Análise da precipitação e determinação de equações de chuvas intensas para o município de Crato-CE situado no semiárido do Brasil

Autores

  • Antônio Italcy de Oliveira Júnior Universidade Federal de Pernambuco/ Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil
  • Emanuelly Soares Martins Prefeitura Municipal de Crateús/ Engenheira Civil
  • Celme Torres Ferreira da Costa Universidade Federal do Cariri/ Professora Associada
  • Hidaiane Fayga Matias Caldas Universidade Federal de Pernambuco/ Mestranda do Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil

Palavras-chave:

Maximum precipitation, Distribution of Gumbel, Distribution of Gama, Rain disaggregation method

Resumo

O estudo das chuvas intensas baseado nas equações Intensidade-Duração-Frequência (IDF), são usadas, por exemplo, para dimensionamento de projetos hidráulicos, planejamento urbano e ambiental, e desenvolvimento de sistemas de alertas de desastres naturais. O rio Granjeiro possui uma área de inundação que engloba grande parte do município de Crato no estado do Ceará, sendo por isso, fundamental o conhecimento das entradas de água no balanço hídrico local. Nesse sentido, este trabalho objetiva determinar as precipitações máximas associadas a diferentes períodos de retorno utilizando métodos probabilísticos e obter os parâmetros da equação IDF de chuvas intensas para o município de Crato. Utilizou-se uma série histórica de 42 anos que foi ajustada através das distribuições de Gumbel e Gama para obtenção das precipitações máximas. Os parâmetros das equações IDF foram determinados através do método de desagregação de chuvas em durações menores que 24 horas. Os resultados dos parâmetros obtidos para equações IDF baseados no método de Gumbel foram k= 1088,87, m = 0,178, b=11,5 e n = 0,7602 e para o método de Gama foram k = 1119,01, m= 0,133, b= 11 e n = 0,7558. As equações IDF obtidas apresentaram boas estimativas, com potencial de uso em aplicações hidráulicas e de planejamento em relação ao rio Granjeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Italcy de Oliveira Júnior, Universidade Federal de Pernambuco/ Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil

Graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Cariri (2015). Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Pernambuco (2018). Foi professor substituto da Universidade Federal do Cariri no período de 2015.2 a 2016.1 e do Instituto Federal do Sertão Pernambucano Campos Salgueiro no período de 2018.2 a 2019.1. Atualmente é Doutorando em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco com bolsa da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco.

Emanuelly Soares Martins, Prefeitura Municipal de Crateús/ Engenheira Civil

Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Cariri (2016), pós graduada em Engenharia de Segurança do Trabalho. Atualmente trabalha como engenharia civil na prefeitura de Crateús.

Celme Torres Ferreira da Costa, Universidade Federal do Cariri/ Professora Associada

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade de Pernambuco (1993), especialização em Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Pernambuco (1998), mestrado em Tecnologias Energéticas Nucleares pela Universidade Federal de Pernambuco (2000) e doutorado em Engenharia Civil (Recursos Hídricos) pela Universidade Federal do Ceará (2005). Exerceu de 2013 a 2015 o cargo de Pró-Reitora de Pesquisa e Inovação da Universidade Federal do Cariri (UFCA). Foi Professora e Pesquisadora da Universidade Federal do Ceará (UFC) no Campus do Cariri de 2006 a 2013, onde exerceu os cargo de Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional Sustentável (PRODER/UFC). Foi Bolsista de Produtividade do CNPq entre os anos de 2009 e 2012. Líder do Grupo de Pesquisas Tecnologia, Recursos Hídricos e Meio Ambiente na Região do Cariri/CE. Atualmente é professora Associada e pesquisadora da Universidade Federal do Cariri (UFCA), vinculada aos Programas de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional Sustentável (PRODER/UFCA) com atuação na área de Engenharia Civil, com ênfase em Recursos Hídricos, atuando principalmente nos seguintes temas: modelagem e simulação hidrológica, contaminação por derivados de petróleo, água subterrânea e qualidade de água, vulnerabilidade de aquíferos, sustentabilidade e segurança hídrica, tecnologia social, meio ambiente, desenvolvimento sustentável e gestão ambiental.

Hidaiane Fayga Matias Caldas, Universidade Federal de Pernambuco/ Mestranda do Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil

Estudante de mestrado na área de Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos, com ênfase em Tecnologia Ambiental. Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Campina Grande, onde atuou como monitora bolsista na respectiva Unidade Acadêmica, e também no cargo de Assessora de Projetos na Alicerce Consultoria Júnior. Atualmente, desenvolve pesquisas na temática da Qualidade da Água e Gestão de Recursos Hídricos, através da participação no Programa de Monitoramento de Qualidade de Água e Limnologia (PBA-22) do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional, financiado pelo Ministério da Integração Nacional, sob coordenação da Professora Dra. Maria do Carmo Sobral.

Referências

ABUBAKARI, S.; KUSI, K. A.; XIAOHUA, D. Revision of the Rainfall Intensity Duration Frequency Curves for the City of Kumasi-Ghana. The International Journal Of Engineering And Science, v.6, n.1, p.51-56, 2017.

ALEXANDERSSON, H.; MOBERG, A. Homogenization of Swedish temperature data. Part I: Homogeneity test for linear trends. International Journal of Climatology, v.17, p. 25–34, 1997.

