio Brasileiro de sensoramento Remoto, Natal, RN, abr/2009, p. 5785-5772.

FOLHA VITORIENSE, Blog. Disponível em: http://folhavitoriense.blogspot.com.br/2011/05/resumo-de-imagens-da-enchente-de.htmlAcesso em: 13 de julho de 2016.

GUIMARÃES, A. E. N.; VINICIUS, E.; BATISTA, P. G.; SOUZA, Z.. Análise para recuperação de uma área degradada, na micro bacia do Ribeirão Taquaruçu, PALMAS, TO, Faculdade Católica do Tocantis. nov/2009.

JACAREI, Prefeitura Municipal de,Lei Municipal n.4847, de 7 de janeiro de 2005. Lei de uso e ocupação do solo.

MARTINS, K.. Expansão urbana desordenada e os riscos ambientais e a saúde humana – Estudo de caso brasileiro. (Monografia para Gestão Ambiental), Universidade de Brasília, DF, 2012, 65p.

MELO, S. C.. Análise quali-quantitativa no rio Tapacurá no município de Vitória de Santo Antão-PE. (Monografia para Engenharia Ambiental), Universidade Maurício de Nassau, Recife, 2012.

MIRANDA, M. R. B.. Análise da vulnerabilidade a inundações no médio curso do Rio Tapacurá Cidade de Vitória de Santo Antão – PE. 2015. 136f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Pernambuco – UFPE.

NASCIMENTO, M. O. T.; FILGUEIRA, H. J. A.; SILVA; T. C.. Metodologia para priorização de ações em aglomerados subnormais considerando os riscos de deslizamentos e inundações e as condições de moradia. Engenharia Sanitária e Ambiental. v.18 n.1 Rio de Janeiro jan./mar. 2013.

SAITO, S. M.. Desastres Naturais e Geotecnologias – Vulnerabilidade – Caderno Didático nº 6, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. São José dos Campos – SP, 2011.

SANTOS, J.Y.G.; SILVA, R.M.; MONTENEGRO, S.M.G.L.; SANTOS, C.A.G. Aplicação do modelo SWAT para a estimativa da produção de sedimentos na bacia do rio Tapacurá, Pernambuco. In: XI Encontro Nacional de Engenharia de Sedimentos. João Pessoa, PB. 2014.

VIDEIRA, Prefeitura Municipal. Lei orgânica municipal n. 56, de dezembro de 2007. Videira, SC.

VITORIA DE SANTO ANTÃO, Prefeitura Municipal. Lei municipal n. 3199, de 27 de novembro de 2006. Plano diretor do município de Vitória de Santo Antão – PE.

VITORIA DE SANTO ANTÃO, Prefeitura Municipal. Lei municipal n. 3.768, de 18 de fevereiro de 2013. Código de Defesa do Meio Ambiente.

VITORIA DE SANTO ANTÃO, Prefeitura Municipal. Lei orgânica do município de Vitória de Santo Antão – PE, de 14 de novembro de 2008.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.3.2.2018.1804.%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.