MOTIVAÇÃO E AUTOESTIMA PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE FEITA COM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DA REDE PÚBLICA DE GARANHUNS

Autores

  • Viviane Maria Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco-Unidade Acadêmica de Garanhuns

Palavras-chave:

Autoestima. Trabalho. Professor. Educação.

Resumo

O presente artigo teve como objetivo analisar através de um questionário, a autoestima profissional do professor da educação básica, considerando o atual contexto político e social que esse sujeito vivência. Sendo a autoestima a forma como o indivíduo si percebe e que influencia diretamente na sua relação com outras pessoas. Entende-se que, se o professor não estiver satisfeito com si mesmo em relação ao seu trabalho, o seu desempenho profissional e a sua relação com seus alunos serão prejudicados, assim como o processo de ensino e aprendizagem. Mediante aspectos como, desvalorização profissional e salarial, duplas jornadas de trabalhos, falta de materiais, indisciplinas entre outros, o trabalho do professor vem se tornando uma profissão cada vez menos atrativa e com isso, a autoestima desse profissional corre riscos de ser prejudicada.

Referências

BRANDEN, Nathaniel. Auto-estima: como aprender a gostar de si mesmo. São Paulo, SP: Saraiva, 2000.

CANDAU, Vera Maria et al. Oficinas pedagógicas de direitos humanos. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

CASTELO-BRANCO, M. C., & PEREIRA, A. S. A auto-estima, a satisfação com a imagem corporal e o bem-estar docente. Psicologia, Educação e Cultura, 5, 335-346, 2001.

CAVALCANTI, M. J. A. Aprendizagem & auto-estima. Monografia, 2003. Rio de Janeiro: Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://docslide.com.br/documents/aprendizagem-e-auto-estima.html>. Acesso em: 18 de janeiro de 2019.

FREIRE, Paulo. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FRIGOTTO, G. Trabalho, conhecimento, consciência e a educação do trabalhador: impasses teóricos e práticos. In: GOMES, Carlos Minayo et al. Trabalho e conhecimento: dilemas na educação do trabalhador. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2004. p. 13-26.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

ISRAEL, R. B. Avaliação dos níveis de estresse em professores de escolas públicas de Belém. 2010. 66 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Curso de Fisioterapia do Centro de Ciências Biológicas e

da Saúde-CCBS, Universidade da Amazônia, Belém, 2010.

KUPFER, Maria Cristina. Freud e a Educação – O mestre do impossível. São Paulo: Scipione, 1995.

LEITE, Janete. Produtivismo acadêmico está acabando com a saúde dos docentes. Quarta mesa do Seminário Ciência e Tecnologia no Século 21, ANDES-SN, Brasília, nov; 2011. Disponível em: e/ou. Acesso em: 2 jun. 2011.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 4.ed. Cortez, 2000.

LIBÂNEO, J. C. A identidade profissional dos professores e o desenvolvimento de competências. In: Organização e gestão da escola. 5ª Ed. Teoria e prática. Goiânia: MF livros, 2008.

NARVAES, A. B. Imagens docentes. In: RAYS, O. A. (Org.). Educação: ensaios reflexivos. Santa Maria: Pallotti, 2002.

NÓVOA, A. (Org.) Profissão professor. Portugal: Porto, 2. ed., 1995.

OLIVEIRA, D. A. As reformas educacionais e suas repercussões sobre o trabalho docente. In: OLIVEIRA, D. A. (Org.). Reformas educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 13-35.

PARO, V. H. Situação e perspectivas da administração da educação brasileira: uma contribuição. Revista brasileira de administração da educação, Brasília, v. 12, n. 2, 2a. parte, p. 207-224, jul./dez. 1996.

PARO, V. H. Trabalho docente na escola fundamental: questões candentes. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 42, n. 146, p. 586-611, 2012.

SATYRO, Natália; SOARES, Sergei. A infraestrutura das escolas brasileiras de ensino fundamental: um estudo com base nos censos escolares de 1997 a 2005. Brasília: IPEA, 2007.

SPIVAKOSKI, Lorimar S. S. Mal-estar docente: prevenção e politicas publicam. Disponível em <http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_lo rimar_salete_sartor_spivakoski.pdf>. Acesso em: 12 de fevereiro de 2019.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. Trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

VASCONCELLOS, C. S. Disciplina e indisciplina na escola. Presença Pedagógica. Belo Horizonte, v. 19, n. 112, p. 5-13, jul-ago, 2013.

VOLI, Franco. A auto-estima do professor. São Paulo: Loyola, 1998.

WEBER, S. Políticas de formação de professores e seu impacto na escola. In CANDAU, V. M. (Org.) Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

ZANDONATO, Z. L. Indisciplina escolar e a relação professor-aluno, uma análise sob as perspectivas moral e institucional. 2004. 191 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Edição

Seção

Artigos