ANDRADE, A. R. de; BALDO, M. C.; NERY, J. T. Variabilidade sazonal da precipitação pluviométrica de Santa Catarina. Acta Scientiarum. Technology, v.21, n.4, p.923-928, 1999.

ARAÚJO, A. O.; MENDONÇA, L. A.R.; LIMA, M. G. de S.; MENDONÇA, E. de S.; SILVA, F. J. A. da; SASAKI, J. M.; OLIVEIRA JÚNIOR, A. I. de; FEITOSA, J. V. Adjustment of decay rates of organic matter in a Latossolo Vermelho-Amarelo in the Araripe National Forest, Brazil. African Journal of Agricultural Research, v. 12, n. 8, p. 588 – 596, 2017.

ARYEE, J. N. A., AMEKUDZI, L. K., QUANSAH, E., KLUTSE, N. A. B., ATIAH, W. A., & YORKE, C. Development of high spatial resolution rainfall data for Ghana. International Journal of Climatology, v.38, n.3, p. 1201–1215, 2018.

BRITO, D. da S.; Silva, J. M. O. Estudo dos impactos pluviométricos e os eventos extremos no município de Crato-CE. Revista Geonorte, v.3, n.8, p.964-976, 2012.

Companhia Ambiental de São Paulo. Drenagem Urbana–Manual de Projeto. São Paulo: CETESB/ASCETESB. 1986.

Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos. Monitoramento e previsão do fenômeno El-Niño e La-Niña. Cachoeira Paulista: CPTEC. Disponível em http://enos.cptec.inpe.br/. Acesso em 17 de fevereiro de 2017.

FRISCHKORN, H.; ARAÚJO, J. C. de; SANTIAGO, M. M. F. Water resources of Piauí and Ceará. Gaiser; Krol; Frischkorn; Araújo.(Org.). Global change and regional impacts, v.1, p.87-94, 2003.

Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Sistemas meteorológicos causadores de chuva na região nordeste do Brasil. Fortaleza: FUNCEME. Disponível em http://www.funceme.br/produtos/script/chuvas/Grafico_chuvas_postos_pluviometricos/entender/entender2.htm. Acessado em 03/07/2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/crato/panorama. Acessadoem 28/06/2017.

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil Básico Municipal de Crato. Fortaleza: IPECE. Disponível em: . Acessado em 14/07/2017.

MARENGO, J. A.; VALVERDE, M. C. Caracterização do clima no Século XX e Cenário de Mudanças de clima para o Brasil no Século XXI usando os modelos do IPCC-AR4. Revista Multiciência, v.8, p.5-28, 2007.

MELLO, C. R.; FERREIRA, D. F.; SILVA, A. M.; LIMA, J. M. Análise de modelos matemáticos aplicados ao estudo de chuvas intensas. Revista brasileira de ciência do solo, v.25, n.3, p.693-698, 2001.

MOLION, L. C. B.; BERNARDO, S. D. O. Uma revisão da dinâmica das chuvas no nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, v.17, n.1, p.1-10, 2002.

NAGHETTINI, M.; PINTO, É. J. D. A. Hidrologia estatística. Belo Horizonte: CPRM. 2007.

PENNER, G. C.; LIMA, M. P. Comparação entre métodos de determinação da equação de chuvas intensas para a cidade de Ribeirão Preto. Geociências (São Paulo), v.35, n.4, p.542-559, 2016.

OLIVEIRA JÚNIOR, A. I. de; MENDONÇA, L. A. R.; FONTENELE, S. de B.; ARAÚJO, A. O.; BRITO, M. G. de S. L. Statistical multivariate analysis applied to environmental characterization of soil in semiarid region. Revista Caatinga, v. 32, n. 1, p. 200 – 210, 2019.

RODRIGUES, J. O.; ANDRADE, E. M. D.; OLIVEIRA, T. S. D.; LOBATO, F. A. de O. Equações de intensidade-duração-frequência de chuvas para as localidades de Fortaleza e Pentecoste, Ceará. Scientia Agraria, v.9, n.4, p.511-520, 2008.

SILVA, F. O. E. D., PALÁCIO JÚNIOR, F. F. R.; CAMPOS, J. N. B. Equação de chuvas para Fortaleza-CE com dados do pluviógrafo da UFC. Revista DAE, v.192, p.48-59, 2013.

SILVA, V. P. da; PEREIRA, E. R.; AZEVEDO, P. V.de; SOUSA, F. D. A.de; SOUSA, I. F.de. Análise da pluviometria e dias chuvosos na região Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.15, n.2, p.131-138, 2011.

VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill. 1975.

WILLMOTT, C. J. On the validation of models. Physical geography, v.2, n.2, p.184-194, 1981.

Downloads

Publicado

2019-12-27

Como Citar

Oliveira Júnior, A. I. de, Martins, E. S., Costa, C. T. F. da, & Caldas, H. F. M. (2019). Análise da precipitação e determinação de equações de chuvas intensas para o município de Crato-CE situado no semiárido do Brasil. Revista Geama, 5(3), 56–65. Recuperado de http://journals.ufrpe.br/index.php/geama/article/view/2806

Edição

Seção

ARTIGOS