Avaliações da Aprendizagem na Construção da Escola Inclusiva: Uma Revisão Bibliográfica sobre a Temática no Ensino de Ciências

Autores

  • Lays Batista Martins Leite Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal
  • Gerson de Souza Mól Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.53003/redequim.v8i3.5432

Palavras-chave:

Inclusão, Avaliação, Educação Inclusiva

Resumo

A avaliação é um ponto crucial para a democratização e respeito à diversidade na escola. Qualquer que seja o nível de avaliação, esta deve estar correlacionada com o processo de reflexão, acompanhamento e redirecionamento das ações educativas. A avaliação torna-se inclusiva à medida em que a escola direciona o seu foco para as necessidades específicas de cada educando, identificando suas particularidades e o considerando como sujeito singular. Ancorando nesse aspecto surgem os questionamentos: A avaliação pode ser inclusiva, quando aplicada para educandos com deficiências em um contexto de classe regular? Como avaliar esse público de maneira menos burocrática e mais formativa? Baseando-nos nessa problemática, buscamos realizar uma revisão bibliográfica, objetivando conceituar, em um primeiro momento, as funções das avaliações da aprendizagem que costumeiramente são utilizadas nas instituições escolares. Posteriormente, iremos abordar acerca da avaliação inclusiva como eixo norteador no Projeto Político Pedagógico – PPP e em seguida questões intrínsecas a relação entre o Ensino de Ciências e a avaliação inclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abretch, R. (1994). A avaliação formativa. Porto: Edições Asa.

Almeida, D. B., Rezende, A. M. M., Silva, E. C., Carvallho, N. M., Sobral, O. J. & Silva, R. C. M. (2007). Política educacional e formação docente na perspectiva da inclusão. Revista do Centro de Educação, 32(2) p. 327-342.

Aranha, M. S. F. (1995). Integração social do deficiente: análise conceitual e metodológica. Temas em Psicologias, 2, p. 63-70.

Barreira, C., Boavida, J. & Araújo, N. (2006). Avaliação formativa novas formas de ensinar e aprender. Revista Portuguesa de Pedagogia, v. 3, n. 40, p. 96-133, 2006.

Bloom, B., Hastings, J. & Madaus, G. F. (1971) Handbook of formative and summative evaluation of student learning. New York: McGraw-Hill.

Boas, B. M. F. V. (2001). Avaliação Formativa: em busca do desenvolvimento do aluno, do professor e da escola. In: Veiga, I. P. A. & Boff, L. Depois de 500 anos: Que Brasil queremos? Petrópolis, RJ: Vozes.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativo do Brasil. Brasília.

Brasil. (1996) Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394/96. Brasília.

Brasil. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação.

Coll, C., Martín, E. & Onrubia, J. (2007) A avaliação da aprendizagem escolar: dimensões psicológicas, pedagógicas e sociais. In Coll, C., Palacios, J. & Marchesi, A. Desenvolvimento psicológico e educação: psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas.

Dantas, C. R. S., Massoni, N. T. & Santos, F. M. T. (2017). A avaliação no Ensino de Ciências Naturais nos documentos oficiais e na literatura acadêmica: uma temática com muitas questões em aberto. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 25(95), p. 440- 482.

Darsie, M. M. P. (1996). Avaliação e aprendizagem. Caderno Pesquisa, 99, p. 47-59.

Faria, V. L. B. & Dias, F. R. T. S. (2007). Currículo na educação infantil: diálogos com os demais elementos da proposta pedagógica. São Paulo: Scipione.

Fidalgo, S. S. (2006). Avaliação na escola: um histórico de exclusão social-escolar ou uma proposta sociocultural para inclusão? Revista brasileira de linguística aplicada, 6(2), p. 15-31.

Gadotti, M. (1992). Diversidade cultural e educação para todos. Rio de Janeiro: Graal.

