Tratamento da dor em pequenos animais: fisiopatologia e reconhecimento da dor (revisão de literatura: parte I)

GAS Aleixo, EA Tudury, MCOC Coelho, LSS Andrade, ALNG Bessa

Resumo


A dor traz grandes transtornos para a saúde do animal, por provocar, além da experiência sensorial e emocional desagradável, a ativação de respostas neuroendócrinas, que vão quebrar o equilíbrio homeostático do organismo. O estresse gerado por uma dor permanente pode resultar em automutilação, incompetência imune e até mesmo em morte. O reconhecimento da dor é fundamental para sua prevenção ou mesmo tratamento e se tratando de animais, é uma tarefa desafiadora para os médicos veterinários. O seu diagnóstico acaba sendo baseado na associação de avaliações subjetivas e objetivas, requerendo uma observação cuidadosa do paciente, a fim de identificar alterações comportamentais, hormonais e metabólicas. Essa dor pode ser classificada em aguda, quando ela ocorre no tempo esperado de inflamação e cura, ou em crônica, quando ela permanece por vários meses. Com o uso de analgésicos é possível inibir mecanismos distintos de produção da dor, sendo obrigação do médico veterinário avaliar corretamente essa dor para promover a analgesia necessária visando trazer de volta o bem-estar do animal. Diante do exposto, com o presente artigo de revisão, objetivou-se descrever sobre o processo fisiopatológico que resulta na sensação dolorosa e quais são os mecanismos empregados para o reconhecimento da mesma em pequenos animais, uma vez que os mesmos não são capazes de verbalizar o grau de desconforto que apresentam na presença da dor.

Palavras-chave


analgesia, cães, gatos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C.D.B. et al. Classificação dos processos dolorosos em medicina veterinária - revisão de literatura. Veterinária em Foco, v.3, n.2, p.107118, 2006. ANDRADE, S.F. Analgésicos. In:______. Manual de terapêutica veterinária. 3. ed. São Paulo: Roca, 2008. Cap. 6, p. 77-88 (a). ANDRADE, S.F. Antiinflamatórios. In:______. Manual de terapêutica veterinária. 3. ed. São Paulo: Roca, 2008. Cap. 7, p. 115-140 (b). BARRATT, S. Advances in acute pain management. International Anesthesiology Clinics, v.35, p.2734, 1997. BASSO, P.C. et al. Analgesia transoperatória em cães e gatos. Clínica Veterinária, n.77, p.62-68, 2008. BISTNER, S.I. et al. Tratamento da dor em pacientes traumatizados. In:______. Manual de procedimentos veterinários & tratamento emergencial. 7. ed. São Paulo: Roca, p.7-15, 2002. CARROLL, G.L. Analgesics and pain. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v.29, n.3, p.701-717, 1999. CASTRO, D.S. Comparação entre o efeito analgésico da morfina e do tramadol epidural em gatos (Felis catus domesticus). Rio de Janeiro, 2008. 48f. Dissertação. (Mestrado em Ciências Veterinárias). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. CLINICAL REPORT. Guidelines for the management of pain in veterinary practice. Australian Veterinary Practitioner, v.26, n.4, p.206-209, 1996. COPPENS, P. The Analgesic plan: a strategy to control pain. The European Journal of Companion Animal Practice, v.10, n.1, p.23-27, 2000. CUNHA, J.M.C.C.P.; CORTOPASSI, S.R.; MACHADO, A. Analgesia transoperatória induzida pela morfina ou meperidina em gatos submetidos a osteossíntese. Ciência Rural, v.32, n.1, p.67-72, 2002. DOHOO, S.E.; DOHOO, I.R. Postoperative use of analgesics in dogs and cats by Canadian veterinarians. Canadian Veterinary Journal, v.37, n.9, p.546-551, 1996. DUBAL, V.S. et al. Analgesia pós-operatória em descompressão medular cervical em cães – revisão. Veterinária em Foco, v.5, n.1, p.28-37, 2007. EPSTEIN, M. et al. Pain management guidelines for dogs and cats. Journal of the American Animal Hospital Association, v.51, n.2, p.67–84, 2015. FALEIROS, R.R.; ALVES, G.E.; MARQUES, A.P. Dor aguda: vias anatômicas, bioquímica e fisiopatologia. Caderno Técnico da Escola de Veterinária da UFMG, n. 21, p.5-14, 1997. FANTONI, D.T.; KRUMENERI, J.L.; GALEGO, M.P. Utilização de analgésicos em pequenos animais. Clínica Veterinária, n.28, p.23-33, 2000. FANTONI, D.T.; MASTROCINQUE, S. Fisiopatologia e controle da dor. In: FANTONI, D.T; CORTOPASSI, S.R. Anestesia em cães e gatos. São Paulo: Roca, 2002. Cap.31, p.324-326. FANTONI, D. T. Fatos históricos: a dor como sinal vital; a ética no tratamento da dor; princípios básicos de farmacocinética e farmacodinâmica dos analgésicos para alívio da dor. In: FANTONI, D.T. Tratamento da dor na clínica de pequenos animais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.cap.1-3, p.3-27. HANSEN, B.D. Therapeutics in practice: analgesic therapy. The Compendium on Education for the Practicing Veterinarian, p.868-875, 1994. IASP INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR THE STUDY OF PAIN. (2011) Classification of chronic pain descriptions of chronic pain syndromes and definitions of pain terms. 2nd (Revised). Disponível em: . Acesso em: 08 fev.16. IMAGAWA, V.H. Avaliação da eficácia analgésica de três doses diferentes da dipirona sódica em cadelas submetidas a ovariosalpingohisterectomia. 2006. 122f. Tese. (Doutorado em Ciências) – Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. Universidade de São Paulo, São Paulo. LUNA, S.P.L. Dor, senciência e bem-estar em animais: senciência e dor. Ciência Veterinária nos Trópicos, v.11, p.17-21, 2008. MALM, C. et al. Ovário-histerectomia: estudo experimental comparativo entre as abordagens laparoscópicas e aberta na espécie canina-III. Estresse pela análise do cortisol plasmático. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.57, n.5, p.584-590, 2005.

