Formulation of morning product using food residues

Maria do Rosário de Fátima Padilha, Neide K. S. Shinohara, Eron Ferreira, Indira M. E. Macedo, José Machado, Pedro M. Carvalho-Neto

Resumo


In Brazil, there is resistance of the population to the use of stalks, leaves, peels and seeds of vegetables and fruits, leading to trash important parts of the food in good physiological conditions and with the presence of potential nutrients. In this research, a morning product was elaborated using green and dry coconut residue, jerimum and melon seed, crystallized sicilian lemon peel, cashew nut, common rapadura sweet and ginger. The bacteriological tests proved the hygienic-sanitary quality of the product, therefore suitable for consumption, that is, according to RDC 12/2001. It was also observed that the dehydration of all the residues reached the legal levels and accepted by ANVISA that limits in 25% the water content in the dehydrated foods. As for the centesimal composition, it was observed that the elaborated product with residues and other ingredients had a good content of macro nutrients. A use of the type of waste as a new food proposal constitutes an alternative to avoid and reduce: the serious environmental problem caused by the large residual volume generated, and the inadequate places in which they are stored or deposited, aggravating the scenario of food-borne pollutants.


Palavras-chave


total utilization of food, sustainable practices, product morning

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Regulamento técnico sobre condições higiênico-sanitárias e de boas práticas de fabricação para estabelecimentos produtores/industrializadores de alimentos. Portaria n. 326, de 30 jul. 1997. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2006.

AFFENITO S.G. Breakfast: a missed opportunity. J Am Diet Assoc. 2007; 107(4):565-569.

AOAC: ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official Methods of Analysis of AOAC International. 17th etd., AOAC International, Arlington, 2003.

BISPO, R. Muito mais do que a média com pão e manteiga. O estado de São Paulo, 5 de setembro, p. C 5, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual integrado de vigilância epidemiológica da cólera. Brasília – DF. 2008. Disponível: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_integrado_vig_colera.pdf. Acesso: 23/07/2012.

BRASIL. Ministério da Saúde.Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

BRASIL. Resolução - RDC nº 12. Regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos 2001.

BRIGIDO, B. M. et al. Queijo minas frescal: avaliação da qualidade e conformidade com a legislação. Rev.Inst. Adolfo Lutz, v. 63, n. 2, p. 177-185, 2004.

CAMPOS JO. Gestão de resíduos: valorização e participação. Rio Claro: LPM/IGCE/UNESP; 2005.

DIAS, Maria Clarice. Comida jogada fora. Jornal Correio Brasiliense.Brasília 31 de agosto 2003. Disponível em: . Acesso: 20/11/2009.

DROUARD, A. Naissance et évolution du petit dégeuner en France. Cahier de Nutrition et Diétetic, v. 34, n.3, p. 167-171, 1999.

FAOBR.Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Representação da FAO no Brasil. Desperdício de alimentos tem consequências no clima, na água, na terra e na biodiversidade. Noticias. 2013. Disponivel em : http://www.fao.org.br/daccatb.asp. Acesso : 03.05.2017.

GALISA, M.S.; ESPERANÇA, L.M.B.; SÁ, N.G. de. Nutrição, conceitos e aplicações. São Paulo: M. Books, 2008.

GUIMARÃES, A.C.V.T. Consumo e qualidade do café da manhã de pré-escolares. Universidade Federal de Goiás. Faculdade de Nutrição. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Saúde. 2014. 128p.

GONDIM J. et al. Composição centesimal e de minerais em cascas de frutas. Ciênc Tecnol Aliment, Campinas 2005; 25 (4): 825-827.

GONDIM, J.A.M., MOURA, M.F.,DANTAS, A.S., MEDEIROS, R. L., SANTOS, K. M.. Composição centesimal e de minerais em cascas de frutas. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 25(4): 825-827, out.-dez. 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação. População do Brasil.2017. Disponivel no: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/. Acesso: 07.07.2017.

HOUAISS A, VILLAR MS. Dicionário da língua brasileira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva; 2004.

LICUMBA, Firmino Jossefa. Projecto de uma estufa solar para secagem de frutas. Projeto de curso. Faculdade de Engenharia. Departamento de Engenharia Mecânica.Universidade Eduardo Mondlane. 55f,Maputo, 2009.

LUNA, A. Alimentos: o desperdício que mata. Espaço Cidadania. São Paulo, 2001. Disponível em: . Acessado em: 12 ago. 2011.

MARS, A. ONU alerta que o mundo vive a pior crise humanitária em 70 anos. Jornal El País. Internacional. Nova York Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/03/11/internacional/1489186916_587899.html. Acesso em: 05.04.2017

MORTATTI, M. P. L. et al. Avaliação microbiológica de doces cremosos comercializados na cidade de Araraquara – SP. Alim. Nutr., v. 4, p. 89- 97, 1992.

MEYERS, A.F. et al. School breakfast program and Scholl Performance. American Journal Disease Children, v.143, p. 1234-1239, 1989.

MONTEIRO, C. et al. Monitoramento de fatores de risco para doenças crônicas por entrevistas telefônicas. Revista de Saúde Pública, 2005, v.39, n.1, p. 47-57.

ORTEGA, R.M. et al. Associations between obesity breakfast-time food habits and intake of energy and nutrients in a group of elderly Madrid residents. Journal of the American College Nutrition, v.15, n.1, p. 65-72, 1996.

QUEIROZ, A.J. de M. Propriedades físicas e pré-resfriamento de umbu (Spondia tuberosa, 2007. Arruda Câmara). Campina Grande: UFPB, 1997. 145f (Dissertação de Mestrado).

RAMPERSAUD GC, Pereira MA, Girard BL, Adams J, Metzl J. Breakfast habits, nutritional status, body weight, and academic performance in children and adolescents. J Am Diet Assoc. 2005; 105(5):743-60.

RECINE, E., LEAO, M.M.. O direito a alimentação adequada e o fome zero. In: Fome Zero: Uma história Brasileira. v. II, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome: Brasília, 2010.

ROCHA TS et al. A cultura do desperdício de alimentos e seus impactos na sociedade: estudos de revisão. In: II Simpósio de Produtividade em Pesquisa e II Encontro de Iniciação Científica do Instituto Federal do Piauí; 2006 nov. 03-06.

SANTOS, V. M. da S.; FERREIRA, W.R; PINTO, RL.U. de F. Simulação e otimização do processo de secagem de frutas em um secador do tipo túnel concorrente. Revista Brasileira de Armazenagem. Viçosa, v. 22, n. 1, p. 23-32. 1997.

SILVA N, Junqueira VCA, Silveira NFA. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos. Livraria Varela, São Paulo, 2001.

THIS, H. Um cientista na cozinha. Tradução. 4ª ed. São Paulo: Ática, 2008.

TRANCOSO, S. L.; CAVALI, S. B.; PROENÇA. R.P.C.. Café da manhã: caracterização, consumo e importância para a saúde. Rev. Nutr. vol.23 no.5 Campinas Sept./Oct. 2010.

TRANCOSO, S.C.; CAVALLI, S.B.; PROENÇA, R.P.da C. Café da manhã: caracterização, consumo e importância para a saúde. Rev. Nutr., Campinas,

(5):859-869, set./out., 2010. Disponível em: nutricaoequilibrada.blogspot.com.

Acesso em 28.08.2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons