Perfil epidemiológico das intoxicações exógenas no município de Moreno-PE no período de 2012 a 2015

Raquel de Albuquerque Brasil Burity, Juliana Siqueira Duarte Ribeiro, Evelen da Silva Guimarães, Jonathan Martins de Freitas, Marciella Thais Dino de Freitas, Gianniny Vignoly Pereira da Silva Lima, José Wilton Pinheiro Júnior, Daniel Friguglietti Brandespim

Resumo


Objetivou-se descrever as características do perfil epidemiológico das intoxicações exógenas, no Município de Moreno, Estado de Pernambuco, no período de 2012 a 2015. Foi realizado um estudo epidemiológico do tipo descritivo, onde foram analisadas a faixa etária, sexo, tipo de agente tóxico, utilização de agrotóxicos e motivo de exposição dos indivíduos acometidos pelas intoxicações exógenas registradas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Foram notificados 109 casos de intoxicação exógena no período de 2012 a 2015, sendo as maiores frequências, encontradas em adultos (51,1%), e os principais agentes tóxicos corresponderam aos medicamentos (41,3%) e agrotóxicos agrícolas (12%). Em 94,5% dos casos, o agrotóxico utilizado não foi informado. Dos 109 casos de intoxicação exógena, 37 (33,9%) ocorreram pela tentativa de suicídio. Os dados analisados permitem concluir que o quantitativo de dados em branco, nas fichas de notificação dificulta o desenvolvimento de estratégias de prevenção das intoxicações pela Vigilância em Saúde, bem como a instituição de tratamentos específicos para os pacientes intoxicados pela Atenção Primária a Saúde.

Palavras-chave


suicídio; medicamentos; vigilância epidemiológica; agrotóxico.

Texto completo:

PDF

Referências


Borges, A. Portugal 1997. Annual Report. Lisboa: Centro de Informação Antivenenos, Instituto Nacional de Emergência Médica, Ministério da Saúde, 1998. Burger, M. Informe de actividades año 1996. Montevideo: Centro de Información y Asesoramiento Toxicológico, 1997. BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Decreto n° 98.816, de 11 de janeiro de 1990. Regulamenta a Lei 7.802, de 11 de julho de 1989.

Dispõe sobre a pesquisa, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Legislação federal de agrotóxicos e afins. Diário Oficial da União. Secção 1: 887-888, 1990. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017. BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Notificações segundo agente tóxico. Brasília (DF). 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2017. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Secção 1: 23-24, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Agrotóxicos na ótica do Sistema Único de Saúde. Brasília (DF), 2016b. Litovitz, T.L.; Schwartz, W.K.; Dyer, K.S.; Shannon, M.; Lee, S.; Powers, M. 1998 Annual Report of the American Association of Poison Control Centers Toxic Exposure Surveillance System. American Journal of Emergency Medicine, 16: 443-497, 1988.

Lourenço, J.; Furtado, B.M.A.; Cristine, B. Intoxicações exógenas em crianças atendidas em uma unidade de emergências pediátrica. Acta Paulista de Enfermagem, 208: 21(2):282-6, 2008.

Lovisi, G.V.M.; Santos, S.A.; Legay, L.; Lucia, L.; Abelha, L.; Valencia, E. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Revista Brasileira de Psiquiatria. 31: 586-93, 2009.

Medeiros, M.N.C; Medeiros, M.C; Silva, M.B.A. Intoxicação aguda por agrotóxicos anticolinesterásicos na cidade do Recife, Pernambuco, 2007-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(3): 509-518, 2014. PERNAMBUCO. Secretaria Estadual de Saúde. Secretaria-Executiva de Atenção à Saúde. Casos e mortes por chumbinho. Disponível em: . Acesso em 01 set. 2017.

Quiros-vega, D.; Salas-herrera, A.E.; Earle, Y.L. Informe anual de intoxicaciones de 1997. San José: Centro Nacional de Controle de Intoxicaciones de Costa Rica. 1998.

Rebelo, F.M., Heliodoro, V.O., Rebelo, R.M., Caldas, E.D. Intoxicação por agrotóxicos no Distrito Federal, Brasil, de 2004 a 2007 - Análise da notificação ao Centro de Informação e Assistência Toxicológica. Ciência e Saúde Coletiva, 16(8): 3493-3502, 2011.

SINITOX. Sistema Nacional de Informações Tóxico-farmacológicas. Dados nacionais de intoxicações. Brasília. 2015. Disponível em: Acesso em: 20 abr. 2017. Schvartsman, C.; Schvartsman, S. Intoxicações exógenas agudas. Jornal de Pediatria, 75(2): 244-250, 1999.

Teixeira, J.R.B.; Ferraz, C.O.; Couto Filho, J.C.F.; Nery A.C.A.; Cezar, A. Intoxicações por agrotóxicos de uso agrícola em estados do Nordeste brasileiro, 1999-2009. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(3): 497-508, 2014.

Viana, G.N.; Zenkner, F.M.; Sakae, T.M.; Escobar, B.T. Prevalência de suicídio no Sul do Brasil, 2001-2005. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 57(1): 38-43, 2008.

Vieira, N.R.S.; Dantas, R.A.N.; Dantas, D.V.; Santos, J.J.S.; Vasconcelos, E.F.L.; Carvalho, I.C.T. Caracterização da produção científica sobre intoxicações exógenas: revisão integrativa da literatura. Ung on line, Revista Saúde, 10(1): 47-60, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Exposure to highly hazardous pesticides: a major public health concern. Geneva. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.




DOI: https://doi.org/10.26605/medvet-v13n1-2609

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
 
 
Medicina Veterinária (UFRPE)
Universidade Federal Rural de Pernambuco
Departamento de Medicina Veterinária
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n
Dois Irmãos, Recife, Pernambuco
CEP: 52171-900. Brasil.
+55 (081) 3320-6401