Cultura organizacional como fator determinante para a adoção da Produção Mais Limpa

Autores

  • Maria de Fátima da Silva UFRPE Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Almir Silveira Menelau Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE

DOI:

https://doi.org/10.24221/jeap.6.1.2021.3082.001-011

Palavras-chave:

Liderança, Jeans, Lavanderia

Resumo

A Produção Mais Limpa – P+L é um modelo produtivo que versa sobre uma mudança na cultura organizacional da empresa através de hábito sustentáveis que garanta atender a legislação ambiental e proporcione ganhos econômico, ambiental e social. Neste sentido o objetivo do trabalho foi verificar a influência da cultura organizacional na adoção da Produção Mais Limpa em uma empresa de beneficiamento de jeans no Agreste Pernambucano. Como Metodologia utilizou a técnica de pesquisa de campo com uso de questionário e entrevista. Os principais resultado leva ao entendimento que exista ausência de conhecimento da ferramenta P+L, ausência das variáveis socioambientais na identidade da empresa, espaço físico insalubre.  Pode-se concluir que a cultura organizacional da lavanderia não influência positivamente para uma Produção Mais Limpa, uma vez que, na maioria de suas ações estiveram ausente as variáveis socioambientais como filosofia norteadora dos processos gerenciais e produtivo.

Biografia do Autor

Maria de Fátima da Silva, UFRPE Universidade Federal Rural de Pernambuco

Discente do programa de Pós-Graduação em Administração e Desenvolvimento Rural pela UFRPE. Especialista em Gestão Pública pelo IFPE, Bel em Administração.

Almir Silveira Menelau, Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE

Docente do programa de Pós-Graduação em Administração e Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Referências

Araújo, M; Castro, E.M.M. 1999. Manual de Engenharia Têxtil. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G., Andreassi, T. e Vasconcelos, F. C. 2010. “Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições”, Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 2, 146-154.

Baumgartner, R. J. 2009. Organizational culture and leadership: preconditions for the development of a sustainable corporation. Sustainable Development, v. 17, 102-113.

Chiavenato. I. 2012. Gestão de pessoas. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 579.

Cavalcanti, S. L. O. Contabilidade ambiental e desenvolvimento sustentável: um estudo nas empresas de panificação de Campina Grande - PB. Monografia (graduação) curso de ciências contábeis, Universidade Estadual da Paraíba, 2012. 25p.

CNTL- Centro Nacional de Tecnologias Limpas 2003. Implementação de programas de Produção Mais Limpa. Apostila. Porto Alegre.

CPRH - Agência Estadual de Meio Ambiente 2018. Lavando limpo. Disponível em: emhttp://www.cprh.pe.gov.br/ARQUIVOS_ANEXO/cartilha%20lavando%20limpo; 4901; 20181211. pdf. Acesso em 16 junho 2019.

Cunha, L. M. A. 2007. Modelos Rasch e Escalas de Likert e Thurstone na medição de atitudes. Dissertação. (mestrado) Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências. Departamento de Estatística e Investigação Operacional. Lisboa Portugal.

Hosseini H.; Ghorbani, M.; Meshginfar, N.; Mahoonak, A.S. 2016. A Review on Frying: Procedure, Fat, Deterioration Progress and Health Hazards. Journal of the American Oil Chemists’ Society, v. 93, n.4, 445–466.

Davis, K.; Newstrom, J. W. (2002), Comportamento humano no trabalho: uma abordagem psicológica. São Paulo: Pioneira.

Debarba, J. G.; Severo, E. A. Girardi, G.; Capitania, R. P. R. 2016. Inovação de processo e sustentabilidade em uma indústria metalomecânica. Anais do II Simpósio Internacional de Inovação em Cadeias Produtivas do Agronegócio (SICPA). Disponivel em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/IIsimposioinovacaoagronegocio/simposioinovacaoagronegocioucs/paper/viewFile/4600/1446. Acesso em: 25 set. 2019.

Diehl, A. A; Tatim, D. C. Pesquisa em ciências aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

Dunphy, D.; Griffths, A.; Benn, S. Organizational change for Corporate Sustainability. A guide for leaders and change agentes of the future, 2º ed. Rontlege, Taylor & Francis Group|, 2007. Disponível em:<http://www.sustenn.com/files/user_files/25_Frederic_Laloux/dunphyorganizational-change-for-corporatesustainability.pdf>. Acesso em 10 jan. 2019.

Epstein, M. J. 2008. Making sustainability work: best practices in managing and measuring social and environmental impacts. Sheffield: Greenleaf, p. 288.

Figueiredo, G. C.; Cavalcante, 2010. A. L. B. L. Calça Jeans ‐ Produtividade e Possibilidades Sustentáveis. Revista Projética Londrina, v. 1, n.1, p. 128‐145.

