Concepções Avaliativas de Professores de Química do Ensino Médio

Autores

  • Maria de Fátima Farias Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Wellington Pereira de Queirós Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
  • Wilson Botter Júnior Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.53003/redequim.v8i3.4951

Palavras-chave:

Avaliação, Ensino de Química, Tendências Pedagógicas

Resumo

Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa que investigou as concepções avaliativas de professores de Química da rede pública estadual de educação em Goiânia. É um estudo predominantemente qualitativo, baseado nos pressupostos da análise de conteúdo. A entrevista semiestruturada foi o instrumento escolhido para proceder à coleta dos dados, que foram analisados a partir da articulação entre as concepções avaliativas (formativa e certificativa) e as tendências pedagógicas (tradicional, tecnicista, progressivista e progressistas), assumidas como referencial teórico. As falas dos professores entrevistados apontam para uma prática avaliativa centrada na verificação, tendo na prova seu principal instrumento, mas, que no entanto, também valoriza a participação dos estudantes nas aulas. Suas falas sinalizam, ainda, para uma prática pedagógica pautada na transmissão/recepção dos conteúdos, na qual o livro didático é o principal recurso. Dessa forma, foi possível concluir que, no discurso desses professores, prevalece uma concepção avaliativa de caráter certificativo, baseada, ainda que de forma inconsciente, nos fundamentos da pedagogia tradicional, permeada por elementos do tecnicismo e do progressivismo. Ressaltamos a importância da problematização das questões relacionadas à avaliação, na perspectiva de uma educação progressista, como componente essencial na construção de uma escola que possibilite ao estudante tornar-se sujeito no processo histórico. Para tanto, o debate sobre a temática da avaliação na formação inicial e continuada é fundamental no processo de constituição do professor como profissional capaz de refletir criticamente sobre sua ação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Afonso, Almerindo J. (2003). Escola pública, comunidade e avaliação: resgatando a avaliação formativa como instrumento de emancipação. In: Esteban, Maria. T. (Org.). Avaliação: uma prática em busca de novos sentidos. (pp. 83-99). Rio de Janeiro: DP&A.

Bardin, Laurence (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bogdan, Roberto, & Biklen, Sari K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Chaves, Sandramara M. (1993). A avaliação da aprendizagem no ensino fundamental: realidade e possibilidades. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil.

Comenius, Iohannes A. (1978). Didática magna. São Paulo: Martins Fontes.

Demo, Pedro (2003). Avaliação sob o olhar propedêutico. Campinas: Papirus.

Demo, Pedro (2005). Ser professor é cuidar que o aluno aprenda. Porto Alegre: Mediação.

Deus, Thiago C. de & Guimarães, Miriã L. (2019). Avaliação da aprendizagem no Ensino Superior: concepções de professores de um curso de Licenciatura em Química. In XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - XII ENPEC. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br. Último acesso em 18 de julho de 2022.

Fernandes, Cláudia de O. (2008). Avaliação sem reprovação: elementos para o debate. In: Fetzner, Andréa R. (Org.). Ciclos em revista. Avaliação: desejos, vozes, diálogos e processos. (pp. 53-70). Rio de Janeiro: Wak.

Freire, Paulo (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gama, Zacarias Jaegger. (1997). Avaliação na escola de 2o grau. Campinas: Papirus.

GAMA, Zacarias Jaegger. (2018). Teorias de avaliação da aprendizagem. Curitiba: Appris.

Gasparin, João L. (2011). Avaliação na perspectiva histórico-crítica. In X Congresso Nacional de Educação. I Seminário internacional de representações sociais, subjetividade e educação (1973-1984). Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4557_2608.pdf. Último acesso em 21 de março de 2022.

Gasparin, João L. (2012). Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. Campinas, Brasil: Autores Associados.

Hadji, Charles (1994). A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. Portugal: Porto.

Hoffmann, Jussara (2001). Pontos & contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. Porto Alegre: Editora Mediação.

Hoffmann, Jussara (1998). Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Editora Mediação.

Hoffmann, Jussara (2005). O jogo do contrário em avaliação. Porto Alegre: Editora Mediação.

Hoffmann, Jussara (2019). Avaliação: mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Mediação.

Lacerda, Divaniella de O. (2019). Avaliação da aprendizagem no ensino de Biologia: concepções e indicativos da prática docente. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Brasil.

Libâneo, José C. (2001). Democratização da escola pública – a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Edições Loyola.