Gadotti, M. (2016). O projeto político-pedagógico da escola na perspectiva de uma educação para a cidadania. Disponível em: http://gadotti.org.br:8080/xmlui/handle/123456789/457. Acesso: 15 de dez. de 2018.

Gatti, A. (1987). Testes e avaliações do ensino no Brasil. Educação e Seleção, 16, p. 12-21.

Kraemer, M. E. P. (2005). A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer. Avaliação – Revista da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior, p. 137-147.

Luckesi, C. C. (2011). Avaliação da aprendizagem escolar estudos e proposições. São Paulo: Cortez.

Maia, P. F. & Justi, R. (2008). Desenvolvimento de habilidades no ensino de ciências e o processo de avaliação: análise de coerência. Ciência & Educação, 14(3), p.431-450.

Mantoan, M. T. E. (2003). Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna.

Pacheco, J. A. (1994). A avaliação dos alunos na perspectiva da reforma. Porto: Porto Editora.

Perrenoud, P. (1999). Avaliação: da excelência à regulação da aprendizagem – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Polino, S. G., Lima, V. M. R. & Ramos, M. G. (2011). Percepção de diretores de escolas públicas sobre ensino de Ciências: um estudo de caso. Ciências & Letras, 49, p. 197-213.

Ribeiro, L. C. (1989). Avaliação da aprendizagem. Lisboa: Texto Editora.

Rodrigues, C. & Precioso, J. (2010). Avaliar a avaliação: um estudo efectuado testes do 6º ano de escolaridade de ciências da natureza. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciências, 9(2), p. 418-434.

Romão, J. E. & Gadotti, M. (1994). Projeto da escola cidadã: a hora da sociedade. São Paulo: Instituto Paulo Freire.

Romão, J. E. (1998) Avaliação Dialógica: desafios e perspectivas. São Paulo: Cortez.

Santos, M. R. & Varela, S. (2007). A avaliação como um instrumento diagnóstico da construção do conhecimento nas séries iniciais do ensino fundamental. Revista Eletrônica de Educação, 1(1).

Santos, R. (2006). Avaliação no ensino interdisciplinar de ciências sob a perspectiva discente. Dissertação (Mestrado em Ciências e Matemática), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Santos, L. (2008). Dilemas e desafios da avaliação reguladora. In: Menezes, L. et al. (Orgs.). Avaliação em Matemática: problemas e desafios. Viseu, Portugal: Secção de Educação Matemática da Sociedade Portuguesa de Ciências de Educação, p.11-35.

Silva, J. L. P. B. & Moradillo, E. F. (2002). Avaliação, ensino e aprendizagem de ciências. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, 1(6), p. 1-12.

UNESCO. (1994) DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Necessidades Educativas Especiais – NEE In: Conferência Mundial sobre NEE. Salamanca/Espanha: UNESCO.

VEIGA, I. P. A. (1996). Ensino e avaliação: uma relação intrínseca à organização do trabalho pedagógico. In: Veiga, I. P. A. (Org.). Didática: o ensino e suas relações. 2. ed. Campinas: Papirus.

Veiga, I. P. A. (1998). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: Veiga, I. P. A. (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus.

Veiga, I. P. A. (2003). As dimensões do Projeto Político Pedagógico. 2.ed. São Paulo: Papirus.

Veiga, I. P. A. (2008) Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: Veiga, I. P. A. Projeto político pedagógico da escola: uma construção possível. 24ª edição. Campinas: Papirus.

Zabala, A. (1998). A Avaliação. In: Zabala, A. A Prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

Leite , L. B. M., & Mól, G. de S. (2022). Avaliações da Aprendizagem na Construção da Escola Inclusiva: Uma Revisão Bibliográfica sobre a Temática no Ensino de Ciências. Revista Debates Em Ensino De Química, 8(3), 54–66. https://doi.org/10.53003/redequim.v8i3.5432

Edição

Seção

Debates em Direitos Humanos, Culturas e Justiça Social no Ensino de Química

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)