MASTROCINQUE, S.; FANTONI, D.T. Modulação da resposta neuroendócrina a dor pós-operatória em cães. Clínica Veterinária, n.31, p.25-29, 2001. MACFARLANE, P.D.; TUTE, A.S.; ANDERSON, B. Therapeutic options for the treatment of chronic pain in dogs. Journal of Small Animal Practice, v.55, n.3, p. 127-134, 2014. MUIR, W.W. Fisiologia e fisiopatologia da dor. In: GAYNOR, J.S.; MUIR III, W.W. Manual de controle da dor em medicina veterinária. 2. ed. São Paulo: Medvet, 2009. Cap. 2, p.13-41. MUIR, W.W. Pain and stress: stress induced hyperalgesia and hyporalgesia. In: GAYNOR, J.S.; MUIR, W.W. Handbook of veterinary pain management. 3. ed. St. Louis: Elsevier, 2015. Cap.3, p.42-60. NATALINI, C.C. Teorias e técnicas em anestesiologia veterinária. In: ______. Teorias e técnicas em anestesiologia veterinária. Porto Alegre: ArtMed, 2007. Cap. 3, p. 53-56. ROSA, A.L.; MASSONE, F. Avaliação algimétrica por estímulo térmico e pressórico em cães pré-tratados com levomepromazina, midazolam e quetamina associados ao butorfanol ou buprenorfina. Acta Cirúrgica Brasileira, n.1, v.20, p.39, 2005. SACKMAN, J.E. Pain and it’s management. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v. 27, n.6, p.1487-1503, 1997. SHAFFORD, H.L.; LASCELLES, B.D.X.; HELLYER, P.W. Preemptive analgesia: managing pain before it begins. The Compendium on Continuing Education for the Practicing Veterinarian, v.96, n.6, p.478-491, 2001. SILVA, C.R.A. Métodos de aferição de pressão arterial em cães anestesiados com propofol e mantidos por halotano. 2010. 45f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) – Medicina Veterinária. Universidade Federal do Piauí. TRANQUILLI, W.J.; GRIMM, K.A.; LAMONT, L.A. Terminologia, fisiologia, reconhecimento e estratégias clínicas para tratamento da dor. In:______. Tratamento da dor para o clínico de pequenos animais. 2. ed. São Paulo: Roca, 2005. Seção 1, p. 1-12.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
 
 
Medicina Veterinária (UFRPE)
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Departamento de Medicina Veterinária
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n
Dois Irmãos, Recife, Pernambuco
CEP: 52171-900. Brasil.
+55 (081) 3320-6401