ENSINO DE CIÊNCIAS A PARTIR DE UMA CARTILHA EDUCATIVA: UM ESTUDO SISTEMÁTICO DO PODER DAS PLANTAS CURATIVAS

Autores

  • Amanda Cordeiro de Melo Souza Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Carla Maria Oliveira da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Geyvson Carlos Barbosa Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Graziele Maria da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Ivan Gabriel de Santana Venâncio Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Marcela Barbosa e Silva Vasconcelos Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Silvânia Santana Meireles Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Robson Ugo Ferreira Souza Filho
  • Ednilza Maranhão dos Santos Universidade Federal Rural de Pernambuco

Palavras-chave:

Ensino de Ciências. Ferramenta Didática. Tecnologia Educacional.

Resumo

O poder curativo das plantas é tão antigo quanto o aparecimento da espécie humana na Terra. No Brasil, grande parte da população ainda se utiliza de práticas complementares para cuidar da saúde, como o uso das plantas medicinais, empregada para aliviar ou mesmo curar algumas enfermidades. O uso de cartilhas educativas com designer inovador e leitura atrativa contribui para a melhoria do conhecimento e da promoção do autocuidado. O objetivo do trabalho é descrever o processo de construção de uma cartilha pra crianças, com o intuito de explanar e valorizar as plantas com poderes curativos. Para elaboração da cartilha, houve a pesquisa do conteúdo, conforme literatura pertinente. Posteriormente utilizou-se o Google, buscando a expressão-chave “plantas que curam”, e foram selecionados blogs e vídeos sobre o tema. Por conseguinte, ocorreu a criação de imagens e seleção de cores e letras, optando-se pela imagem gráfica em formato de desenho. Por fim, realizou-se a diagramação da cartilha e composição do layout. Na perspectiva da construção do conhecimento e a fim de proporcionar uma leitura ativa e interativa, a cartilha possui jogo, glossário e dicas. Tais estratégias acrescentam o lúdico e potencializam o processo de ensino e aprendizagem, tornando-o prazeroso e desafiador, além de fornecer feedback ao conteúdo explanado.

Referências

ALTET, M. As pedagogias da Aprendizagem. In: Coleção Horizontes Pedagógicos. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

BRAGA, J. Objetos de aprendizagem: introdução e fundamentos. Santo André: UFABC, 2014.

BRANCO, E. P.; ROYER, M. R.; BRANCO, A. B. G. A abordagem da Educação Ambiental nos PCNS, nas DCNS e na BNCC. Nuances: Estudos sobre Educação, v. 29, n. 1, p. 185-203, 2018.

CABELLO, K. S. A.; MORAES, M. O. Como uma cartilha para falar em hanseníase transformou-se em história em quadrinhos. Revista Ciências & Ideias, n. 1, v. 1, p. 87-92, 2010.

CARUSO, F.; CARVALHO, M.; SILVEIRA, M. C. Uma proposta de ensino e divulgação de ciências através dos quadrinhos. In: Ciência & Sociedade, 2002.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. A utilização de Recursos didático-pedagógicos na motivação da aprendizagem. In: Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, 2009. Anais do I SINECT.

CASTELLAR, S. M. V. A formação de professores e o ensino de geografia. Terra Livre, n. 14, p. 51-59, 1999.

CAVAGLIER, M. C. S.; MESSEDER, J. C. Plantas Medicinais no Ensino de Química e Biologia: Propostas Interdisciplinares na Educação de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 14, n. 1, 2014.

FONSECA, G.; CALDEIRA, A. M. A. Uma reflexão sobre o ensino aprendizagem de ecologia em aulas práticas e a construção de sociedades sustentáveis. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 3, p.70-92, 2008.

MACIEL, A. M. M.; PINTO, A. C.; VEIGAR JR., V. F. Plantas Medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MARTEIS, L. R., MAKOWSKI, L. S.; SANTOS, R. L. C. Abordagem sobre dengue na educação básica em Sergipe: análise de cartilhas educativas. Scientia Plena, v. 7, n. 6, 2011.

MIRANDA, R. R.; MENDES, R. M. S.; BONILLA, O. H.; PANTOJA, L. D. M.; CHAVES, B. E. Desvendando a vegetação do Parque Botânico Estadual do Ceará através de uma cartilha educativa. Revista Brasileira de Biociências, v. 15, n. 2, 2017.

PEIXOTO, J.; ARAÚJO, C. H. S. Tecnologia e educação: algumas considerações sobre o discurso pedagógico contemporâneo. Revisão & Síntese, v. 33, n. 118, 2012.

RABELO, R. C.; GUTJAHR, A. L. N.; HARADA, A. Y. Metodologia do processo da elaboração da cartilha educativa “o papel das formigas na natureza”. Enciclopédia Biosfera, n. 21, v. 11, p. 2769-2777, 2015.

SANTOS, M. C. A importância da produção de material didático na prática docente. In: Congresso Brasileiro de Geógrafos, 7, 2014. Vitoria/ES, 2014. Anais do VII CBG.

SASSERON, L. H. Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Revista Ensaio, v. 17, p. 49-67, 2015.

SENNA, S. N., SILVA, M. V. & VIEIRA, M. R. 2006. Uso de cartilha com atividades lúdicas como material complementar para o ensino e aprendizagem de doenças parasitárias. In: ENCIVI - Encontro das Ciências da Vida, 6, Ilha Solteira, SP, 2012. Anais Ilha Solteira.

SILVA, P.B.; AGUIAR, L.H.; Medeiros, C.F. O Papel do Professor na Produção de Medicamentos Fitoterápicos. Revista Química Nova na Escola, n. 11, p. 19-23, 2000.

SILVA, M. A. S.; SOARES, I. R.; ALVES, F. C.; SANTOS, M. N. B. Utilização de Recursos Didáticos no processo de ensino e aprendizagem de Ciências Naturais em turmas de 8º e 9º anos de uma Escola Pública de Teresina no Piauí. In: Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, 7, Palmas, 2012. Anais do VII CONNEPI.

SOUZA, S. E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. In: I ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, IV JORNADA DE PRÁTICA DE ENSINO, XIII SEMANA DE PEDAGOGIA DA UEM, Maringá, 2007.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, n. 4, v. 57, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-29 — Atualizado em 2020-12-29

Versões

Edição

Seção

Artigos