Índice de aridez na Zona da Mata no Estado de Pernambuco - Brasil

Helano Nobre Vilar, Raimundo Mainar de Medeiros

Resumo


A economia agropecuária da Zona da Mata é composta principalmente pela plantação de cana-de-açúcar, tendo a região engenhos e usinas. Ultimamente a região vem se destacando devido ao crescimento no número de indústrias alimentícias e automotiva. O estudo tem como objetivo avaliar a variabilidade dos índices de umidade e aridez através das análises estatísticas para as cidades que compõem a Zona da Mata do estado de Pernambuco. Os dados gerados poderão subsidiar decisões na área para o melhoramento dos solos com susceptibilidades elevadas. Na análise do comportamento climático foram utilizados dados de precipitação, média climatológica, do banco de dados da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE, 1990) e da Agência de tempo e clima do Estado de Pernambuco (APAC). A estimativa da temperatura média do ar foi realizada com uso do software denominado “Estima_T” (Cavalcanti et al., 1994, 2006), desenvolvido pelo Núcleo de Meteorologia Aplicada da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), através da estimativa das séries de temperatura média mensal do ar de alguns postos meteorológicos, devido à ausência de dados. Foram encontrados os níveis de susceptibilidade à desertificação, alta e muito alta. Nota-se que o índice de aridez não exerce grande influência na determinação da ocorrência de áreas desertificadas para a área de estudo, levando-se em consideração os valores de temperatura e precipitação, podendo ser a ação antrópica um dos fatores importantes na desertificação.


Palavras-chave


Climatologia; aridez; Pernambuco

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALVARES, C.A.; STAPE, J.L.; SENTELHAS, P.C.; GONÇALVES, J.L.M.; SPAROVEK, G.; 2014. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22, 711–728.

APAC.; 2017. Agência de tempo e clima do Estado do Pernambuco.

AQUINO, R.; SILVA, M.L.N.; FREITAS, D.A.F.; CURI, N.; MELLO, C.R.; AVANZI, J.C.; 2012. Spatial variability of the rainfall erosivity in southern region of Minas Gerais state, Brazil. Ciência e Agrotecnologia 36, 533-542.

ARAGÃO, J.O.R.; 1976. Um Estudo da Estrutura das Perturbações Sinóticas no Nordeste do Brasil. Dissertação (Mestrado em Meteorologia). Instituto de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 51p.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F.; 2012. Conservação do solo. 2 e. São Paulo: Ícone, 355p

BAZZANO, M.G.P.; ELTZ, F.L.F.; CASSOL, E.A.; 2010. Erosividade e Características Hidrológicas das Chuvas de Rio Grande. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.34, p. 235-244.

CAVALCANTI, E.P.; SILVA, V.P.R.; SOUSA, F.A.S.; 2006. Programa computacional para a estimativa da temperatura do ar para a região Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 10 (1) p.140-147.

CAVALCANTI, E.P.; SILVA, E.D.V.; 1994. Estimativa da temperatura do ar em função das coordenadas locais. In: Congresso Brasileiro de Meteorologia, 8, 1994. Belo Horizonte, Anais...Belo Horizonte: SBMET, 1, p.154-157.

Estimativa Populacional 2013. Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Outubro de 2013.

FUSHITA, A.T.; CAMARGO-BORTOLIN, L.H.G.; ARANTES, E.M.; MOREIRA, M.A.A.; CANÇADO, C.J.; LORANDI, R.; 2011. Fragilidade ambiental associada ao risco potencial de erosão de uma área da região geoeconômica médio Mogi Guaçu superior (SP). Revista Brasileira de Cartografia 63, 609-618.

HASTENRATH, S.; HELLER, L.; 1977. Dynamics of Climatic Hazards in Northeast Brazil. Quarterly Journal Royal Meteorological Society, 103, p.77-92.

KOUSKY, V.E.; 1979. Frontal influences on northeast Brazil. Monthly Weather Review, 107, p.1140-1153.

KOUSKY, V.E.; GAN, M.A.; 1981. Upper tropospheric cyclones vortices in the tropical south atlantic. Tellus, 33, p.538-551.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R.; 1928. Klimate der Erde. Gotha: Verlagcondicionadas. Justus Perthes. n.p.

MATALLO JUNIOR., H.; 2003. A desertificação no mundo e no Brasil. In: SCHENKEL, C.S. e MATALLO JR, H. (Org). Desertificação. Brasília: UNESCO,

MEDEIROS,R.M.; KOSMINSKY,M.; SILVA, V.P.; HOLANDA,R.M.; 2017. Estimativa da erosão pluvial na bacia hidrográfica do rio Uruçuí Preto – Piauí, Brasil. REVISTA BRASILEIRA DE AGROTECNOLOGIA (BRASIL) ISSN: 2317-3114 v. 7, n. 3,

MEDEIROS, R.M.; SANTOS, D.; 2015. Balanço hídrico e erosividade em função das mudanças climáticas no Estado da Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física V. 08. N. 03. 327-340.

MEDEIROS, R.M.; 2014. Elaboração de programa computacional em planilhas eletrônicas do Balanço hídrico..

MEDEIROS, R.M. 2014. Estudo agrometeorológico para o Estado da Paraíba. p.145. Edição Avulsa.

MEDEIROS, R.M.; 2014. Caracterização de mudanças climáticas por meio de séries meteorológicas para o município de Teresina/Piauí. Revista Pernambucana de Tecnologia. , v.2, p.6 - 17.

PIRES, F.R.; SOUZA, C.M.; 2013. Práticas mecânicas de conservação do solo e da água, 3 ed. Editora UFV, Viçosa.

SAMPAIO, E.V.S.B.; SALCEDO, I. 1997. Diretrizes para o manejo sustentável dos solos brasileiros: região semiárida. In: Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 26, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro. CD-ROOM.

SCHENKEL, C.S.; MATALLO JÚNIOR, H. 2001. Desertificação. Brasília: UNESCO.

SOUZA, S.O.; CÔRREA, W.; FILETI, R.; VALE, C.C.; 2014. Balanço Hídrico da Bacia do Rio Caravelas (BA) como Subsídio ao Planejamento Agrícola. Revista Brasileira de Geografia Física, Vol. 7, No 1.

SUDENE.; 1990. Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste. Dados pluviométricos mensais do Nordeste – Paraíba. (Série Pluviometria, 2). Recife.

THORNTHWAITE, C.W.; 1948. An approach toward a rational classification of climate. Geography Review, v. 38, p.55-94.

THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J.R.; 1955. The water balance: publications in climatology. New.

UVO, C.R.B.; 1989. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) e sua relação com a precipitação na região norte e nordeste brasileiro. Dissertação de mestrado. INPE, São José dos Campos.

YAMAZAKI, Y.; RAO, V.B.; 1977. Tropical cloudiness over the South Atlantic Ocean. Journal of the Meteorological Society of Japan, 55, p.205-207.




DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.4.1.2019.2093.014-020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista e Autor

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.