Libâneo, José C. (2013). Didática. São Paulo: Cortez.

Luckesi, Cipriano C. (1992). Avaliação da aprendizagem escolar: sendas percorridas. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Luckesi, Cipriano C. (2005). Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares.

Luckesi, Cipriano C. (2013). Avaliação da Aprendizagem Escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez.

Luckesi, Cipriano C. (2015). Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez.

Magalhães, Giselle. M., & Marsiglia, Ana C. G. (2013). Avaliação na perspectiva da Pedagogia Histórico-Crítica. Política e Gestão Educacional, 15.

Marconi, Mariana de A. & Lakatos, Eva. M (1996). Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Marinho, Julio C. B.; Calcagno, Samanta C.; & Silva, João A. da. (2018). Estado da Arte sobre avaliação no Ensino de Ciências. Revista Thema, 15(2), 653–671. https://doi.org/10.15536/thema.15.2018.653-671.847. Último acesso em 18 de julho de 2022.

Moretto, Vasco P. (2002). Prova: um momento privilegiado de estudo. Rio de Janeiro: DP&A.

Mota, Diego & Aguiar, Juliana M. de. (2021). O que pensam professores sobre avaliação: o núcleo central das representações sociais acerca de avaliação entre docentes do Colégio Pedro II. Revista De Gestão E Avaliação Educacional, 9(18), 1–16. https://doi.org/10.5902/2318133840033. Último acesso em 06 de julho de 2022.

Nascimento, Lucilene A. e L. do, & Rôças, Giselle. (2015). Portfólio: uma opção de avaliação integrada para o ensino de Ciências. Estudos Em Avaliação Educacional, 26(63), 742–767. https://doi.org/10.18222/eae.v0ix.3209. Último acesso em 18 de julho de 2022.

Ortigão, Maria I. R.; Fernandes, Domingos; Pereira, Talita V.; Santos, Leonor. (2019). Avaliar para aprender no Brasil e em Portugal: perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento. Curitiba: CRV.

Patto, Maria H. S. (1996). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: T. A. Queiroz.

Pinto, Jorge. (2019). Avaliação formativa: uma prática para a aprendizagem. In: Ortigão, Maria I. R.; Fernandes, Domingos; Pereira, Talita V.; Santos, Leonor. Avaliar para aprender no Brasil e em Portugal: perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento. (pp. 19-43). Curitiba: CRV.

Rosa, Paulo R. S. (2013). Uma introdução à pesquisa qualitativa em ensino de ciências. Campo Grande: Editora UFMS.

Sarmento, Diva C. (1997). O discurso e a prática da avaliação na escola. Campinas: Editora da UFJF.

Saul, Ana M. (2010). Avaliação emancipatória: desafio à teoria e à prática de avaliação e reformulação de currículo. São Paulo: Cortez.

Scriven, Michael (1978). Perspectivas e procedimentos de avaliação. In Bastos, Lila da R.; Paixão, Lyra; Messick, Rosemary. G. Avaliação educacional (II): perspectivas, procedimentos, alternativas. (pp. 11-101). Petrópolis: Vozes.

Sobrinho, José D. (2002). Construindo o campo e a crítica: o debate. In: Freitas, Luiz C. Avaliação: construindo o campo e a crítica. Florianópolis: Insular.

Sousa, Clarilza P. (1998). Descrição de uma trajetória na/da avaliação educacional. (pp. 161-174). Série ideias, n 30. São Paulo: FDE.

Szymanski, Heloísa (org.). (2002). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Plano Editora.

Tyler, Ralph Winfred (1976). Princípios básicos do currículo e ensino. Porto Alegre: Globo.

Weiss, Carol H. (1975). Investigación evaluativa: métodos para determinar la eficiência de los programas de acción, México: Ed. Trilha.

Uhmann, Rosângela I. M., & Zanon, Lenir B. (2017). Avaliação Escolar em Discussão no Processo Constitutivo da Docência. Revista Debates Em Ensino De Química, 2(1), 66–72. Recuperado de http://www.journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/1280

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

Farias, M. de F., Queirós, W. P. de, & Botter Júnior, W. (2022). Concepções Avaliativas de Professores de Química do Ensino Médio. Revista Debates Em Ensino De Química, 8(3), 338–358. https://doi.org/10.53003/redequim.v8i3.4951

Edição

Seção

Debates em Ensino e Aprendizagem da Química