OBRAS BURLESCAS DE TOMÉ TAVARES: REMINISCÊNCIAS BOCCACCIANAS

Cidália Dinis

Resumo


Filho de uma época de profundas metamorfoses, Tomé Tavares (1570-1634) insere-se nas coordenadas de um espírito barroco, marcado pelo desnudamento das palavras e pela ‘guilhotina’ da sátira viperina e desmedida. Numa sociedade manchada pela hipocrisia e pelas frivolidades mundanas, a sátira burlesca surge como um sopro regenerador, dando lugar não só a um riso irreverente, muitas vezes de cumplicidade, mas também como factor de libertação mediante um mundo impregnado de valores deturpados.

Palavras-chave


Poesia; Barroco; Sátira.

Texto completo:

PDF

Referências


BOCCACCIO, Giovanni. Decâmeron, tt. I, II. Mem Martins: Publicações Europa-América, s/d.

CORREIA, Natália. Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica: dos cancioneiros medievais à actualidade. Lisboa: Ulisseia, 2000.

DINIS, Cidália. Obras Burlescas de Tomé Tavares – Estudo e Edição Crítica. Germany: Martin Meidenbauer, 2008.

FLORA, Francesco. Storia della Litteratura Italiana. vol. I. Verona: Arnoldo Mondadori, 1967.

HODGART, Mattew. La sátira. Madrid: s. e., 1969.

MOMIGLIANO, Attilio. História da Literatura Italiana: das origens até aos nossos dias. São Paulo: Instituto progresso editorial, 1948.

MORAIS, Cristóvão Alão de. Pedatura Lusitana, vol. III. Braga, 1997.

ROSA, António Ramos. Poesia, Liberdade Livre. Lisboa, 1986.

SHELLEY, Percy. Defensa de la poesia. Buenos Aires, 1946.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Entheoria: Cadernos de Letras e Humanas ISSN 2446-6115

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Indexadores: 

Departamento de Letras e Artes - Programa de Pós-graduação em Estudos Literários - UEFS (http://www2.uefs.br/ppgldc/revistas.html)