Fresner, J., Jantschgi, J., Birkel, S., BärnthaleR, J., KRENN, C. 2010. A teoria da solução criativa de problemas (TRIZ) como ferramenta de geração de opções em projetos de produção mais limpa. Jornal de Produção Mais Limpa. v. 18, n.2, p. 128-136.

Gonçalves, E. P. 2001. Iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Editora Alínea.

Hart, S. L.; Milstein, M. B. 2004. Criando valor sustentável. RAE Executivo, São Paulo, v.3, n.2.

Itaborahy, M. A; Silva, V. H. 2006. Indústrias de confecção no município de Cianorte/PR e a necessidade de implantação de programas de Gestão Ambiental. Revista Ciências Empresariais, v.12, n. 1, 360-387.

Kaptein, M.; Wempe, J. 2002. The balanced company: a theory of corporate integrity. Oxford: Oxford University Press, p. 360.

Lima, L; Silva, L. E. P.; Horostecki, M. F. 2011. Cultura Organizacional. Anais, VIII simpósio de inovação tecnológica.

Machado, C. M. 2014. Tecnologia da informação aplicada à gestão da responsabilidade social. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO – CNEG, 5., 2014, Rio de Janeiro e Niterói. Anais... Rio de Janeiro e Niterói: CNEG.

Mattar, F. N. 2005. Pesquisa de marketing. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Pinsky, V.; Kruglianskas, I. 2017. Inovação tecnológica para a sustentabilidade: aprendizados de sucessos e fracassos. Revista Estudos Avançados, v. 31, n. 90

Rennings, K. 2000. Redefining Innovation: Eco-innovation Research and the Contribution from Ecological Economics. Ecological Economics, v.32, n.2, p.319-32.

Ribeiro, L. A.; Bressan, L. W.; Lemos, M. F.; Dutra, C.; Nascimento, L. F. 2005. Avaliação de barreiras para implementação de um sistema de gestão ambiental na UFRGS. XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção – Porto Alegre, RS. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2005_enegep1002_1755.pdf. Acesso em: 25 set. 2019.

Romano et al. 2011. Investimento em Sustentabilidade Corporativa versus retorno financeiro: Abordagem integrada, VII Congresso Brasileiro de Sistemas - Franca, SP, Brasil. Disponível em: <http://www2.facef.br/ocs/index.php/CBS/7CBS>. Acesso em 04 mar. 2019.

Romano, A. L. 2014. Proposta de modelo de avaliação da sustentabilidade corporativa: as práticas no setor de cosmético brasileiro Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Metodista de Piracicaba. Santa Bárbara D’oeste – São Paulo.

Santos, E. M.; Oliveira Neto, J. D.; Barbosa, D. H.; Yamanaka, L. 2006. Produção Mais Limpa: elementos para discussão e análise. ANAIS. ADM2006 19° Congresso Internacional de Administração Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

Severo, E. A.; Dorion, E.; Olea, P. M.; Camargo, M. E.; Nodari, C. H.; Cruz, M. R. 2012. Cleaner Production: Cases of the Metal-Mechanic Automotive Cluster of Serra Gaucha, Brazil. African Journal of Business Management, v. 6, p. 10232-10237.

Silva, D. A.L; Delai, I.; Castro, M. A. S; Ometto, A. R.2013. Quality tools applied to Cleaner Production programs: a first approach toward a new methodology. Journal of Cleaner Production, v. 47, p. 174–187.

Silva, A. V; Todorov, J. C.; Silva, R. L. F. C. 2012. Cultura organizacional: a visão da análise do comportamento. Rev. bras. ter. comport. cogn., São Paulo, v. 14, n. 2, p. 48-63.

Silva, M. E; Sousa, I G; Freitas, L S. 2012. Processo de inovação: um estudo no setor moveleiro de Campina Grande – PB. RAI: Revista de administração e inovação, Brasil, v. 9, n. 1, p. 257-279.

Silva Neto, A.; Jabbour, C. J. C. 2010. Guidelines for improving the adoption of cleaner production in companies through attention to non-technical factors: A literature review. African Journal of Business Management, v. 4.

Van Hoof, B. 2014. Organizational learning in cleaner production among Mexican supply networks. Journal of Cleaner Production, v. 64, p. 115–124.

Stone, L. J. 2006. Limitations of cleaner production programmes as organisational change agents I. Achieving commitment and on-going improvement. Journal of Cleaner Production, v. 14, n. 1, p. 1– 14.

Vieira, L. C.; Amaral, F. G. 2016. Barriers and strategies applying Cleaner Production: a systematic review. Journal of Cleaner Production.

Publicado

2021-01-05